Mercedes-Benz GLA 200 será vendido no Brasil em versão única, no pacote AMG Line
Divulgação
Mercedes-Benz GLA 200 será vendido no Brasil em versão única, no pacote AMG Line

Antes de passar as nossas impressões sobre o novo Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line , vale dar uma olhada na linha de SUVs da marca alemã para entender a forma que ele compõe o catálogo. Muitas coisas mudaram em relação aos últimos anos. 

Em sua nova geração, o SUV compacto premium será vendido no Brasil em versão única por R$ 325.900. Isso coloca o seu valor acima do Mercedes-Benz GLB , que parte de R$ 299.990 e pertence a uma categoria superior.

O motivo é bem simples. O GLA 200 parou de ser fabricado em Iracemápolis (SP) no fim do ano passado e agora é importado da Alemanha. Já o GLB é produzido no México e tem benefícios fiscais para ser vendido em valores mais competitivos no Brasil. Isso explica a inversão dos produtos e o fato do GLB ser o novo SUV de entrada da Mercedes-Benz por aqui.

A carroceria do GLA 2021 manteve o mesmo visual básico do antecessor, porém incorporando a identidade visual mais recente da empresa, já vista em carros como o atual Classe A e o recém-lançado Classe C. Apesar de ter ficado ligeiramente mais curto que a última geração (com 4,41 m de comprimento), o novo GLA ganhou 3 cm na largura (1,834 m), 9 cm na altura (1,611 m) e 3 cm no entre-eixos (2,729 m).

Na versão oferecida no Brasil, o SUV se diferencia pelos elementos esportivos no exterior e interior inspirados nos AMG . A lista inclui grade frontal no estilo diamante, novos para-choques, detalhes cromados nas maçanetas e linhas das janelas, rodas de 20", volante de base achatada, pedais esportivos, acabamento interno imitando fibra de carbono e bancos com acabamento em Ártico e Dinâmica.

Na lista de equipamentos, o Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line traz chave presencial, sistema multimídia inteligente MBUX, sistema de estacionamento automático, bancos dianteiros com ajuste elétrico e memória, teto solar panorâmico, ar-condicionado automático digital de duas zonas, controlador adaptativo de velocidade de cruzeiro ("piloto automático"), frenagem autônoma, assistente de ponto cego e de manobra evasiva e carregador de celular por indução.

Você viu?

Ao volante

A boa ergonomia da antiga geração do GLA se faz presente no modelo 2021 importado da Alemanha. A sensação é de estar em um hatchback, com o “ponto H” – localizado próximo à articulação do assento com o encosto do banco – de posicionamento mais baixo. Combinando a boa posição para guiar com o volante com ajustes de altura e profundidade, é praticamente impossível ficar desconfortável no GLA .

O modelo recebe o novo motor 1.3 turbo, de quatro cilindros, que desenvolve 163 cv e 25,5 kgfm, combinado a um câmbio automatizado DCT de sete marchas e dupla embreagem, que traciona as rodas dianteiras. O conjunto mecânico, desenvolvido em parceria com a Renault, é o mesmo empregado no GLB 200 e também nos Classe A (Hatch e Sedan) e CLA.

Circulando na cidade, percebo que o GLA poderia ser mais ágil ao vencer a inércia em algumas situações, principalmente nas saídas de semáforos em aclives. O torque cheio é entregue em 1.620 rotações por minuto, fazendo o motor 1.3 girar mais que o do rival BMW X1 , por exemplo, que tem o torque completo entregue na faixa de 1.250 rotações.

Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line se destaca pela conectividade e economia de combustível
Divulgação
Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line se destaca pela conectividade e economia de combustível

A experiência ao volante continua sendo muito agradável, ainda mais com o seletor de modos de condução que pode alterar o comportamento da direção, do motor e da transmissão. O balanço da suspensão, independente na dianteira e multilink na traseira, é adequado para um SUV urbano que passa a maior parte do tempo enfrentando lombadas e buracos.

Segundo o Inmetro, o Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line pode marcar 10,4 km/l na cidade e 14 km/l na estrada. Comparado aos outros rivais do trio de ferro alemão – BMW X1 (10 km/l e 12 km/l) e Audi Q3 (10,2 e 11,9 km/l) –, o modelo tem o menor consumo de combustível do segmento.

Conclusão

O tempo dirá se a ideia de colocar o GLA em um segmento mais elevado trará resultados à Mercedes-Benz . Fica muito claro que o novo foco da marca é o GLB , que pode ser adquirido por R$ 264.900 e é mais interessante que os rivais da Audi e BMW . Será que uma versão mais barata do GLA, sem o pacote AMG Line, teria espaço no mercado nacional?

Ficha técnica :
Preço: R$ 325.900
Motor: 1.3, turbo, gasolina
Potência: 163 cv a 5.500 rpm
Torque: 25,5 kgfm a 1.620
Transmissão: automatizada, 7 marchas
Freios: discos ventilados (dianteira), discos sólidos (traseira)
Suspensão: McPherson (dianteira), multibraço (traseira)
Pneus: 235/45 R20
Porta-malas: 435 litros
Tanque de combustível: 43 litros
Consumo: 10,4 km/l (cidade), 14 km/l (estrada)
0 a 100 km/h: 8,7 segundos

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários