O brasileiro tem algumas características únicas no que diz respeito ao meio cultural e a modificação de carros . Os proprietários da "família quadrada" da Volkswagen, por exemplo, gostam de colocar as rodas "Orbitais", que fizeram tanto sucesso nos anos 90. Kits de escape mais livres e sistema de som potentes também são frequentes em todas as classes sociais. Mas nem todas as customizações são bem vistas.

LEIA MAIS: Veja 5 surpresas que podem dar prejuízo na manutenção do seu carro

Algumas pessoas acabam fazendo instalações para tirar vantagem de seus veículos. Partindo disso, a reportagem do iG Carros enumera métodos de  modificação de carros  que podem trazer riscos, tanto ao motorista quanto para terceiros.

1 - Engate bola

Engate bola oferece risco aos pedestres, além de afetar diretamente a estrutura do carro em colisões
Divulgação
Engate bola oferece risco aos pedestres, além de afetar diretamente a estrutura do carro em colisões

Um clássico da cultura automotiva brasileira. Na esperança de proteger o parachoque traseiro contra pancadas, alguns motoristas instalam o famoso engate de formato esférico. Há também aqueles que usem por estética (vai entender), mas o objetivo principal é sempre garantir a integridade do automóvel.

Trata-se de um tiro-cego e equivocado por parte dos proprietários. O para-choque está lá justamente para proteger o seu veículo, e portanto, não há a necessidade de um apêndice para tal. Outra questão que poucos se atentam é que o engate está acoplado diretamente à estrutura do carro.

No caso de uma colisão mais forte, os danos estruturais no seu carro podem ser irreparáveis. E toda a energia da batida não será dissipada como deveria, o que implica em mais força para arremessar os ocupantes. Fora isso, o engate pode ferir pedestres, mesmo com o carro parado.

2 - Lâmpadas mais potentes

Mudar a temperatura da iluminação ou alterar a intensidade da luz são tópicos proibidos por lei
Divulgação
Mudar a temperatura da iluminação ou alterar a intensidade da luz são tópicos proibidos por lei

Também é normal que motoristas troquem suas lâmpadas por modelos mais potentes. Apesar de melhorar a visibilidade, há uma legislação que indica o nível máximo de luz que uma lâmpada automotiva deverá emitir. Muitas vezes, modelos paralelos acabam sendo muito mais ofuscantes para terceiros.

Vale dizer que a substituição de lâmpadas halógenas por modelos de LED não é mais permitida. Mudar a temperatura da iluminação (mais branca ou azulada) também está proibido. Basicamente, o que vale é seguir o padrão original da fabricante. 

Instalar kit para usar faróis com lâmpadas de xenônio no lugar das convencionais também é proibido. Entre outros detalhes, esse tipo de lâmpada exige sistema que lava as lentes com jato de água, como os lavadores de para-brisa.  

3 - Insulfilm

Fique atento aos níveis de transparência do Insulfilm do seu veículo. Alguns são proibidos
Divulgação
Fique atento aos níveis de transparência do Insulfilm do seu veículo. Alguns são proibidos

Segurança pública é um problema em todas as cidades brasileiras, e muitos se sentem mais seguros quando os vidros estão escurecidos - inclusive o parabrisa dianteiro. Isso dificulta que pedestres vejam quem está dentro do carro, mas também traz empecilhos para o proprietário.

Você viu?

LEIA MAIS: Conheça os 5 carros mais difíceis de consertar no Brasil

A visibilidade noturna para o motorista também fica totalmente comprometida. E a lei é bem clara: o parabrisa deve permitir a passagem de 75% de luminosidade, e para as janelas dianteiras e traseiras, os índices devem ser de 70% e 28%, respectivamente. Para mais detalhes, consulte a resolução 254 do Contran.

Dentro das especificações, porém, as películas nos vidros filtram os raios UV (o que ajuda a conservar detalhes do interior do carro), ajudam a manter uma temperatura agradável no interior do veículo e aumentam ligeiramente a resistência dos vidros. 

4 - Desbloqueio de central multimídia

As fabricantes colocam alguns dispositivos de segurança que podem ser removidos pelos proprietários
Divulgação
As fabricantes colocam alguns dispositivos de segurança que podem ser removidos pelos proprietários

Elas caíram no gosto do brasileiro, e em alguns casos já são até critério de compra. Talvez isso explique o sucesso do Onix, um dos primeiros modelos populares a integrar o sistema de mídia MyLink. Mas vale dizer que várias delas possuem recursos de segurança que são desbloqueados pelos proprietários.

A conexão Bluetooth e a visualização da TV digital são alguns dos recursos que ficam bloqueados enquanto o carro está em movimento. O objetivo, claro, é assegurar que o motorista não tenha distrações além do trânsito. Mas existem “hacks” bem simples que impedem este tipo de bloqueio de segurança. 

A partir disso, nem é preciso entrar em mais detalhes para concluir que o risco do motorista se distrair com o carro em movimento e causar um acidente é alto. Mesmo assim, há pessoas que acham um exagero o bloqueio dos aparelhos.

5 - Presilha para cinto de segurança

Você coloca a presilha no cinto de segurança para que fique mais folgado? Conheça os riscos da prática
Divulgação
Você coloca a presilha no cinto de segurança para que fique mais folgado? Conheça os riscos da prática

Às vezes, a regulagem de altura do cinto de segurança não é suficiente para o conforto. Alguns motoristas preferem que o aparato fique mais folgado, e recorrem às famosas presilhas. Em uma rápida consulta no Mercado Livre, encontramos até mesmo pacotes de três ou quatro abraçadeiras do tipo “enforca-gato”, para todos os ocupantes do veículo.

LEIA MAIS: VW Gol e Toyota Corolla são os carros mais caros para reparar, diz Proteste

Em qualquer dispositivo de segurança, há um propósito. Se o seu tórax estiver afastado do cinto, no caso de um impacto, seu corpo será projetado para frente com velocidade e causará algum machucado mais sério. Neste caso, entre os aparatos de modificação do carro , a presilha acaba sendo um dos mais perigosos.

Como dizia uma campanha a favor da segurança no trânsito, mais do que o cinto, o que pode apertar mais é o gesso, dizeres do garoto-propaganda da peça publicitária, que foi o piloto Rubens Barrichello. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários