Carlos Zarlenga levou a GM para a liderança de vendas no Brasil e desde 2019 comandava a empresa em 9 países
Divulgação
Carlos Zarlenga levou a GM para a liderança de vendas no Brasil e desde 2019 comandava a empresa em 9 países

Carlos Zarlenga, que até então ocupava o cargo de presidente da General Motors na América do Sul , resolveu deixar o posto e também a própria empresa. De acordo com um noticiado divulgado pela empresa, o executivo quer “buscar outras oportunidades”.

Graduado em Economia pela Universidade de Belgrano em Buenos Aires, Argentina, Zarlenga tem 47 anos, e estava na GM desde 2012, quando foi nomeado diretor financeiro da empresa na Coréia do Sul.

Em 2013, Zarlanga conquistou o cargo de chefe financeiro (CFO) na América do Sul. Três anos depois, assumiu a presidência no Brasil e estendida para o Mercosul no ano de 2017 e desde 2019 já ampliaria para nove países sul-americanos (Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Uruguai).

Além da vasta experiência acumulada na GM , o executivo já havia trabalhado na área financeira por mais de 15 na General Electric na Europa, Ásia e Estados Unidos.

Você viu?

Até o momento não foi anunciado o próximo executivo que irá ocupar o lugar de Carlos Zarlenga. Enquanto isso, o diretor financeiro da GM América do Sul, Roberto Martin, assume o comando interinamente.

Novo ciclo de investimentos no Brasil

Chevrolet Montana: nova geração da picape será fabricada sobre a mesma base do Tracker para brigar com Fiat Toro e outras
Projeção/Kleber Silva
Chevrolet Montana: nova geração da picape será fabricada sobre a mesma base do Tracker para brigar com Fiat Toro e outras

A saída da Carlos Zarlenga no comando da G M no Mercosul surpreendeu o setor automotivo e coincide com o início de um novo ciclo de investimentos da empresa no Brasil. 

A GM confirmou que vai fabricar uma nova picape Montana em São Caetano do Sul (SP) como parte dos novos modelos que serão lançados a partir do investimento de R$ 10 bilhões, que foi retomado em janeiro último. Trata-se de um montante que será aplicado nas fábricas de São Paulo para produção de veículos da nova plataforma GEM, a mesma usada no Onix e Tracker.

O momento conturbado que vive a GM no Mercosul também inclui uma parada de mais de quatro meses nas suas linhas de produção por falta de semicondutores . Para superar a escassez de componentes, a GM anuncia retorno gradual das atividades.

A fábrica de Gravataí voltará a operar em um turno, com a expectativa de retomar a normalidade ainda no segundo semestre de 2021. A Chevrolet foi a montadora mais afetada pela escassez de componentes na indústria. Com os modelos Onix e Onix Plus em falta nas concessionárias, a fabricante perdeu posições no ranking de vendas. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários