Tamanho do texto

Se nem tudo que reluz é ouro, nem todo esportivo que chama atenção é bom. Confira a lista dos modelos que vivem apenas de aparências

Por vezes, somos induzidos a pensar que um determinado veículo é bom pelo simples fato de estar na moda, ou ser muito disruptivo na comparação com o que estamos acostumados. Um bom exemplo na cultura pop é o DeLorean, ícone que protagonizou o filme “De Volta Para o Futuro”.

LEIA MAIS: Veja os melhores carros que aceleramos ao longo de 2019

O DeLorean era bonito, carismático e chamativo, mas quem ousou comprá-lo durante seu período de produção (entre 1977 e 1982) se arrependeu antes de virar a primeira esquina. Sua condução era engessada e nada esportiva. comprometendo a dirigibilidade de quem buscava uma característica mais dinâmica. Mas ele não foi o único. Podemos citar diversos modelos com a mesma pegada no Brasil.

A reportagem do iG Carros elenca os 5 esportivos que todos acham que são bons, mas na verdade estão bem longe disso.

1 - Chevrolet Camaro SS 2010

Chevrolet Camaro arrow-options
Divulgação
O "remake" do Chevrolet Camaro é lindo, mas a parte dinâmica era prejudicada pelo design encorpado

Quando o conceito do Camaro foi apresentado no Salão de Detroit em 2006, o mundo parou. O design arrasador do resgate ao muscle car americano chamou muita atenção, tanto que o modelo logo se tornou praticamente um co-protagonista na franquia Transformers. Pela primeira vez na história, ele também vendeu mais que o Mustang, tamanha a badalação.

Abaixo do capô, um grande 6.2 V8 despejava a fúria de 406 cv de potência e 56 kgfm de torque para o eixo traseiro pela transmissão automática de seis marchas. Apesar de ter inaugurado a “nova escola” dos muscle cars , o comportamento dinâmico do Camaro não agradou - principalmente pela posição de dirigir, visibilidade interna e, principalmente, excesso de peso. Para se ter uma ideia, a nova geração ficou 83 kg mais leve.

2 - Hyundai Veloster 1.6 2011

Hyundai Veloster arrow-options
Divulgação
Lembra do lançamento do Hyundai Veloster? Tinha fila de espera mesmo antes do carro desembarcar no Brasil

Outro que chegou ao Brasil com muita badalação foi o Hyundai Veloster. O hatch foi importado pelo Grupo Caoa em 2011, aproveitando as vendas embaladas da primeira geração do i30 para chegar ao mercado com os dois pés na porta - tinha até fila de espera, tamanho o impacto que causou o visual ousado.

Mas o desenho arrojado que chamou bastante atenção não estava de acordo com o desempenho. O carro linha com motor 1.6 flex, com apenas 128 cv - o mesmo do HB20, um carro menor e mais leve. O “hype” se tornou fama negativa para o Veloster, que acabou deixando o nosso mercado de forma discreta. Apesar da nova geração aparecer nos registros de patente do Brasil, a Caoa ainda não se moveu para lançá-lo.

3 - VW Golf GTI 1993

VW Golf GTI MK3 arrow-options
Divulgação
O Golf GTI era importado do México, mas andava menos que o Gol GTI nacional

Com a abertura das importações nos anos 90, os brasileiros finalmente poderiam comprar um Golf - sucesso absoluto na Europa. O modelo esportivo GTI já era um ícone desde seu lançamento em 1976, e na terceira geração, ele finalmente encostou suas extremidades emborrachadas no Brasil.

LEIA MAIS: Conheça 5 modelos inéditos que serão lançados no Brasil em 2020

É uma pena que essa tenha sido a pior geração do GTI, com motor 2.0 de apenas 116 cv de potência e 17,3 kgfm de torque. Nessa configuração, o esportivo da VW era capaz de atingir 100 km/h em 11 segundos - marca imperdoável pela proposta. Para se ter uma ideia, o Gol GTI nacional que era mais barato atingia a mesma marca em 9,2 segundos.

4 - Fiat Argo 1.8 HGT

Fiat Argo HGT 1.8 arrow-options
Divulgação
Os atributos do Fiat Argo HGT 1.8 estão no visual, pois o conjunto mecânico está longe de ser esportivo

Lembra do Brava HGT, o fastback italiano que esquentou as vendas entre os esportivos médios da virada do século? Ele tinha 132 cv e era capaz de atingir 100 km/h em apenas 9,5 segundos. Cheio de tecnologia, trazia recursos que eram raros para a época, como cabeçote em alumínio e coletor de admissão com geometria variável.

Quando a Fiat anunciou que o Argo teria uma versão HGT, os puristas logo se animaram com a possibilidade de um novo hatch esportivo na categoria do Sandero R.S. Mas a empolgação durou pouco, pois o Argo logo foi anunciado com o mesmo motor 1.8 de 139 cv - com câmbio manual de cinco marchas, ou automático, de seis.

5 - Ford Escort 1.6 XR-3

Escort arrow-options
Divulgação
Ford Escort XR-3 Laser, uma das edições especiais do modelo com motor 1.6 CHT

O Escort foi um dos que mais se beneficiou da união Autolatina entre Ford e Volkswagen. A partir de 1989, ele passou a integrar motor 1.8 AP de 99 cv de potência e 16 kgfm de torque, força suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos. Antes disso, ele trazia outra receita mecânica.

LEIA MAIS: Veja os 5 sedãs compactos que menos perdem valor depois de um ano

Estamos falando do antigo 1.6 CHT da Ford , com apenas 81 cv de potência e 12,1 kgfm de torque. Nessa configuração, ele precisava de aproximadamente 14 segundos para atingir 100 km/h. Dá para acreditar que ele ainda era considerado um esportivo?