Por vezes, somos induzidos a pensar que um determinado veículo é bom pelo simples fato de estar na moda, ou ser muito disruptivo na comparação com o que estamos acostumados. Um bom exemplo na cultura pop é o DeLorean, ícone que protagonizou o filme “De Volta Para o Futuro”.

LEIA MAIS: Veja os melhores carros que aceleramos ao longo de 2019

O DeLorean era bonito, carismático e chamativo, mas quem ousou comprá-lo durante seu período de produção (entre 1977 e 1982) se arrependeu antes de virar a primeira esquina. Sua condução era engessada e nada esportiva. comprometendo a dirigibilidade de quem buscava uma característica mais dinâmica. Mas ele não foi o único. Podemos citar diversos modelos com a mesma pegada no Brasil.

A reportagem do iG Carros elenca os 5 esportivos que todos acham que são bons, mas na verdade estão bem longe disso.

1 - Chevrolet Camaro SS 2010

Chevrolet Camaro
Divulgação
O "remake" do Chevrolet Camaro é lindo, mas a parte dinâmica era prejudicada pelo design encorpado

Quando o conceito do Camaro foi apresentado no Salão de Detroit em 2006, o mundo parou. O design arrasador do resgate ao muscle car americano chamou muita atenção, tanto que o modelo logo se tornou praticamente um co-protagonista na franquia Transformers. Pela primeira vez na história, ele também vendeu mais que o Mustang, tamanha a badalação.

Abaixo do capô, um grande 6.2 V8 despejava a fúria de 406 cv de potência e 56 kgfm de torque para o eixo traseiro pela transmissão automática de seis marchas. Apesar de ter inaugurado a “nova escola” dos muscle cars , o comportamento dinâmico do Camaro não agradou - principalmente pela posição de dirigir, visibilidade interna e, principalmente, excesso de peso. Para se ter uma ideia, a nova geração ficou 83 kg mais leve.

2 - Hyundai Veloster 1.6 2011

Hyundai Veloster
Divulgação
Lembra do lançamento do Hyundai Veloster? Tinha fila de espera mesmo antes do carro desembarcar no Brasil

Outro que chegou ao Brasil com muita badalação foi o Hyundai Veloster. O hatch foi importado pelo Grupo Caoa em 2011, aproveitando as vendas embaladas da primeira geração do i30 para chegar ao mercado com os dois pés na porta - tinha até fila de espera, tamanho o impacto que causou o visual ousado.

Mas o desenho arrojado que chamou bastante atenção não estava de acordo com o desempenho. O carro linha com motor 1.6 flex, com apenas 128 cv - o mesmo do HB20, um carro menor e mais leve. O “hype” se tornou fama negativa para o Veloster, que acabou deixando o nosso mercado de forma discreta. Apesar da nova geração aparecer nos registros de patente do Brasil, a Caoa ainda não se moveu para lançá-lo.

3 - VW Golf GTI 1993

VW Golf GTI MK3
Divulgação
O Golf GTI era importado do México, mas andava menos que o Gol GTI nacional

Com a abertura das importações nos anos 90, os brasileiros finalmente poderiam comprar um Golf - sucesso absoluto na Europa. O modelo esportivo GTI já era um ícone desde seu lançamento em 1976, e na terceira geração, ele finalmente encostou suas extremidades emborrachadas no Brasil.

LEIA MAIS: Conheça 5 modelos inéditos que serão lançados no Brasil em 2020

É uma pena que essa tenha sido a pior geração do GTI, com motor 2.0 de apenas 116 cv de potência e 17,3 kgfm de torque. Nessa configuração, o esportivo da VW era capaz de atingir 100 km/h em 11 segundos - marca imperdoável pela proposta. Para se ter uma ideia, o Gol GTI nacional que era mais barato atingia a mesma marca em 9,2 segundos.

4 - Fiat Argo 1.8 HGT

Fiat Argo HGT 1.8
Divulgação
Os atributos do Fiat Argo HGT 1.8 estão no visual, pois o conjunto mecânico está longe de ser esportivo

Lembra do Brava HGT, o fastback italiano que esquentou as vendas entre os esportivos médios da virada do século? Ele tinha 132 cv e era capaz de atingir 100 km/h em apenas 9,5 segundos. Cheio de tecnologia, trazia recursos que eram raros para a época, como cabeçote em alumínio e coletor de admissão com geometria variável.

Quando a Fiat anunciou que o Argo teria uma versão HGT, os puristas logo se animaram com a possibilidade de um novo hatch esportivo na categoria do Sandero R.S. Mas a empolgação durou pouco, pois o Argo logo foi anunciado com o mesmo motor 1.8 de 139 cv - com câmbio manual de cinco marchas, ou automático, de seis.

5 - Ford Escort 1.6 XR-3

Escort
Divulgação
Ford Escort XR-3 Laser, uma das edições especiais do modelo com motor 1.6 CHT

O Escort foi um dos que mais se beneficiou da união Autolatina entre Ford e Volkswagen. A partir de 1989, ele passou a integrar motor 1.8 AP de 99 cv de potência e 16 kgfm de torque, força suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos. Antes disso, ele trazia outra receita mecânica.

LEIA MAIS: Veja os 5 sedãs compactos que menos perdem valor depois de um ano

Estamos falando do antigo 1.6 CHT da Ford , com apenas 81 cv de potência e 12,1 kgfm de torque. Nessa configuração, ele precisava de aproximadamente 14 segundos para atingir 100 km/h. Dá para acreditar que ele ainda era considerado um esportivo?

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários