Microlino 2.0 é releitura moderna do Romi-Isetta, produzido em Santa Bárbara D'Oeste (SP) em 1956
Divulgação
Microlino 2.0 é releitura moderna do Romi-Isetta, produzido em Santa Bárbara D'Oeste (SP) em 1956

O subcompacto elétrico Microlino 2.0 é atração do Motor Show de Munique (Alemanha) com design inspirado no Romi-Isetta dos anos 50. Este foi o primeiro carro a ser produzido no Brasil, entre 1956 e 1961, pela Romi S.A, em Santa Bárbara d'Oeste (SP).

O modelo foi apresentado como protótipo pela fabricante suíça Micro em 2016, com planos de que fosse lançado até 2018. Após um atraso considerável no cronograma e mudanças no projeto, o Microlino enfim foi mostrado em sua versão final. Ele será vendido em três versões, com capacidades de autonomia e entrega de desempenho diferentes.

O Microlino de produção traz todas as características antecipadas em protótipos desde 2016. Trata-se de uma releitura moderna do clássico desenvolvido pela empresa italiana Iso Automotoveicolinos anos 50. Sendo assim, a porta dianteira deixa de ter uma maçaneta, que foi substituída por um botão.

Há espaço para duas pessoas e 230 litros de capacidade de carga. Diferentemente do modelo clássico dos anos 50, o Microlino tem coluna de direção fixa e assentos ergonômicos. O painel aposta em uma linguagem visual minimalista, com uma central multimídia que também funciona como painel de controle do veículo.

As três versões do Microlino terão aparências exclusivas. O modelo de entrada Urban será vendido nas tonalidades branco e laranja, com teto preto brilhante e revestimentos internos feitos com tecidos escuros.

O modelo intermediário Dolce adiciona detalhes cromados no exterior, além das cores azul, vermelho e cinza para a carroceria. Por dentro, o revestimento é de couro vegano. A versão topo de linha Competizione pode ser adquirida nas tonalidades grafite, verde e cromado, com teto solar pintado de preto.

Você viu?

O motor elétrico desenvolve 17 cv de potência e 11 kgfm de torque. No modo esportivo, a potência pode chegar a 25 cv, ainda que sua autonomia seja comprometida. A Micro divulga que o compacto pode atingir 50 km/h em 5 segundos, com velocidade máxima limitada a 90 km/h.

O Microlino pode ser adquirido com baterias de 6 kWh, 10,5 kWh e 14 kWh. A autonomia com 100% de carga é de 95 km, 175 km e 230 km, respectivamente. A empresa também divulga que é possível recarregar a bateria de 0 a 80% e uma tomada doméstica comum em quatro horas. 

Apesar dos custos elevados para o desenvolvimento, a Micro não elevou o preço do Microlino 2.0. O modelo produzido em Turim (Itália) pode ser adquirido a partir de 12,5 mil euros (R$ 73 mil em conversão simples). A capacidade anual da fábrica é de 7,5 mil, mas a empresa antecipa que trabalha para aumentar o volume.

O primeiro carro nacional

Conheça a história do Romi-Isetta, primeiro modelo de produção nacional
Divulgação
Conheça a história do Romi-Isetta, primeiro modelo de produção nacional

O Isetta começou a ser produzido pelas Indústrias Romi S.A. em 1956, em Santa Bárbara d’Oeste (SP), sendo o primeiro veículo com fabricação nacional. O compacto, desenvolvido originalmente pela empresa italiana Iso Automotoveicoli, foi lançado com motor de dois tempos e uma única porta frontal.

O Isetta foi modernizado em 1959, ganhando motor de quatro tempos de origem BMW, mas as vendas não embalaram. A Romi parou de produzir o modelo em 1961, seguindo suas operações com foco em máquinas agrícolas no Brasil até os dias de hoje.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários