As primeiras imagens do novo FNM mostram um estilo vintage com um toque contemporâneo de modernidade
Divulgação
As primeiras imagens do novo FNM mostram um estilo vintage com um toque contemporâneo de modernidade

O caminhão elétrico é uma realidade na Europa onde existem rigorosas leis de emissões de poluentes A questão é que, sem subsídios, chega custar muito mais caro que um similar a diesel. No Brasil, a Volkswagen e a Mercedes-Benz têm planos adiantados de veículos eletrificados. Mas, surge um projeto brasileiro desafiador: a volta da icônica marca FNM com caminhões totalmente elétricos.



Para quem não conheceu, a nova FNM (Fábrica a Nacional de Motores) fez o primeiro caminhão brasileiro, um sucesso entre as décadas de 1950 a 1970, mas extinta em 1980. Atualmente, a marca foi registrada novamente por uma startup do Rio de Janeiro e batizada como Fábrica Nacional de Mobilidades.

Segundo o atual dona da marca, a nova FNM prevê a produção de dois caminhões 100% elétricos, destinados a operações nos segmentos de médios e semipesados e “serão repletos de tecnologia”.

Conforme imagens renderizadas, os novos FNM têm uma cabine de aspecto “neo vintage” em “uma releitura contemporânea” como afirma a startup . O primeiro modelo será o FNM 832 , com comprimento de 6,30 metros e PBT (Peso Bruto Total) de 13 toneladas. Já o segundo modelo, chamado FNM 833 contará com 7,20 metros de comprimento e PBT de 18 toneladas.

O motor elétrico, com tecnologia norte-americana, terá sistema de 650 volts com 355 cavalos. A produção dos veículos utilizará o material nióbio (mais resistente e leve que o aço) em componentes como chassis, freios, suspensões, rodas e demais peças e estruturas, para diminuir o peso dos veículos e aumentar a resistência, o desempenho e a autonomia.

A startup afirma que todos os caminhões da marca FNM serão conectados com Wi-Fi, contarão ainda sistema anticolisão e com inteligência artificial. Numa primeira fase, todos os componentes serão importado. Os preços dos caminhões FNM ainda não foram anunciados.

Você viu?

Nova FNM também quer ter ônibus elétricos

O modelo elétrico FNM 832, com capacidade de 13 toneladas, destina-se ao segmento de caminhões médios
Divulgação
O modelo elétrico FNM 832, com capacidade de 13 toneladas, destina-se ao segmento de caminhões médios


Além dos caminhões, a empresa também pretende concentrar as atividades no desenvolvimento e produção de ônibus elétricos e o chamado sistema RePower, tecnologia que permite a remotorização de veículos diesel para elétricos.

O plano da empresa é começar a produção em novembro em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, numa parceria com a Agrale uma montadora local. “A fabricação vai trazer muita modernidade”, diz o empresário José Antônio Martins

Interessante que a Agrale , uma empresa genuinamente nacional, já produz o Marruá, um utilitário militar que servirá de base para o Bortana EV, um 4×4 elétrico desenvolvido em conjunto com uma startup australiana.

O Agrale Marruá, modelo brasileiro usado por serviços policiais e de mineração, será a base de um novo utilitário elétrico
Divulgação
O Agrale Marruá, modelo brasileiro usado por serviços policiais e de mineração, será a base de um novo utilitário elétrico


A aposta da nova FNM é trazer “soluções de mobilidade que incentivem o desenvolvimento de uma logística sem poluentes, silenciosa, segura e sustentável no transporte de cargas e de passageiros”. Uma proposta ousada que se realizada vai trazer um impulso inovador num segmento dominado por modelos diesel poluentes. Veja abaixo o vídeo das novidades.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários