Tamanho do texto

Pensando em comprar a versão sedã do Polo? Então assista ao vídeo de avaliação da versão de topo, tabelada em R$ 79.990, antes de fechar negócio

Há muitos vídeos de avaliação sobre o Volkswagen Virtus na internet, mas nenhum como este que você irá assistir. Na coluna desta semana, divido com vocês a minha análise sobre a versão topo de linha do sedã compacto premium. Batizada de Highline, é equipada com motor 1.0 tricilíndrico turbo flex de até 128 cv, combinado com câmbio automático de seis marchas. Tem preço inicial de R$ 79.990 e detalhes que podem encorajá-lo (ou não) a efetuar a compra.

LEIA MAIS: Toyota Yaris: o que ele tem de melhor que Etios e Corolla?

A central multimídia do Volkswagen Virtus conta com tela sensível ao toque de oito polegadas, oferecida como opcional de R$ 3.300, é o primeiro item analisado. Rápida e intuitiva, conta com sistema de navegação GPS, comandos de voz, permite o espelhamento de smartphones (Android Auto e Apple Car Play), exibe informações do carro como monitoramento da pressão dos pneus e a imagem da câmera de ré, de ótima resolução.

Compensa o investimento?

Volkswagen Virtus: É um dos destaques do segmento nas vendas, na 23ª colocação na Fenabrave do ranking geral
Divulgação
Volkswagen Virtus: É um dos destaques do segmento nas vendas, na 23ª colocação na Fenabrave do ranking geral

Já adianto que sim. Não só por ela, mas pelo que vem a mais no chamado pacote Tech High: sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, detector de fadiga, retrovisor fotocromático, sensor de chuva, acendimento automáticos dos faróis e quadro de instrumentos digital. Este último mereceu atenção especial no vídeo. Mostro a vocês os modos de visualização e outras características do display colorido. Vale a pena conferir.

LEIA MAIS: Flagra! Pegamos o novo VW Jetta camuflado antes da estreia

O espaço interno do VW Virtus é o terceiro tópico da avaliação. Por ser um modelo almejado por famílias, fiz questão de conferir se adultos altos conseguem viajar com conforto no banco de trás. No porta-malas de 521 litros (quarto assunto) faltou um melhor nível de acabamento para a parte interna da tampa. As alças do tipo pescoço de ganso mereceram críticas também, mas um detalhe curioso acabou aliviando um pouco o julgamento.

O quinto e polêmico tópico do teste está relacionado a barulho: um ruído bastante chato presente na parte traseira da unidade avaliada. Fiz questão de registrar o som no vídeo porque recebi muitas mensagens no Instagram @decaronacomleandro , de pessoas reclamando de situação semelhante, mas no VW Polo, “irmão menor” do Virtus. Descobri recentemente, via grupos de Facebook, que alguns proprietários de Virtus também se queixaram disso.

LEIA MAIS: Confira 5 motivos para comprar o Polo e não um SUV compacto

Pensa que acabou? Tem bônus! Destaquei outros detalhes sobre o VW Virtus Highline que merecem atenção: o consumo médio registrado no período em que avaliei o sedã, o nível de acabamento da cabine, a ausência de alças de segurança no teto (o popular PQP) e o entrosamento da transmissão automática com o propulsor turbo.

Com todos os opcionais, o Volkswagen Virtus Highline sai por R$ 85.590. É o preço que se paga para ter exclusividades em relação ao restante da linha. O quadro de instrumentos digital e a central multimídia de 8”, por exemplo, só estão disponíveis para a configuração de topo. Será que vale a compra? Assista ao vídeo para descobrir.

Escreva para coluna De Carona com Leandro no You Tube ou no  Instagram

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.