Tamanho do texto

Apesar da fama dos carros franceses durante os anos 90, modelo revela natureza agressiva para quem curte acelerar

Antes de falar do Renault 19, vale lembrar que carros franceses não têm uma fama muito boa no Brasil. Em parte pela rede escassa de concessionárias nos primeiros anos e em parte também – algo relevante, diga-se de passagem – pelo fato de que o brasileiro médio não tem o hábito de fazer manutenção preventiva.

LEIA MAIS: Brasília Puma: rara combinação dos anos 70

É importante dizer que nos primeiros anos eles também não eram bem adaptados para nosso asfalto peculiar, para não dizer de baixa qualidade, o que ocasionava vários problemas de suspensão. Mas isso é passado e atualmente as opções do mercado já superaram essa fase. O Renault 19 foi lançado no final dos anos 80. Além da França foi produzido na Argentina e se destacou bastante no mercado local. Sem dúvida é fácil perceber como nossos vizinhos estimam o modelo, através de fóruns ou no próprio Youtube.

LEIA MAIS: Gurgel Tocantins foi o modelo mais bem sucedido da marca brasileira

Mas o tema de hoje é esportividade, a bordo da versão 16V, também conhecida como 16S (S, de Soupapes, válvulas, em francês) na França. O 19 traz uma combinação apimentada de fatores. Em primeiro lugar vale destacar o acabamento bem feito. Logo de cara se nota que estamos em um modelo diferenciado.  Os bancos, por exemplo, possuem abas nas laterais e nos remetem a uma esportividade esquecida de algo feito para acelerar.

Bonne renommée

Renault 19 16V:  motor 2.0, de 137 cv, surpreende pelo desempenho em rotações mais altas, o que garante esportividade
Renato Bellote/iG
Renault 19 16V: motor 2.0, de 137 cv, surpreende pelo desempenho em rotações mais altas, o que garante esportividade

Rodando o sedã comprova sua boa fama. O motor de 2 litros e 137 cv reage bem às rotações baixas, mas sua natureza agressiva aparece de verdade quando enfiamos o pé no acelerador. Nesse ponto o cabeçote multiválvulas mostra sua força e empurra o francês com vitalidade.

LEIA MAIS: Aceleramos o Dodge Challenger R/T, com 390 cv de potência

Vale ressaltar que quando essa tecnologia das 16 válvulas chegou por aqui teve duas vertentes. De um lado a economia e com motores até menores. E de outro o desempenho, como é o caso desse aqui, onde a diversão começa com o som único desse segundo estágio em funcionamento.

O proprietário desse Renault 19 é um apaixonado pela versão, tanto que atualmente tem três deles na garagem. Nem é preciso dizer que manter um deles não é uma tarefa fácil, com escassez de peças e mão-de-obra especializada. Mas paixão é paixão e realmente vale a pena escutar o ronco do sedã em alta rotação. Até a semana que vem!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.