Ford
Divulgação
Metas deveriam ser cumpridas em 2022 para modelos leves e 2023 para veículos pesados; veja os detalhes

A Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores) alerta que a pandemia causada pelo novo coronavírus provocou uma série de atrasos no desenvolvimento, testes e implementações de sustentabilidade nos veículos comercializados no Brasil, impedindo a adequação a novas metas de emissão. 

Segundo o órgão, há a necessidade de reavaliar os prazos para as próximas metas do Proconve (Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores), que deveriam ser cumpridas em 2022 para modelos leves e 2023 para veículos pesados.

As fabricantes associadas pedem que novos prazos para o controle de emissões sejam estipulados de forma realista, transparente e com bom senso, uma vez que a pandemia ainda afeta profundamente o setor automotivo. 

“Nossos profissionais não estão imunes ao coronavírus , por isso este apelo ao bom senso também no nosso caso. Não temos nada a esconder da sociedade. Pelo contrário, temos orgulho de nossas contribuições à melhoria na qualidade do ar, e de todas as novas tecnologias que estamos preparando para dar mais um salto nesse sentido”, diz Luiz Carlos Moraes, Presidente da Anfavea.

Novas propostas

Fábrica da Fiat em Betim (MG)
Divulgação
Segundo a Anfavea, postergar os prazos de controle de emissões entre 12 e 18 meses será suficiente para recuperar o atraso

A Anfavea divulga que postergar os prazos para os novos protocolos de controle de emissões entre 12 e 18 meses será suficiente para recuperar o atraso que ocorreu em 2020 por conta da pandemia . Outros países, como Estados Unidos, México, Japão e China, também postergaram a entrada em vigor de novos limites de emissão por conta do novo coronavírus .

Segundo a Anfavea, o Proconve deve considerar que os trabalhos de desenvolvimento continuam, mas estão limitados pelas barreiras sanitárias da pandemia. Também é do entendimento do órgão que a adequação de novas datas não compromete o meio ambiente, tampouco acarreta em mais mortes por problemas respiratórios. 

“Devido à pandemia e à retração das vendas de veículos, estima-se que a quantidade de veículos comercializados será de 3 a 5 milhões de unidades a menos que o previsto no período de 2020 a 2024”, divulga a Anfavea . “Portanto, mesmo que as vendas dos veículos L6 e P7 sejam prorrogadas por mais um ou dois anos, ainda assim, a quantidade comercializada será inferior ao previsto pelo CONAMA quando aprovou as novas fases", conclui. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários