Apesar do visual polêmico e do câmbio antigo, o Toyota Etios Sedan é boa escolha se comparado aos mais caros rivais

Assim como acontece com muitos sedãs nos pequenos ou compactos, o Toyota Etios encontrou um público bem fiel: os taxistas. A mecânica mais confiável tornou a versão sedã do Etios bem atraente para quem passa o dia dirigindo e transportando pessoas. Só faltava uma opção automática para aumentar o conforto. O lado bom é que ele veio e sem transformar o carro em um beberrão. O lado ruim é que o preço sobe R$ 3.500 em cada versão de um veiculo que custa R$ 48.495.

A novidade faz parte da linha 2017 do Toyota Etios , momento em que fez sua renovação de meia-vida . Visualmente, não mudou nada, não ganhou nem uma parte cromada a mais só para falar que está diferente. Até mesmo o polêmico painel de instrumentos central continua na mesma posição. Quem esperava por um design diferente para ter um Etios terá que esperar pela próxima geração.

Velocímetro agora é digital, com aspecto mais moderno que o da linha 2016
Divulgação/Toyota
Velocímetro agora é digital, com aspecto mais moderno que o da linha 2016

O que mudou mesmo foi por dentro. O painel de instrumentos não é mais analógico, utilizando a tela TFT de 4,2 chamada Smart Screen, a mesma que equipa o híbrido Prius . É um item de série em toda a linha, dividido em duas partes. Na esquerda, temos o velocímetro digital e o tanque de combustível, enquanto na direita fica o conta-giros e a medida instantânea de consumo. Seria melhor se fosse para trás do volante, mas o painel digital já resolve muito bem o problema de visualização.

Com uma nova fábrica de motores em Porto Feliz (SP), a Toyota parou de importar as unidades 1.3 e 1.5 do Japão. Aproveitaram para fazer melhorias, introduzindo um sistema de aquecimento nos bicos injetores (adeus tanquinho de partida a frio). Estão mais potentes também, com o 1.3 gerando 98 cv e 12,8 kgfm de torque, e o 1.5 com 107 cv e 14,4 kgfm de torque, com etanol. O consumo de combustível caiu 9% no 1.3 e 11% no 1.5.

Não é bonito, mas anda...

Meu primeiro contato com o Toyota Etios automático foi com a versão hatchback de entrada, em um test-drive na região de Mogi das Cruzes (SP) . A ótima dinâmica da versão anterior continua. O motor tem um bom rendimento, suficiente para qualquer aceleração e retomada, tanto na cidade quanto na estrada. Como disse na avaliação anterior, se mostrou bem competente quando combinado ao câmbio manual de cinco marchas.

Agora foi a vez de testar o Etios Sedan com motor 1.5 e a nova transmissão automática. Com apenas quatro marchas, já aparecia a preocupação do carro beber demais e ter os mesmos problemas na troca de marchas que essa caixa de transmissão apresentava no Corolla antigo. Na coletiva de imprensa, a Toyota disse ter atualizado o câmbio para ser mais eficiente, com trocas mais suaves, mas sem aumentar o consumo de combustível.

Câmbio automático tem apenas quatro marchas, mas dá conta do recado
Divulgação/Toyota
Câmbio automático tem apenas quatro marchas, mas dá conta do recado

Cumpriram o que prometeram. Embora o câmbio ainda se confunda um pouco caso seja necessário trocar de marcha muito rapidamente, é uma transmissão muito mais esperta do que a da geração anterior do  Corolla . O consumo ficou dentro do esperado quando abastecido com etanol – o computador de bordo marcava 14,7 km/l após uma viagem por rodovias, com gasolina, enquanto na cidade marcou 12 km/l.

É um bom resultado. O teste do Inmetro diz que o Toyota Etios Sedan 1.5 com o câmbio automático faz 12,2 km/l na cidade e 14,9 km/l na estrada, com gasolina. Valores bem próximos dos 12,5 km/l em ciclo urbano e 15 km/l no rodoviário da versão com transmissão manual de cinco marchas. Ambos os resultados são suficientes para receber a nota AAA da entidade e o selo do Conpet de eficiência energética.

Na estrada, o Etios mostrava uma ótima estabilidade nas curvas da Mogi-Bertioga (bem fechadas, por sinal). A direção elétrica, reajustada, pode ser um pouco mole para quem gosta de um volante mais duro, porém agrada quem prefere mais conforto. Lembra mais o Corolla , rodando de forma tão macia quanto o sedã médio da Toyota , superando qualquer lombada ou rua acidentada.

Embora o preço de R$ 60.295 pareça demais, na versão topo de linha XLS, o Etios Sedan é, em média, R$ 2.500 mais barato do que os rivais. Em compensação, fica devendo em alguns equipamentos, sem navegador por GPS na central multimídia ou espelhamento para smartphones – itens que estão ficando mais comuns. Nem mesmo travamento automático das portas ele tem.

Claro que o Toyota Etios automático tem seus defeitos, mas pode ser uma boa escolha para quem quer um carro com mecânica confiável e com uma boa média de consumo de combustível. Talvez seja melhor esperar um pouco pelo lançamento do Chevrolet Prisma renovado ( chega no fim do julho ), o que pode levar algumas concessionárias a oferecer alguns descontos para manter o modelo competitivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.