Tamanho do texto

Modelo clássico ressurge no Salão de Detroit, ao lado de sua releitura da versão moderna GT. Confira o vídeo

A Ford apresentou três novidades durante o Salão de Detroit 2018, nos EUA. Um dos grandes destaques foi o Mustang Bullitt de terceira geração – em edição limitada comemorativa do 50º aniversário do filme clássico “Bullitt”, de Steve McQueen. Estrearam também o novo Edge ST, o primeiro SUV tunado pela Ford Performance (divisão de carros de alto desempenho da marca) e a Ranger renovada, esta exclusiva para o mercado americano.

LEIA MAIS: Exportações puxaram a produção de veículos em 2017. Veja a análise

O novo Ford Mustang Bullitt será lançado em meados do ano nos EUA e é equipado com um motor V8 5.0, de 480 cv e torque  de 58,1 kgfm, chegando à velocidade máxima de 262 km/h.

LEIA MAIS: Sergio Habib fala tudo sobre a nova JAC do Brasil

O Mustang GT 1968 original que estrelou o premiado filme “Bullitt”, com Steve McQueen, também fez parte da mostra da Ford no salão, dando fim a um mistério de 40 anos sobre o paradeiro do carro. O novo Mustang Bullitt tem transmissão manual e exibe uma bola branca na manopla do câmbio, como um tributo ao modelo original. Também vem com válvula ativa no sistema de escapamento, tunada para dar ao carro um ronco característico.

Outro equipamento de série é o painel de instrumentos com tela digital de 12 polegadas, igual à do novo Mustang que começa a ser vendido no Brasil este ano, mas com uma tela de boas-vindas exclusiva, em verde, e a imagem do Bullitt estampada.

“Como Steve McQueen, este novo Bullitt agrada sem fazer esforço”, diz Darrell Behmer, designer chefe do Mustang. “Como designer, é o meu Mustang preferido, despojado de listras, spoilers e emblemas. Ele não precisa gritar para ser notado – é simplesmente legal.”

Suas opções de cor são limitadas ao preto Shadow e ao clássico verde Dark Highland usado no filme. Outras características que homenageiam o carro dirigido por McQueen são os frisos finos cromados ao redor da grade e das janelas dianteiras e as clássicas rodas de alumínio de 19 polegadas. Por dentro e por fora, o veículo traz poucos emblemas. Externamente, vê-se apenas o logotipo circular BullittTM aplicado na falsa tampa de combustível na traseira.

Seguindo as pegadas

Dois Mustangs GT 1968 fastback idênticos foram usados ​​na filmagem de “Bullitt”, sucesso que estreou nos cinemas em 17 de outubro de 1968. Depois da filmagem, os carros seguiram caminhos diferentes: o veículo principal dirigido por McQueen foi vendido pela Warner Bros para um comprador privado e o outro – usado em muitos saltos na famosa cena de perseguição – foi enviado a um depósito de sucata.

LEIA MAIS: Toyota Hilux Challenge vai bem no pantanal mato-grossense

Este último ressurgiu em Baja, Califórnia, no início de 2017, mas o outro ficou perdido para a história. Até agora. Sean Kiernan herdou o carro em 2014 do seu falecido pai, Robert, que o havia comprado em 1974. Para realizar o sonho da família, Sean contatou a Ford e trabalharam juntos para colocá-lo ao lado do novo Mustang Bullitt no Salão de Detroit.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.