Chevrolet Opala Diplomata: primeira série da versão mais luxuosa tinha itens como acabamento caprichado e ar-condicionado
Renato Bellote
Chevrolet Opala Diplomata: primeira série da versão mais luxuosa tinha itens como acabamento caprichado e ar-condicionado

Na década 60 o mercado automotivo brasileiro passava por uma transição. A indústria automobilística nacional tinha poucos anos de vida e já produzia vários modelos interessantes, sendo que alguns deles eram alinhados com os similares europeus. E sempre tivemos uma grande influência do design europeu e da tradição mecânica dos Estados Unidos.

A Chevrolet há algum tempo desenvolvia um modelo de luxo para ser vendido por aqui. O Opala surgiu nesse contexto, em busca de um público que podia pagar mais por um veículo de concepção atual e mecânica robusta. Jogo surgiram outras versões buscando outros públicos.

Com modelo tinha como base o Opel Rekord , que trazia uma motorização própria na Europa. Por aqui a marca optou pela utilização dos motores da linha dos Estados Unidos, com 4 e 6 cilindros , 2.500 e 3.800, respectivamente. Logo tivemos mais opção com aumento da cilindrada e mais potência.

A chegada da versão cupê marcou também o lançamento da versão esportiva SS, em 1972. A ideia jovem e um visual mais agressivo logo mostraram que a escolha foi bem acertada. Ainda na década de 70, uma nova opção para o motor de seis cilindros, o 250S , Se destacou dos demais pelos outros mecânicos e a potência de 171 cv brutos.

Leia Também

Mas há algum tempo a marca buscava uma versão mais luxuosa e requintada. Até então o Comodoro supria bem essa necessidade. Dessa forma, em 1980, o Diplomata chegou ao mercado, mesclando o estilo de uma nova geração e trazendo itens de luxo e comodidade para seus compradores.

O sucesso foi imediato. Em 1981 o novo estilo também combinava com o novo painel, mais moderno, com mostradores redesenhados e alinhado com os concorrentes. Acabamento aprimorado, ar-condicionado, teto de vinil - opcional - e o silêncio que uma versão mais luxuosa pedia estavam no pacote.

O exemplar da matéria é de 1982. Ele traz algumas modificações feitas a gosto do proprietário, mas com muita originalidade. O destaque é justamente a ótima dirigibilidade com o câmbio manual de quatro marcha s e o torque abundante do motor de seis cilindros. Sem dúvida nenhuma um divisor de águas para o Opala no Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários