Item em desuso hoje, os faróis com sistema de abertura e fechamento, muito comum em modelos mais esportivos já tiveram seus dias de glória. A ideia, no início, era adotar um recurso que ajudasse no coeficiente aerodinâmico que ditavam uma frente mais baixa, mas os faróis “atrapalhavam”, e aí a solução foi simplesmente escondê-los.

Os faróis escamoteáveis estrearam no norte-americano Cord de 1935 que usava um sistema manual. Neste, a empresa defendia a tese da resistência aerodinâmica ao ar e também o fato de eliminar elementos proeminentes que estragassem o design do carro.

Já os sistemas elétricos surgiram no De Soto 1942 ; porém foram nos anos 1960 a 1980 que se espalharam. Comum nos esportivos, foi perdendo força em 1990. No GM Corvette , um dos mais frequentes a usá-lo, durou até 2004.

1 - Buick Riviera

No Buick Riviera, os faróis são posicionados nas extremidades do para-lama
Divulgação
No Buick Riviera, os faróis são posicionados nas extremidades do para-lama


Para 1965, o projetista Bill Mitchell adotou uma reestilização no Riviera e com ela os faróis foram parar nas extremidades do para-lama, ocultos por duas tampas que se confundia com a grade quando fechadas. Quando em uso, estas tampas se abriam como uma concha exibindo orgulhosamente o par de faróis redondos.

 2 - Ford Cord 810

Cord 1935 foi o primeiro carro a usar faróis escamoteáveis, que ficavam escondidos nos para-lamas
Divulgação
Cord 1935 foi o primeiro carro a usar faróis escamoteáveis, que ficavam escondidos nos para-lamas


De linhas aerodinâmicas , o modelo lançado em 1935, projetado por Gordon Buehring, foi o primeiro automóvel no mundo a utilizar o sistema de faróis escamoteáveis. Os faróis eram operados por meio de manivelas posicionadas em cada extremidade do painel e de modo individual, parecendo que o carro estava piscando.

Você viu?

3 - Porsche 928

Faróis escamoteáveis do Porsche 928 estavam sempre aparentes, uma ideia inusitada da marca alemã
Divulgação
Faróis escamoteáveis do Porsche 928 estavam sempre aparentes, uma ideia inusitada da marca alemã


Lançado em 1977 como um possível substituto do 911 , o GT tinha os faróis que ficavam aparentes, independentes de estarem retraídos ou não. Para usá-lo, bastava acionar um botão que os faróis se projetavam. Não era um primor em beleza em ação, mas era muito eficiente à noite. A receita se repetia no modelo 968 , mas era mais discreto.

 4 - Opel GT

No Opel GT, os faróis eram operados por alavanca e giravam em torno de um eixo
Divulgação
No Opel GT, os faróis eram operados por alavanca e giravam em torno de um eixo


O cupê de linhas fluidas e frente em cunha chamou muita atenção durante a sua aparição oficial no Salão de Paris, em 1968. Mas o que revolucionou mesmo foi o sistema de faróis escamoteáveis que giravam em um eixo longitudinal e operados manualmente por meio de uma alavanca no console.

 5 - Alfa Romeo Montreal

Farol da Alfa Romeo Montreal, coberto parcialmente por uma pequena persiana
Divulgação
Farol da Alfa Romeo Montreal, coberto parcialmente por uma pequena persiana


Fiel ao projeto original, exibido em 1967 durante uma exposição universal na cidade de Montreal, no Canadá, o belo cupê esportivo da marca italiana era desenhado por Marcelo Gandini.

O carro tinha os faróis cobertos parcialmente por uma pequena persiana na parte superior, que podia ser retraída por um comando no painel e se escondia abaixo do par de faróis circulares que davam um charme extra ao modelo. Virou uma marca registrada do cupê que perdurou até 1977.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários