Tamanho do texto

Estes são alguns entre os modelos menos aconselháveis para quem abastece com o derivado de cana

Eficiência energética está na ordem do dia, mas ainda existem alguns modelos com consumo acima do ideal
Divulgação
Eficiência energética está na ordem do dia, mas ainda existem alguns modelos com consumo acima do ideal

Pouco a pouco, os assentamentos dos caminhoneiros vão liberando os acessos das rodovias e a gasolina volta a aparecer em alguns postos. Quem foi ao trabalho de transporte público hoje pôde ver um ou outro caminhão-tanque levando combustível, que chega a durar apenas três horas nos postos. Num cenário desse, não dá para ter um entre os carros mais gastões.

LEIA MAIS: Com seca de combustível, vale usar álcool de farmácia e outras soluções?

Em clima de calamidade, a reportagem do iG lista os cinco carros mais gastões com etanol. Quando o combustível voltar a aparecer em todos os postos e a situação for normalizada, este será o recurso que mais irá compensar, comparando com o preço da gasolina. Acompanhe o ranking, e fique longe deles.

5 - Peugeot 308 - média de 8 km/l

Em uma categoria apagada, o Peugeot 308 aparece entre os carros mais gastões, aferindo média de 8 km/l
Divulgação
Em uma categoria apagada, o Peugeot 308 aparece entre os carros mais gastões, aferindo média de 8 km/l

O Peugeot 308 persiste em um segmento que está quase esquecido no Brasil, o dos hatches médios. O único que traz um leve sorriso ao rosto dos concessionários é o Chevrolet Cruze, que ostenta o posto de modelo mais vendido da categoria. No último levantamento publicado pela Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos), os hatches médios representaram apenas 0,74% do mercado. Em 2008, este número estava próximo de 7%.

Apesar das vendas em baixa, o motor 1.6 THP merece reconhecimento pelo ótimo desempenho. São 173 cv de potência e 24 kgfm de torque que permitem aceleração de 0 a 100 km/h em 8,3 segundos. Entretanto, acaba cobrando alto no consumo com etanol: 7,2 km/l na cidade e 8,9 km/l na estrada. O Peugeot 308 parte de R$ 69.990.

4 - Chevrolet Spin 1.8 AT - média de 7,6 km/l

Única em seu segmento, a Chevrolet Spin faz média de 7,6 km/l com combustível de cana
Divulgação
Única em seu segmento, a Chevrolet Spin faz média de 7,6 km/l com combustível de cana

É uma pena que o brasileiro não se interesse mais pelas versáteis minivans. Elas são espaçosas, fáceis de dirigir e ainda podem oferecer dois lugares extras no banco traseiro. A Spin está praticamente sozinha no segmento de monovolumes nacionais desde que a Nissan encerrou a fabricação da Livina. Com bom espaço interno e porta-malas considerável - há a opção de dois lugares extras - a Chevrolet Spin persevera no mercado brasileiro.

LEIA MAIS: Está sem gasolina? O Porsche Panamera e-Hybrid nem se importa

Quem optar pela versão automática, entretanto, não terá uma grata surpresa ao abastecer com etanol. De acordo com o Inmetro, a Chevrolet Spin é capaz de aferir 6,9 km/l na cidade e 8,4 km/l na estrada quando equipada com câmbio automático. Seu motor 1.8 entrega 111 cv e 17,7 kgfm de torque. Parte de R$ 60.840, mas está prestes a mudar. A versão renovada deverá chegar às lojas no mês de julho.

3 - Volkswagen Fox - média de 7,1 km/l

O Volkswagen Fox tem o conjunto mecânico mais antiquado da lista, aferinde média de 7,1 km/l
Divulgação
O Volkswagen Fox tem o conjunto mecânico mais antiquado da lista, aferinde média de 7,1 km/l

O Fox é outro modelo que persiste no mercado brasileiro. Lembra do motor que equipava a primeira geração do Volkswagen Golf produzida no Brasil, em meados de 1999? Pois bem, o Fox continua utilizando o mesmo conjunto até os dias de hoje. E como fica evidente, uma tecnologia que já beira os 18 anos de mercado acaba colocando o modelo entre os carros mais gastões.

De acordo com dados divulgados pelo Inmetro, o Volkswagen Fox em sua motorização única faz 6,5 km/l na cidade e 7,8 km/l na estrada com o derivado de cana no tanque. O modelo entrega 104 cv e 15,6 kgfm de torque a 2.500 rpm. Disponível apenas nas versões Connect, manual e automática, e XTreme, apenas manual, o Fox parte de R$ 54.990.

2 - Renault Sandero R.S - média de 6,7 km/l

Você fará média de 6,7 km/l no Renault Sandero R.S, mas deixará todos os outros para trás
Divulgação
Você fará média de 6,7 km/l no Renault Sandero R.S, mas deixará todos os outros para trás

Eis um dos carros mais divertidos que você pode comprar no Brasil. E ele parte de R$ 63.600, já com motor 2.0 de 150 cv de potência e 20,9 kgfm de torque. O que não falta no Sandero R.S é dinâmica de pista, mostrando que o time de engenharia da Renault Sport acertou na mão.

Rodar com etanol pode melhorar bastante o desempenho de um carro, mas isso tem seu preço no esportivo da Renault. Ele é capaz de aferir 5,9 km/l na cidade e 7,6 km/l na estrada, de acordo com os testes realizados pelo Inmetro. Mas, considerando o DNA esportivo de quem compra um Sandero R.S, é capaz que os números fiquem ainda mais baixos. O modelo parte de R$ 63.600.

1 - Toyota Hilux - média de 6,5 km/l

Entre as picapes flex, a Hilux é a mais beberrona com etanol. Faz média de 6,5 km/l
Divulgação/Toyota
Entre as picapes flex, a Hilux é a mais beberrona com etanol. Faz média de 6,5 km/l

Não tem jeito! As versões flex de qualquer picape farão você deixar menos dinheiro na concessionária. Na mão do frentista, entretanto, a história é outra.  A Toyota Hilux SRV, equipada com motor 2.7 flex de 163 cv de potência e 25 kgfm de torque, é a campeã quando o assunto é beber etanol.

LEIA MAIS: Conheça os 7 carros híbridos e elétricos disponíveis no Brasil

Ela é capaz de aferir inimagináveis 4,8 km/l de etanol na cidade e 5,6 km/l na estrada, entrando para a lista dos carros mais gastões com louvor. Ao menos, o tanque de combustível com 80 litros de capacidade garante uma autonomia minimamente razoável para o modelo japonês. Na versão SRV, a Hilux parte de R$ 124.380 com cabine dupla.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.