Tamanho do texto

A Volks afirma que investe R$ 7,1 bilhões na produção do Golf de 9ª geração, que conta com altas apostas para alavancar as vendas da marca no segmento

Apesar da foto ilustrar o futuro da marca, detalhes do novo Volkswagen Golf se mantêm trancados a sete chaves
Divulgação
Apesar da foto ilustrar o futuro da marca, detalhes do novo Volkswagen Golf se mantêm trancados a sete chaves

A Volkswagen confirma que, em junho de 2019, começará a produzir a 8ª geração do  Golf, hatch médio que reúne uma legião incondicional de fãs. Além disso, em meio a um evento que contou com a participação de 180 executivos de empresas fornecedoras, a marca afirma que já tem 80% dos contratos selados com negociantes do ramo automotivo, quem serão responsáveis pelo fornecimento de peças e serviços. Apesar de não haver mais declarações oficiais, sabe-se que o investimento total para a produção do Golf de 8ª geração será de 1,8 bilhões de euros (cerca de R$ 7,1 bilhões).

LEIA MAIS: VW Virtus é revelado por completo. Começa a chegar às lojas em fevereiro

Enquanto a matriz alemã se prepara para 2019, o Volkswagen Golf receberá a última reestilização para a atual geração em março. Novo desenho do para-choque, faróis com um feixe de LED e friso cromado que atravessa a grade frontal são as mudanças na dianteira. Seguindo para a parte de trás, apenas nova ponteira de escapamento e disposição das luzes em LED marcarão as novidades. Entretanto, é no interior que surgem as grandes melhorias do Golf. Ele passará a contar com o mesmo painel digital do Passat (com alguns recursos a mais do que o do Polo). Além disso, a central multimídia é nova, com 9,2 polegadas e tecnologia de comunicação por gestos. Com o novo piloto automático adaptativo, que também aparece nos carros mais caros da marca, o Golf será capaz de regular a sua velocidade em função do carro da frente nas rodovias. Por fim, alerta de permanência em faixa e sensor de ponto cego completam o pacote de segurança.

LEIA MAIS: Volkswagen anuncia investimento de US$ 650 milhões na Argentina

Virão para “eletrizar” 

VW Golf elétrico: aumento da demanda global, principalmente na Alemanha onde é atualmente produzido em série
Divulgação
VW Golf elétrico: aumento da demanda global, principalmente na Alemanha onde é atualmente produzido em série

A versão elétrica do Golf (e-Golf), que vai chegar ao Brasil junto com a híbrida GTE ainda em 2018, representará uma mudança de estratégia em relação ao carro com motor à combustão, uma vez que aposta no crescimento da procura por híbridos e elétricos. Com vendas em alta em todo o mundo, o carro acaba de ter a produção dobrada na Alemanha. Passou de 35 para 70 unidades por dia, o que representa 2.100 por mês. Entretanto, o aumento na produção do VW Golf elétrico será gradual até março de 2018, quando a linha de montagem na Alemanha vai atingir o ritmo máximo.

LEIA MAIS: Fiat Argo 1.8 x VW Polo 1.0 TSI: briga quente de hatches compactos. Qual vence?

O e-Golf vem equipado com baterias de 35,8 kwh que podem garantir uma autonomia de cerca de 200 quilômetros, de acordo com a fabricante. Essa característica tem despertado o interesse geral do público pela versão elétrica do modelo da marca alemã. No mundo, a maior demanda pelo Golf elétrico tem sido observada nos últimos meses, principalmente em países europeus, com destaque para Alemanha, Noruega e Holanda.

VW Golf GTE: versão híbrida chega nos 201 cv com a soma das potências dos dois motores, elétrico e a combustão
Divulgação
VW Golf GTE: versão híbrida chega nos 201 cv com a soma das potências dos dois motores, elétrico e a combustão

Quanto ao Golf GTE, o carro é uma variação híbrida do modelo convencional, equipado com motor 1.4 TSI. O carro desenvolve 201 cv de potência, sendo aproximadamente 50 cv apenas do motor elétrico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.