Tamanho do texto

Alternativa premium para o Duster, Renault Captur aposta em requinte. Confira as informações, preços e versões do novo SUV da marca francesa

Renault Captur
divulgação/Renault
Renault Captur

Apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo de 2016, o Renault Captur finalmente chega às concessionárias de todo o Brasil. Trata-se do novo SUV compacto da marca francesa, inspirado em um outro Captur, o que é vendido na Europa, mas adaptado para países emergentes, o que é o nosso caso. Será posicionado acima do Duster, por R$ 78.900 na versão básica Zen 1.6 SCe manual e R$ 88.490 no modelo topo de linha Intense 2.0 automático.

LEIA MAIS: Renault Logan 1.6 renasce com novo motor. Confira a avaliação completa

O parentesco com o Duster é bem forte. Ambos usam a plataforma B0, compartilham motores e muitas peças. Até as medidas são bem próximas. Os 4,33 metros de comprimento e 2,67 m de entre-eixos são iguais. Muda que o Renault Captur tem 1,81 m de largura e 1,62 m de altura, ante 1,82 m e 1,68 m do Duster, respectivamente. Com vocação urbana, tem 23° de ângulo de entrada e 31° de saída, enquanto o Duster conta com 30° de entrada e 35° de saída. Curioso, pois o Captur tem 212 milímetros de altura do solo, 2 mm a mais do que o Duster.

É bem parecido até mesmo no porta-malas. A marca declara que o Captur conta com capacidade para 437 litros, enquanto o Duster teria 475 litros na versão 4x2 e 400 litros no modelo de tração integral. Também dizem que o novo SUV tem a posição de direção mais alta (o chamado Ponto H) do segmento, um dos atributos que atrai muitas pessoas para este segmento.

Por enquanto, sem CVT

Até mesmo a mecânica do Renault Captur é igual a do Duster. O motor básico é o 1.6 SCe, lançado no fim de 2016 para Logan e Sandero e que já chegou também ao SUV. Gera 120 cv a  e 16,2 kgfm a 4.000 rpm, quando abastecido com etanol, e gera 90% do torque a 2.000 rpm. É um bom motor, bem mais moderno do que o anterior e que nos impressionou muito, tanto no sedã Logan quanto no Duster. No Captur, está disponível apenas com câmbio manual de cinco marchas.

LEIA MAIS: Renault lançará Captur, Koleos e Kwid em 2017. Saiba mais detalhes

Já a versão topo de linha usa o conhecido 2.0 16V, de 148 cv  e 20,9 kgfm a 4.000 rpm,  o mesmo que rende no Duster. Será combinado apenas ao câmbio automático de quatro marchas, jogando um balde d’água fria em quem esperava pela caixa  CVT, que será oferecida mais adiante, de acordo com o que apurou a reportagem de iG Carros

Traz algumas melhorias para tentar manter um baixo nível de consumo de combustível. Conta com o Energy Smart Menagement, que desconecta o alternador durante as acelerações, evitando que o motor se esforce mais para gerar força para mover o carro. Quando o carro está andando sem que o motorista acelere, o alternador é reconectado e começa a recuperar energia para a bateria. Vem também com uma função Eco, que altera a troca de marchas do câmbio automático, com foco em rendimento.

Bem resolvido

O que não podemos criticar é o design do Captur. As linhas gerais são as mesmas da versão europeia do SUV, com pequenas alterações. O para-choque tem uma área diferente para os faróis de neblina, as luzes em LED foram um C (enquanto o europeu tem formato retangular). A traseira é praticamente a mesma, com a versão brasileira contando apenas com um friso cromado abaixo da tampa do porta-malas que não existia no Captur original. Da mesma forma que na Europa, pode ser encomendado em duas cores, com o teto preto ou marfim.

LEIA MAIS: Renault mostra nova picape Alaskan, que chega ao Brasil em 2018 

A cabine também evoluiu, embora ainda lembre um pouco os modelos mais antigos da Renault. Alguns itens como o controle dos vidros elétricos e o volante são os mesmos de um Sandero. Não é por custos, já que o Captur europeu também usa essas peças. A diferença para o modelo nacional é o uso de plástico de textura diferente, a ausência de alguns detalhes cromados e o volante ser todo de couro – na Europa, ele tem a parte de baixo em black piano. O porta-luvas também é diferente, utilizando o mesmo do Duster.

Aposta mais em equipamentos. A central multimídia é a conhecida MEDIA Nav usada no resto da gama da Renault, com tela sensível ao toque de 7 polegadas e equipado com GPS, câmera de ré e conexão Bluetooth. É controlado por uma alavanca posicionada na parte inferior direita do volante.  Todas as versões contam com direção eletro-hidráulica, quatro airbags (frontais e laterais), controle de cruzeiro ("piloto automático"), controle eletrônico de estabilidade e tração, e chave presencial na forma de cartão.

Confira as versões e preços do Renault Captur:

Renault Captur Zen 1.6 SCe manual – R$ 78.900

Equipamentos: Quatro airbags (dianteiros e laterais), controle eletrônico de estabilidade (ESP), controle eletrônico de tração (ASR), assistente de partida em rampas (HSA),  freios com ABS, ISOFIX,  direção eletro-hidráulica, volante com regulagem da altura, ar-condicionado, rodas aro 17 polegadas de liga leve, vidros elétricos, alarme perimétrico, chave-cartão hands free, comando de áudio e celular na coluna de direção (comando satélite), assento do condutor com regulagem de altura, sistema CAR (travamento automático das portas a 6 km/h), Luzes diurnas em LED, retrovisores rebatíveis, piloto automático com indicador e limitador de velocidade.

Opcionais: MEDIA Nav + câmera de ré (R$ 1.990) e pintura em duas cores (R$ 1.400)

Renault Captur Intense 2.0 automático – R$ 88.490

Equipamentos: Adiciona rodas aro 17 polegadas de liga leve diamantadas, apoio de braço, Media Nav 7” touchscreen, câmera de ré, ar-condicionado automático, sensor de chuva, farol de neblina com função Cornering Light, sensor crepuscular.

Opcionais: Bancos de couro (R$ 1.500) e pintura em duas cores (R$ 1.400)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.