Tamanho do texto

Divisão de modelos de luxo voltará a ter modelos importados no País a partir da segunda metade do ano. Confira mais detalhes da nova estratégia

Citroën DS3
Divulgação
Citroën DS3

A Citroën vai começar a abrir concessionárias próprias da marca de luxo DS no Brasil a partir do segundo semestre, seguindo a estratégia adotada em outros países do mundo, conforme apurou a reportagem de iG Carros. Com isso, a fabricante quer voltar a ter apelo no mercado brasileiro, onde chegou em 2012, com o hatch esportivo DS3. A importação de modelos da DS mantém suspensa no País até a inauguração das novas lojas. Atualmente, vende-se apenas o que ainda restou do estoque antigo. 

LEIA MAIS: Citroën C4 Lounge THP 2017 agrada pela relação entre custo e benefício

Por enquanto, porém, os donos dos modelos DS no Brasil podem continuar contando com a ajuda da Citroën para serviços de pós-venda incluindo revisões e eventuais situações relacionadas à garantia. A Citroën ainda disse que irá ajudar as revendas que ainda possuam alguma unidade da DS em estoque, com ações comerciais ou, se necessário, realizando a recompra do carro.

A trajetória da DS no Brasil

Apesar do ótimo resultado nos primeiros anos de vida, a marca DS viu suas vendas caírem vertiginosamente desde 2014. Começaram a operar no Brasil em 2012, com o hatch DS3 , pouco depois lançando o DS5, já com a proposta premium. O DS3 , por exemplo, era vendido inicialmente por R$ 79.900, enquanto o DS5 chegou às lojas por R$ 124.900.Mesmo assim, tiveram um bom desempenho. O DS3 emplacou 717 unidades ao longo de 2012, enquanto o DS5 conseguiu vender 139 veículos no único mês em que esteve à venda.

LEIA MAIS: Citroën C4 Cactus chegará ao Brasil no final de 2017. Saiba mais detalhes

No ano seguinte, com 12 meses de vendas, mostraram que tinham fôlego. O DS3 perdeu um pouco de espaço, emplacando 610 unidades. Isso porque veio o DS4, por R$ 99.900 e que emplacou 657 veículos em 2013. O DS5 surpreendeu com 896 unidades. Em 2014, as vendas caíram pela metade. No ano seguinte, mal passavam de 100 unidades emplacadas. Em 2016, seu último ano de verdade no mercado, sofreram com a retração do setor.

Durante os seis anos em que esteve no Brasil, a Citroën DS emplacou 4.543 unidades. Seu melhor produto fo o DS5 , justamente o mais caro deles e que vendeu 1.695 unidades. Em seguida veio o DS3 , com 1.680 veículos. O DS4 conquistou 1.168 clientes, bem abaixo dos outros dois carros da marca. Na nova fase da DS no Brasil é possível que tragam novos produtos, entre os quais o novo SUV DS7, uma das novidades do Salão de Genebra (Suíça), entre os dias 9 e 19 de março. 

LEIA MAIS:  Citroën C4 Lounge mostra toda sua vocação de carro familiar

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.