Mercedes-AMG 35 é a linha de entrada para os esportivos legítimos da marca alemã
Guilherme Menezes/ iG Carros
Mercedes-AMG 35 é a linha de entrada para os esportivos legítimos da marca alemã

Recentemente, aceleramos em pista fechada dois novos modelos da linha de entrada da Mercedes-Benz AMG, no Autódromo Haras Tuiuti (SP). São eles o GLA 35 AMG (R$ 494.900) e o GLB 35 AMG (R$ 504.900). Ambos se juntam aos já oferecidos A 35 AMG (R$ 421.900) e CLA 35 AMG (R$ 435.900), ambos que também levamos ao limite, na mesma ocasião.

Todos da família 35 AMG compartilham o motor 2.0 turbo, com 306 cv e 40,8 kgfm, o suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em 5,2 segundos (GLA) e 5,3 s (GLB), e atingir os 250 km/h. O câmbio é automatizado, de dupla embreagem, 8 marchas, com tração integral.

Para descobrirmos mais detalhes por trás dos lançamentos, bem como com relação ao futuro da marca alemã, entrevistamos Evandro Bastos (Gerente de Produto) e André Pires (Especialista de Produto), ambos da Mercedes , para o nosso podcast de hoje. Interessante é descobrir mais detalhes da porta de entrada para o universo do alto desempenho, além do tema da eletrificação, que domina o setor automotivo . Ouça na íntegra a seguir.

Os nossos entrevistados enxergam os lançamentos como muito bem posicionados ante os concorrentes. Segundo eles, a importância da chegada das novidades ao portfólio se deve ao fato de que vão apostar no crescimento da participação da marca , impulsionado pelo sucesso dos SUVs no Brasil. Além disso, o GLB vai lutar sozinho entre os esportivos de sete lugares, tanto na versão convencional, quanto — ainda mais — na versão AMG.

“Nós batemos o recorde de vendas em 2020, com 629 unidades emplacadas no Brasil. Temos mais dois lançamentos para ampliar a captação do nosso público alvo. Equipados com a motorização da linha 35 AMG , eles irão atender o nosso público no conforto, na segurança, até no desempenho que vemos nos nossos esportivos. A somatória das vendas de todos os “35” se aproxima da metade dos emplacamentos de todos os AMG no Brasil”, afirma André Pires.

Leia Também

Com relação à eletrificação , adiantam a chegada do novo EQS ao Brasil, que deverá ocorrer no início do ano que vem. O carro é a união entre a proposta luxuosa da Classe S, com a eficiência e as tecnologias dos carros elétricos. O modelo estará entre os elétricos com a maior autonomia, podendo superar os 600 km, apesar do seu peso de quase 2,5 toneladas

“Nós veremos cada vez mais carros elétricos adquirindo capacidades maiores de autonomia. Temos até 1000 km de autonomia em um dos nossos conceitos, dentro da Mercedes.

A questão da autonomia não está apenas no tamanho da bateria, mas em como ela é utilizada. Apostamos em meios alternativos de regeneração de energia , como o carregamento por placas fotovoltaicas (as placas solares), já em desenvolvimento na Alemanha”, afirma Evandro Bastos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários