Tamanho do texto

Com isso, prazo passa a coincidir com o que foi estabelecido no Brasil, garantindo mais tempo para fabricantes se adaptarem

O controle eletrônico de estabilidade (ESP) pode evitar um a cada três acidentes, segundo estudos recentes
Divulgação
O controle eletrônico de estabilidade (ESP) pode evitar um a cada três acidentes, segundo estudos recentes

Antes prevista para 2018, a obrigatoriedade do controle eletrônico de estabilidade (ESP) foi adiada para 2020 na Argentina, de acordo com o que admitiram tanto a associação das fabricantes do país vizinho (Adefa) quanto a Agência Nacional de Segurança Viária, informa o site Argentina Autoblog. O motivo do adiamento foi o lobby das fabricantes no Brasil que quiseram igualar os prazos da implementação do equipamento de segurança nos dois países, uma vez que vários modelos feitos aqui são exportados para os hermanos .

LEIA MAIS: Vídeo mostra como mostra o controle eletrônico de estabilidade faz diferença

Alguns órgãos ligados à questão de segurança chegaram se mostrar contra o adiamento, como a Fundação Gonchi Rodriguez e o LatinNCAP. Há estatísticas que provam a eficiência do controle de estabilidade (ESP) para evitar acidentes. Na Europa, onde o item vem de série em todos os carros com mais de 4,5 toneladas, desde 2012,  cerca de 190 mil sinistros foram evitados. No Canadá e Austrália, sabe-se que um a cada três acidentes foram evitados pelo ESP e que mortes e colisões caíram em até 43%.

Longa novela 

Faz tempo que o ESP está para ser obrigatório nos carros fabricados no Brasil. E pelo o que ficou acertado com as entidades ligadas à segurança viária, o equipamento terá que ser instalado em todos os veículos completamente novos feitos no País a partir de 2020 e em todos os demais modelos em 2022. A Argentina trabalhava com um cronograma semelhante, mas com dois anos de diferença: 2018 para os inéditos e 2020 para qualquer carro.

LEIA MAIS: Honda Fit 2018 chega mais equipado e com controle de estabilidade 

O adiamento também se baseia na tese de que se o ESP viesse a ser obrigatório na Argentina em 2018 iria gerar um problema logístico, exigindo alterações na produção para montar modelos especialmente para os  hermanos  . Alinhar a adoção do equipamento com o Brasil evitaria os custos extras para as fabricantes.

Como funciona

Controle de Estabilidade pode ser desligado por botão no painel em alguns modelos disponíveis
Divulgação
Controle de Estabilidade pode ser desligado por botão no painel em alguns modelos disponíveis

O ESP (Eletronic Stability Program) funciona por meio de sensores e modulo eletrônico formando um sistema que evita derrapagens e saídas de frente e traseira, ajudando a manter o carro sob controle em pisos escorregadios ou quando existe um certo abuso da velocidade nas curvas. Atua cortando a potência do motor e freando cada roda individualmente, para gerar força oposta no lado que está derrapando

A tecnologia do controle de estabilidade surgiu em 1995, quando Mercedes-Benz , BMW e Toyota  introduziram suas próprias versões do sistema. Só se tornou realmente famoso com o infame case do Mercedes-Benz Classe A que capotou em um teste a 78 km/h. Como a Mercedes sempre se orgulhou de fazer carros seguros, fez um recall de 130 mil unidades para equipá-las com o controle de estabilidade. A redução no número de acidentes foi tão grande que outras marcas começaram a adotar o sistema. 

LEIA MAIS:  Hyundai ix35 ganha controle de estabilidade na versão intermediária GL

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.