Segmento automotivo se recupera da crise, mas mudou de perfil, abrindo espaço para os seminovos
Divulgação
Segmento automotivo se recupera da crise, mas mudou de perfil, abrindo espaço para os seminovos

O ano de 2021 está se encerrando, e ele foi aquecido para o mercado de carros seminovos e usados. Em dez meses, de janeiro a outubro, as vendas aumentaram quase 30% em relação ao mesmo período de 2020. Mas isso são águas passadas. O que esperar de 2022?

Pelo que vejo por aí, 2022 será promissor para o mercado de seminovos. A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) não estima redução nos preços , pelo menos até meados do próximo ano.

O principal motivo é o dólar alto, o que impacta a importação de peças e insumos, consequentemente encarecendo os produtos produzidos no país. Isso reflete no valor do veículo para o consumidor final e abre margem para a expansão dos seminovos e usados .

Os carros novos, mesmo os modelos de entrada , estão com valores altos – dificilmente encontrados por menos de R$ 70 mil, o que leva as pessoas a repensarem a compra e buscarem alternativas nas opções de segunda mão, cujo valor, em alguns casos, se aproxima de um novo, por conta da supervalorização do mercado .

Leia Também

Somado a isso, ao menos em São Paulo, o governo ajustou os impostos. A alíquota do ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços) aplicado na comercialização em concessionárias e lojistas do setor deve voltar aos patamares originais e baixar – em 2020 apresentou aumento de 200%.

Ademais, ao menos dez montadoras ao longo de 2021 paralisaram suas produções para tentar frear a crise sanitária, e pelo simples fato de a indústria não conseguir absorver a demanda de produção das peças, impactando os novos, que chegaram a ter fila de espera para compra. Essa movimentação não deve se repetir no próximo ano.

O segmento automotivo se recupera da crise, mas mudou de perfil, abrindo espaço para os seminovos, já que, para muitos, o cheirinho de carro novo vai ter que esperar a economia se estabilizar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários