Tamanho do texto

Listamos cinco versões que poderiam integrar o portfólio de suas marcas, especialmente para aqueles que curtem dirigir

Você já ficou com aquela pulga atrás da orelha enquanto lia a ficha técnica de um modelo específico e pensou " eles poderiam ter feito isso diferente "? Pois é, nós também. Sabemos que 2017 foi um ano recheado de bons lançamentos, mas a presença de outras versões poderia enriquecer mais ainda o portfólio de suas marcas.  Partindo disso, a reportagem do iG Carros lista cinco versões legais que não existem, mas que fariam muito sucesso entre aqueles que realmente curtem a experiência de dirigir.

LEIA MAIS: Conheça cinco carros seminovos para fugir na hora da compra

1 - Volkswagen Polo 1.0 TSI Manual

Volkswagen Polo: entre os carros legais que não existem, o câmbio manual de seis velocidades cairia muito bem
Divulgação
Volkswagen Polo: entre os carros legais que não existem, o câmbio manual de seis velocidades cairia muito bem

Infelizmente, as versões com câmbio manual do Polo estão restritas aos motores 1.0 e 1.6, aspirados. Quem optar pelo eficiente 1.0 TSI terá que levar junto a caixa automática de seis marchas. Nada contra isso, pois o conjunto demonstra robustez e impressiona pelo conforto. Mas controlar os 128 cv de potência com uma caixa manual deixaria o hatch mais interessante de dirigir. E o carro poderia ser ainda mais econômico. A Volkswagen revelou na Argentina que versões esportivas do Polo e do sedã Virtus estão para sair do forno, mas não há qualquer informação sobre o que está por vir. Tudo que podemos fazer é aguardar e torcer para que o mesmo conjunto do Golf 1.0 apareça na dupla.

2 - Ford Fiesta Style 1.5 3C Manual

Ford Fiesta: o novo motor do EcoSport cairia como uma luva no hatch
Divulgação
Ford Fiesta: o novo motor do EcoSport cairia como uma luva no hatch

Quando a Ford anunciou que iria importar o novo motor 1.5, de três cilindros e 137 cv de potência e 16,2 kgfm de torque para o EcoSport, imaginamos como este conjunto seria eficiente no Fiesta. Entretanto, a marca americana optou por preservar os mesmos motores no hatch, reservando as novas unidades apenas para o SUV compacto. O hatch ficaria mais ágil e divertido de dirigir, ainda mais com câmbio manual. Entretanto, sabemos que será o Ka o escolhido para ter o novo motor triciclíndrico, já no início de 2018, inclusive com opção de câmbio automático.

LEIA MAIS: Conheça carros que valem a pena, mas não são flex

3 - Chevrolet Onix Effect 1.8 Manual

Chevrolet Onix: a GM testou os nossos sentimentos, mas não levou a ideia pra frente
Divulgação
Chevrolet Onix: a GM testou os nossos sentimentos, mas não levou a ideia pra frente

A Chevrolet chegou a brincar com a ideia durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em 2014. Foi apresentado o Onix Track Day, que sugeria um modelo esportivo no patamar do Renault Sandero RS. Na ocasião, a GM optou pelo motor 1.8, 16V, Ecotec, de 150 cv de potência que equipava a antiga geração do Cruze. A ideia não vingou, mas acabou inspirando o visual mais agressivo do Onix Effect. Mas seria empolgante se a GM colocasse o motor 1.8 que equipa Cobalt e Spin em uma versão esportiva do Onix, não? Com 111 cv de potência e 17,7 kgfm de torque, seria apenas um pouco mais potente que a versão 1.4 LTZ do Onix. Mas uma recalibração para deixá-lo mais agressivo poderia fazer milagres, assim como a Renault fez no motor 2.0 do Sandero RS.

4 - Renault Kwid Intense CVT

Renault Kwid: modelo está enfrentando problemas desde que foi lançado. Uma versão CVT poderia renovar seu fôlego
Divulgação
Renault Kwid: modelo está enfrentando problemas desde que foi lançado. Uma versão CVT poderia renovar seu fôlego

O Kwid é leve, um dos motivos que o torna ágil com seu motor 1.0 tricilíndrico, de 70 cv e 9,8 kgfm de torque. Portanto, o câmbio CVT, que logo vai equipar a família Sandero/Logan cairia como uma luva no SUV dos compactos. Seria um grande destaque contra a concorrência, uma vez que rivais como o Volkswagen Up! e Fiat Mobi são apenas automatizados. Além disso, a caixa CVT sempre combinou bem com motores de baixa cilindrada, desde que apareceu no mercado, no final dos anos 50, com a marca holandesa DAF.

LEIA MAIS: Conheça os dez carros 1.0 mais baratos a venda no Brasil

5 - Fiat Mobi 1.3 Manual

Fiat Mobi: com motor 1.3 do Argo, compacto da marca italiana se tornaria um foguetinho de bolso
Divulgação
Fiat Mobi: com motor 1.3 do Argo, compacto da marca italiana se tornaria um foguetinho de bolso

Atualmente, o Mobi está disponível apenas com motorização 1.0, mesmo na versão automatizada GSR. Isso acaba comprometendo o desempenho do subcompacto que poderia ser bem mais ágil e agradável de guiar. Não seria uma má ideia colocar o motor 1.3, de 109 cv de potência e 14,2 kgfm de torque que equipa o Fiat Argo no Mobi, ainda mais com um bom câmbio manual. Ele entraria para a mesma categoria do apimentado Volkswagen Up! TSI, com uma relação peso/potência semelhante. Seriam 8,5 cv/kg no Fiat, ante os 9,5 cv/kg do Up!.Entretanto, isso levaria à necessidade de fazer uma série de ajustes estruturais, inclusive nos freios, suspensão, direção, além de novas rodas de pneus, entre outros itens.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.