undefined
Divulgação/Planalto
Bolsonaro diz esperar que apuração chegue a quem matou e quem mandou matar Marielle

Na live transmitida em sua conta no Facebook na última quinta-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro prometeu extinguir as lombadas eletrônicas das rodovias brasileiras. De acordo com chefe de estado, este tipo de radar estimula a indústria da multa, ainda que especialistas em trânsito defendam o dispositivo e a redução de acidentes e mortes nas rodovias.

LEIA MAIS: Segurança: 59% dos acidentes são causados por distrações no trânsito

O pronunciamento foi feito ao lado do porta-voz da Presidência, general Otávio Santana do Rêgo Barros, e do ministro do Gabinete de Segurança Institucional general Augusto Heleno. De acordo com Bolsonaro , seu governo não instalará novas lombadas eletrônicas no Brasil, e as que já existem não serão renovadas após o término da validade. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte, existem 1.130 lombadas eletrônicas espalhadas pelas rodovias federais - excluindo as privadas.

LEIA MAIS: Saiba como cuidar dos freios e evitar acidentes no trânsito

Lombadas eletrônicas são um inferno, diz presidente

undefined
Divulgação
Lombada eletrônicas geram polêmica. De acordo com o presidente, apenas servem para abastecer a indústria da multa

Bolsonaro ainda disse durante a transmissão que é quase impossível viajar sem receber uma multa. “Já fui do Rio para Santos de carro e é um inferno”, falou o presidente. “Se gasta muito dinheiro com lombada eletrônica, arrecadado do pedágio, que no fundo vai dar mais lucro para quem realmente a está explorando”, finalizou, apontando que o dinheiro não é convertido na manutenção das rodovias.

Dados do Ministério dos Transportes apontam que o desrespeito às leis de trânsito é a maior causa de acidentes, e o excesso de velocidade aparece no topo da lista de infrações. Para o ministro da infraestrutura, Tarcísio Freitas, as lombadas eletrônicas continuarão atuando onde forem realmente necessárias. Ele ainda comenta sobre outros problemas das rodovias, como falta de sinalização e trechos esburacados.

undefined
Divulgação
Hakan Samuelson, CEO da Volvo, quer zerar volume de acidentes fatais com carros da marca sueca até 2021

Um dia depois da transmissão de Bolsonaro, a Volvo anunciou que irá limitar a velocidade de seus veículos a 180 km/h para evitar acidentes fatais a partir de 2021. De acordo com a marca, é impossível evitar mortes apenas com tecnologias embarcadas. A afirmação é feita com base em um estudo interno da fabricante, apontando que o excesso de velocidade é um dos obstáculos na meta de zerar mortes e ferimentos graves em seus veículos. O presidente da Volvo, Hakan Samuelsson, ainda disse que qualquer esforço é válido se puderem salvar uma vida.

LEIA MAIS: Veja 5 dicas para evitar acidentes no trânsito

O sistema funcionará em estradas, limitando a velocidade máxima de seus veículos. Com a conectividade cada vez mais aprimorada, a marca também pretende instalar um controle inteligente que reduz a velocidade nas proximidades de escolas e hospitais. Nos resta saber quais serão os próximos passos do governo, uma vez que Bolsonaro não deixou claro se a medida irá influenciar na instalação dos radares convencionais, ou apenas as lombadas eletrônicas .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários