Tamanho do texto

Z900 RS é conhecida pelo seu estilo retrô, que remonta modelos dos anos 70. Entretanto, conta com engenharia moderna, com destaque para a segurança

Kawasaki Z900 RS: Releitura da primeira de todas as Z, a Z1, vem com atributos modernos
Divulgação
Kawasaki Z900 RS: Releitura da primeira de todas as Z, a Z1, vem com atributos modernos

Chegará ao mercado, no dia 1º de julho, a nova Kawasaki Z900 RS, por R$ 48.990. Trata-se de uma retrô, que relembra o sucesso da Z1 900, lançada na década de 1970. As maiores referências ao modelo clássico são o tanque esguio em forma de gota, as aletas de refrigeração no motor e a rabeta ao estilo “bico de pato”, bem como o guidão mais alto. Entretanto, não deixa de ser uma moto dos dias de hoje, ou seja, conta com nova engenharia.

LEIA MAIS: Uma volta ao passado com a Kawasaki Z900RS, que conta com esportividade

Compare com o modelo dos anos 70. Note que, mesmo após 40 anos, muito de seu visual permanece
Divulgação
Compare com o modelo dos anos 70. Note que, mesmo após 40 anos, muito de seu visual permanece

Entre os exemplos dessa engenharia e das tecnologias atuais, destacam-se: suspensões ajustáveis com garfo dianteiro invertido de 41 mm, pinças de freio monobloco de montagem radial, embreagem assistida deslizante e sistema de controle de tração. Além disso, a Kawasaki Z900 RS vem com um motor de quatro cilindros em linha, de 948 cm³, com 111 cv e 9,5 kgfm, instalado em chassi de treliça de construção leve, que promete agilidade na pilotagem. Inclusive, segundo a montadora, o escapamento foi pensado para aprimorar o ronco.

LEIA MAIS: Kawasaki Ninja 1000 é modelo esportivo da marca para viagem

No câmbio, a primeira marcha foi levemente encurtada e a sexta marcha alongada, para que a motocicleta tenha uma arrancada mais imediata e maior conforto em velocidade de cruzeiro. As rodas de liga têm os raios finos para ficarem parecidas com rodas raiadas, de forma que, juntamente à suspensão, a motocicleta terá praticamente a mesma dirigibilidade. A RS pesa apenas 5 kg a mais que a Z900.

LEIA MAIS: Kawasaki Z900, o purismo das naked com visual felino

Equipamentos

Eis que a moto conserva os mostradores redondos, qualidade para muitos motociclistas puristas
Divulgação
Eis que a moto conserva os mostradores redondos, qualidade para muitos motociclistas puristas

A motocicleta traz velocímetro e conta-giros analógicos, com uma tela LCD multifuncional. Ela tem funções como: reproduzir o indicador de marcha, hodômetro total, dois parciais, medidor de combustível, autonomia restante, consumo de combustível instantâneo e médio, temperatura do líquido de arrefecimento, temperatura externa, relógio e indicador de pilotagem econômica.

LEIA MAIS: Kawasaki Z800 vai bem em qualquer situação: pista, cidade ou na estrada

Com relação à segurança, mais especificamente ao controle de estabilidade, o condutor pode escolher entre o Modo 1, que prioriza a aceleração máxima, e o Modo 2, voltado à segurança. A 3ª opção é de simplesmente desligar tudo.

LEIA MAIS: Kawasaki GPz 1100: a moto que mexeu com os ânimos no Brasil dos anos 80

Entre os modos de operação, é capaz de distinguir entre o levantamento da roda, resultante de uma forte aceleração, ou de outros tipos de empinada. No Modo 1, assumindo a intenção do motociclista de acelerar a Kawasaki Z900 RS, o sistema permite a elevação da roda induzida pelo motor, na medida em que aceleração aceitável seja mantida. Outros tipos de elevação da roda também acionam a intervenção do sistema. Por fim, no Modo 2, o sistema atua para suprimir qualquer empinada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.