Tamanho do texto

Confira o que achamos do modelo movido apenas a eletricidade, capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 6,5 segundos

Chevrolet Bolt: trazido pela GM ao Brasil, modelo elétrico é agradável de dirigir e mostra que tem alta tecnologia
Carlos Guimarães/ iG
Chevrolet Bolt: trazido pela GM ao Brasil, modelo elétrico é agradável de dirigir e mostra que tem alta tecnologia

Bastou sentar no banco do motorista para assumir o volante do Chevrolet Bolt que me convenci que o futuro chegou. Dada a partida por um botão no painel o único barulho que ouço é um discreto zunido da unidade de propulsão funcionando. Esqueça tudo o que aprendeu sobre motores a combustão. Agora é tudo movido a eletricidade, com um sofisticado sistema de regeneração de energia, o que vai aumentando a autonomia conforme uma série de parâmetros. Portanto, nada combutíveis líquidos, nem problemas de superaquecimento, ou de lubrificação, correias rompidas, velas gastas, entre outras “dores de cabeça”.

LEIA MAIS: BMW i3:  como é a vida andando de elétrico em São Paulo

O silêncio continua o tempo todo, mesmo depois de acelerar. Já com o carro em movimento, aquele sunido da unidade de propulsão passa a ser acompanhado do discreto ruído dos pneus run flat . Como não depende da dinâmica dos gases de admissão e escape no motor, entre outras variáveis, o motor elétrico do Chevrolet Bolt é capaz de gerar força máxima desde o momento em que o pedal do acelerador é acionado. São nada menos que 36,7 kgfm de torque e 230 cv , números suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em meros 6,5 segundos, de acordo com a fabricante. 

LED no lugar de lâmpadas nas lanternas, boa área envidraçada e baixo centro de gravidade são itens marcantes no Bolt
Carlos Guimarães/iG
LED no lugar de lâmpadas nas lanternas, boa área envidraçada e baixo centro de gravidade são itens marcantes no Bolt

De fato, pisando mais forte no pedal da direita, o Bolt responde com rapidez. Não que seja um estouro, mas o suficiente para ultrapassagens sempre seguras. Interessante também é que o carro pode ser dirigido no modo em que pode até ser possível acelerar de frear apenas pelo acelerador. Isso porque, ao acionar o sistema que regenera com mais vigor a energia cinética e do calor dos freios, ao aliviar a pressão no pedal, o carro vai sendo freado, efeito que pode ser potencializado por uma haste atrás do volante no lado esquerdo.  Entretanto, para frear para valer, apenas usando os freios mesmo.

LEIA MAIS: Renault Twizy: andamos no modelo elétrico, pela primeira vez, em ruas do Brasil

Bom também é que todo o fluxo de energia do carro pode ser monitorado por uma tela de 10,2 polegadas, que também exibe informacões do computador de bordo e as imagens das câmeras espalhadas pelo carro, que podem gerar visão de 360°. Além disso também são usadas para a imagem limpa que aparece no retrovisor interno, sem interferências, como as cabeças dos ocupantes do banco traseiro, ou alguma bagagem que poderia obstruir o ângulo de visão do motorista.  Outro ponto positivo do carro é a central multimídia, que se integra totalmente ao celular, mostrando inclusive aplicativos de navegação como Waze e Google Maps.

Nova geração de elétricos

Ao falar em carro elétrico, uma das primeiras ideias que vêm à tona é a questão da autonomia. No Bolt, essa questão está em um patamar que vai além do que se viu até agora. Conforme a fabricante, o Bolt pode rodar, em média 383 quilômetros até precisar de recarga nas baterias. Mas isso pode aumentar bastante conforme o modo de direção selecionado, o trajeto, a temperatura ambiente entre uma série de variáveis. Mas, no Brasil, não existe infraestrutura suficiente para encarar uma viagem fora dos grandes centros urbanos, um dos fatores que torna inviável a venda do modelo no País. 

Em todo caso,  a recarga pode ser feita em três formas diferentes. A primeira, em tomada de 120 volts como as usadas em residências, que carregam o equivalente a 6,4 km de autonomia a cada hora, completando totalmente a carga entre 50 e 60 horas. Trata-se de uma opção mais acessível de sistema de recarga que pode ser feita durante a noite para deslocamentos cotidianos. Há também a opcão do carregador especial que funciona com 240 volts, que precisa de apens 9,5 horas para recarga completa. E apenas para locais públicos existe o recarregador que reduz esse tempo para apenas 3 horas.  

Interior moderno  inclui tela de 10,2 polegadas, partida por botão e retrovisor virtual
Chevrolet Bolt
Interior moderno inclui tela de 10,2 polegadas, partida por botão e retrovisor virtual

Concebido com várias partes de alumínio e cinco diferentes tipos de aço, o Bolt pesa em torno de 1.600 kg, com perfeita distribuição de peso entre os eixos, sendo que apenas o sistema de baterias pesa 429 kg, que ficam no assoalho do carro. Tudo isso contribui com a redução do centro de gravidade e, consequentemente, com a estabilidade nas curvas, bem como as rodas de aro 17 montadas em pneus 215/50R, que podem rodar por até 80 quilômetros mesmo com furos que não passem dos 4,7 mm, conforme a fabricante. Assim, ganha-se o espaço que seria ocupado pelo estepe, que também pesa e prejudica o nível de eficiência do carro.

LEIA MAIS: Carro elétrico popular da Volkswagen chega às lojas em 2020

O que também agrada no Bolt é o desenho contemporâneo e harmionioso, longe das esquisitices dos primeiros modelos elétricos. Segue o estilo dos monovolumes compactos com LED nas lanternas de faróis, alta linha de cintura boa área envidraçada. Tanto o acabamento (que inclui volante multiufuncional revestido de couro) quanto o espaço interno também agradam. Leva cinco ocupantes sem aperto e o porta-malas pode levar até 1.600 litros de bagagem com os encostos dos bancos traseiros rebatidos.

Mas, apesar das suas qualidades, o Chevrolet Bolt ainda é apenas um carro curioso no Brasil. A GM importou uma unidade para demostração e, pelo menos por enquanto,  não existe nenhuma notícia sobre trazê-lo ao mercado brasileiro. Com a política de impostos atual, um dos empecilhos é o preço. Nos Estados Unidos, o carro tem preço sugerido que parte de US$ 37.395, o que equivale a cerca de R$ 118 mil numa conversão simples. Com todas as taxas e tributos, o carro passaria a custar aproximadamente R$ 300 mil no Brasil, o que é inviável. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.