Tamanho do texto

SUV aposta em conforto, segurança e conectividade. Confira nossas impressões do modelo que custará entre R$ 135 mil e R$ 150 mil

SsangYong Korando: nova geração do SUV médio coreano começará a ser vendida no Brasil no início de 2018
Cauê Lira/iG Carros
SsangYong Korando: nova geração do SUV médio coreano começará a ser vendida no Brasil no início de 2018

Durante a experiência com toda a linha da SsangYong no Brasil, o Korando foi o modelo que mais surpreendeu. Definitivamente, o SUV é o melhor carro da marca em sua reestruturação. A receita utilizada é simples, e faz sucesso entre os rivais: unir conforto, segurança e conectividade. “O SsangYong Korando virá com um pacote de tecnologia e conforto muito interessante para deixá-lo ainda mais competitivo ante os rivais”, diz Marcelo Fevereiro, diretor de operações da marca no Brasil.

LEIA MAIS: SsangYong Tivoli 1.6: confira nossas primeiras impressões

De acordo com a marca, o ponto chave será a relação entre custo e benefício. Tarefa difícil, ainda mais em um segmento liderado pelo Jeep Compass, que vende tão bem há meses. Ainda mais entendendo que a marca pretende cobrar algo em torno de R$ 135 mil e R$ 150 mil nas duas versões que o SsangYong Korando terá no Brasil.

Batendo os olhos, sua silhueta lembra bastante o Chevrolet Tracker. Os grandes faróis dianteiros com acentuações em LED se juntam à grade frontal, deixando a frente do Korando ainda mais alta e robusta. Sua linha de cintura, como podemos perceber pelas imagens, é bem alta, com protuberâncias consideráveis nas caixas de roda. A traseira também é elevada, e o motorista terá que usar câmera de ré e sensores de estacionamento em manobras mais complicadas.

Não é difícil ficar confortável dentro do Korando. Há ajustes elétricos para o banco do motorista e manuais no volante. A posição de dirigir remete bastante aos SUVs de antiga geração, como o Chevrolet Captiva. O condutor fica mais alto, mas viaja tranquilamente.

Há pouco o que falar do interior. Os materiais são de boa qualidade, contando até com acabamento macio nas portas dianteiras e no painel. Não há qualquer desleixo na montagem. Assim como no Tivoli, dirigimos uma unidade de homologação do Korando - ainda com placas verdes, da fabricante. Já foi mencionado que a marca trará outra versão da central multimídia, podendo integrar até conectividade Apple CarPlay e Android Auto. A informação, entretanto, ainda não foi 100% confirmada.

LEIA MAIS: SsangYong Actyon Sports Diesel quer uma segunda chance entre as picapes

O espaço no banco traseiro é suficiente para levar dois adultos e uma criança. Quem for sentado no centro vai se sentir desconfortável, mas contaria com a ajuda do piso plano para acomodar as pernas. Vale mencionar que o banco traseiro é bipartido, e traz ajustes de inclinação. Bancos em couro e ar-condicionado digital completam o pacote conforto. O modelo vem equipado com direção elétrica e vários itens de segurança, como airbags dianteiros, freios a disco nas quatro rodas, controle de estabilidade e tração e assistente de partida em rampas.

Caem-se os queixos

Dou a partida por meio de um botão no painel e me surpreendo com o silêncio. Apesar de contar com um 2.2, turbodiesel, de 178 cv a 4.000 rpm e 41 kgfm de torque a 2.800 rpm, o Korando roda sem fazer barulho, mesmo na estrada. A caixa automática de seis matchas funciona bem com o motor, garantindo um percurso tranquilo e sem trancos. Um ótimo trabalho feito pela Aisin, que também produz o câmbio automático do rival Jeep Compass.

LEIA MAIS: Jeep Compass Limited Diesel surpreende com bom conjunto mecânico

Retomadas também não serão problema, já que o torque máximo é entregue logo a 2.800 rpm. Trata-se do mesmo motor utilizado na picape Actyon Sports, mas a melodia que sai pelo escapamento toca de forma mais suave no Korando. 

Fica claro que o SUV possui atributos interessantes para conquistar o público brasileiro. Entretanto, ainda restam  incertezas sobre os valores de seguro, lista de peças e custo de manutenção. O Korando chega às concessionárias em fevereiro de 2018.

Preço: entre R$ 135 mil e R$ 150 mil
Motor: 2.2, turbodiesel
Potência: 178 cv a 4.000 rpm
Torque: 41,1 kgfm a 1.400 rpm
Transmissão: automática de seis velocidades
Suspensão: Independente (dianteira) e eixo rígido (traseira)
Freios: Disco ventilado (dianteira), disco sólido (traseira)
Rodas: 255/60 R18
Dimensões: 4,4 m (comprimento), 1,8 m (largura), 1,7 m (altura) e 2,6 m (entre-eixos)
Tanque: 57 litros
Porta-malas: 486 litros
Consumo: não disponível

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.