Tamanho do texto

Após US$ 9 bilhões de perdas em oito anos, General Motors vende Opel. Saiba o que muda para a General Motors e a PSA com a negociação

A GM e o Grupo PSA já tinham projetos em conjunto. É o caso do Opel Crossland X, que com a base do Citroën C3
Divulgação/General Motors
A GM e o Grupo PSA já tinham projetos em conjunto. É o caso do Opel Crossland X, que com a base do Citroën C3

Após anos insistindo na Europa, a General Motors finalmente desistiu e concordou em vender a Opel, sua marca no Velho Continente, para o Grupo PSA (dona da Peugeot e Citroën). O acordo de 2,2 bilhões de euros (aproximadamente R$ 7,2 bilhões) transforma a PSA no segundo maior grupo automotivo da Europa (atrás apenas da Volkswagen) e inclui também a Vauxhall, braço inglês da GM.

LEIA MAIS: GM vai trazer o SUV Equinox para substituir o Captiva no fim do ano 

A General Motors era dona da Opel desde 1929 e, apesar de alguns bons períodos nesses quase 90 anos, vinha sofrendo desde 2009 com os prejuízos de sua marca europeia – perdeu cerca de US$ 9 bilhões desde então. Mesmo com seus novos produtos, continuou a causar dores de cabeça para a matriz e fechou 2016 com perdas. Mais do que o lucro pelo valor pago, a GM ganha por se livrar de uma marca que pesava sobre suas contas.

Para a PSA, o negócio é muito mais atraente. Só de adquirir a Opel e a Vauxhall, a participação de mercado do Grupo PSA passou para 16%, acima da sua arquirrival Renault, ainda que bem abaixo dos 24% da Volkswagen. Para a empresa, ter mais 1,2 milhão de veículos vendidos ajudará a reduzir os custos de desenvolvimento, por aproveitar a tecnologia em três marcas ao mesmo tempo.

LEIA MAIS: Novo Chevrolet Tracker mantém os preços antigos e parte de R$ 79.990

“Estamos confiantes de que a mudança na Opel e Vauxhall irá acelerar significantemente o nosso suporte”, afirma Carlos Tavares, o chefão da PSA. “Já criamos juntos produtos vencedores para o mercado europeu, nós sabemos que a Opel/Vauxhall é o parceiro certo.” As duas empresas chegaram a anunciar uma parceria em 2012 para compartilhar motores e plataformas, além de desenvolver alguns veículos em conjunto. Recentemente, a Opel revelou o Crossland X, utilitário que usa a mesma base do Citroën C3.

Ponto de mudança

A negociação irá mudar muita coisa para ambas as companhias. A General Motors vem buscando maneiras de reduzir suas perdas com o corte de ativos que não dão retorno – em 2016, anunciou que iria encerrar a operação da fábrica da Holden, sua marca na Austrália. Com a venda da Opel/Vauxhall, a GM deixa a Europa quase que por completo. Só resta a Chevrolet, que trabalha no Velho Continente com o Corvette e o Camaro.

LEIA MAIS: PSA prepara substituto de Peugeot 208 e Citroën C3 para a América Latina

Enquanto isso, a PSA irá iniciar seu plano para transformar a Opel/Vauxhall.  Sabem que irá demorar e, até lá, terão que segurar o prejuízo que a General Motors sofria. Com o desenvolvimento de novos veículos baseados em carros da PSA, esperam conseguir operar com uma margem de lucro de 2% dentro de três anos e 6% em 2026. O novo subcompacto da Opel foi adiado para 2020, já que terá que voltar para as pranchetas. Devem lançar outros cinco modelos até 2023.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.