M.F. só sai de casa com o carro blindado que comprou após sofrer 14 assaltos no Rio de Janeiro
George Magaraia
M.F. só sai de casa com o carro blindado que comprou após sofrer 14 assaltos no Rio de Janeiro

A quantidade de ocorrências de sequestro-relâmpago está cada vez maior em todo o Brasil. Exemplo disso é o Estado de São Paulo, que segundo a Secretaria de Segurança Pública, registra aumento de 39% das incidências deste crime, entre janeiro e julho desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

O que mais motiva os criminosos é o tal do “golpe do PIX”, onde as vítimas são obrigadas a transferir tudo de sua conta bancária, além de entregar os pertences.

Quando nos deparamos com este cenário e trazemos o assunto à seara automotiva, nos vêm à mente os carros blindados. Segundo a Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin), o mercado de blindagens de veículos cresceu 10% no primeiro semestre (em comparação ao ano passado).

Apesar da dificuldade que as fábricas estão passando, por conta da escassez de matéria prima, isso já demonstra uma retomada em relação ao ano de 2020, em que a pandemia causou uma queda de 25% na quantidade de blindagens . A entidade prevê alta de 20% até o fim de 2021. Desse modo, podemos afirmar que a demanda não deixou de existir, e seguirá em tendência de alta.

Como faz para blindar um carro?

Entrevistamos o especialista de blindagens e mercado automotivo, Leonardo Macedo, a fim de descobrirmos como funciona para comprar um carro e blindar, bem como adquirir um usado já blindado. Ouça a seguir.

Segundo Leonardo, para se blindar um carro, é preciso de uma cópia do Certificado de Registro de Veículo (CRV), cópia do RG e CPF, bem como do título de eleitor, comprovante de endereço, declaração de idoneidade (antecedentes criminais, dívidas, entre outros itens), além de uma procuração específica para a blindadora representar o cliente junto ao Exército Brasileiro. Uma vez aprovado em tudo, a blindagem pode dar início.

Após o término da blindagem, o veículo deverá passar pelo Inmetro para receber uma certificação de vistoria da blindagem. Com esse documento e todas as notas fiscais da blindadora, poderá dar entrada ao Detran , para que, desse modo, se inclua a observação “modificado blindagem”. Leonardo comenta que o veículo blindado passa a ter maior capacidade de isolamento acústico , o que é positivo para o conforto dos ocupantes.

Leia Também

E para comprar carros blindados usados?

Antes de levar um carro blindado usado para casa é preciso verificar alguns itens para não ter problemas futuros
Divulgação
Antes de levar um carro blindado usado para casa é preciso verificar alguns itens para não ter problemas futuros

Ainda segundo o especialista, é necessário checar se o veículo possui as notas fiscais e certificações da blindagem , bem como verificar se consta no documento a observação “modificado blindagem”. Tão importante quanto é constatar se o carro que lhe despertou interesse conta com o nível IIIA da blindagem, que representa a maioria esmagadora dos carros blindados.

Se a blindagem já constar no documento, o comprador deve, via despachante ou diretamente com o Detran, apresentar todos os documentos. São eles, documento de transferência, RG, CPF, comprovante de endereço, declaração de idoneidade e laudo de transferência.

Se houver qualquer delaminação nos vidros , o laudo de transferência será reprovado. Logo, o procedimento legal, neste caso, é substituir do vidro delaminado por um novo. Leonardo ressalta que o custo do menor vidro é de cerca de R$ 4 mil.

Caso o veículo foi blindado há mais de cinco anos, existe o risco de delaminação dos vidros. Atualmente, é proibido a realização de autoclavagem (processo em que se remove a delaminação). Entretanto, alguns estabelecimentos ainda fazem esse serviço, que geralmente dura um ano até a delaminação retornar.

Contudo, se a blindagem não constar no documento, mas o vendedor tiver toda a documentação da blindagem (NFs de vidro, manta, aço e o serviço da blindadora), é necessário que não haja qualquer delaminação para que o veículo seja aprovado no Inmetro, este que dá “sinal verde” para o Detran regularizar o documento do carro.

Mas, se, em um novo cenário, o vendedor do blindado não tiver qualquer documentação referente à blindagem, será necessário contratar um serviço de uma blindadora qualquer para que ela assuma e certifique a qualidade da blindagem . É um serviço que, segundo Leonardo Macedo, sai, em média, mais de R$ 4.500.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários