Tamanho do texto

Modelo líder de vendas no Brasil está disponível em três versões. Topo de linha tem preço sugerido de R$ 10.190, em São Paulo

Honda CG 160 da linha 2018: novos freios CBS  entre as principais novidades do modelo mais vendido da marca no Brasil
Divulgação
Honda CG 160 da linha 2018: novos freios CBS entre as principais novidades do modelo mais vendido da marca no Brasil

E lançada a linha 2018 da Honda CG160 em três versões e agora com  freio CBS (Combined Braking System). A mais em conta é a Start (R$ 7.990), passando pela Fan (R$ 8.990), atee chegar na Titan (R$ 10.190). Conforme a fabricante, com o novo sistema de freio, consegue-se um ganho de até 20% da distância de frenagem se comparado com os modelos anteriores, da linha 2017.

LEIA MAIS: Honda CG 160 Titan, 40 anos depois. Gabriel Marazzi conta detalhes

Seja com freios disco/tambor ou tambor/tambor o sistema CBS da Honda CG 160 atua da mesma forma: ao acionar o pedal de freio traseiro a força frenante é distribuída para ambas as rodas, 34% para o freio dianteiro e os 66% restantes para o freio traseiro, proporcionando uma frenagem mais eficaz, impedindo o travamento das rodas e corrigindo por meio de um sistema, o mal habito dos motociclistas de usar somente o freio traseiro, quando o ideal é acionar os dois.

Para a versão CG 160 Tiitan e CG 160 Fan 2018, outra novidade é o  painel de instrumentos "Blackout" enquanto a CG 160 Start apresenta instrumento dotado de contagiros. Outra inovação na Start é o acabamento em "Black Chrome nos aros de roda.

LEIA MAIS: Honda CG 125 completa 40 anos no Brasil: Carrossel do Progresso

As três versões da CG 160 são equipadas com motor com comando de válvulas no cabeçote OHC (Over Head Camshaft), quatro tempos, arrefecido a ar e injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection). Pode gerar 15,1 cv (etanol) e 14,9 cv gasolina) a 8.000 rpm. O torque máximo é de 1,54 kgf.m (etanol) e 1,40 kgf.m (gasolina) a 6.000 rpm.

Suspensão reforçada

 A nova suspensão dianteira da Linha CG 2018 é do tipo SFF (Separated Function Fork). Seu princípio de funcionamento é o mesmo e como indica o nome em inglês, o sistema separa as funções das bengalas da dianteira: nas suspensões convencionais ambas bengalas contam com molas e dispositivos hidráulicos dedicados ao  amortecimento. No sistema SFF, uma bengala é dedicada ao sistema hidráulico, o amortecimento progressivo da compressão e extensão, enquanto a outra bengala abriga a mola.

LEIA MAIS: Honda CG faz 40 anos no Brasil e ganha edição limitada por R$ 10.290

 As principais vantagens deste novo sistema são: maior leveza da suspensão favorece a melhor dirigibilidade. O menor atrito interno garante boas respostas e funcionamento mais preciso por absorver melhor as irregularidades do terreno, tendo como ganho a diminuição de componentes internos, o que facilita a manutenção e aumenta a durabilidade para diversos tipos de piso.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.