Tamanho do texto

Linha 2019 da versão cabriolet fica ainda mais divertida para quem curte o prazer de dirigir sem capota. É um dos modelos mais em conta do segmento

Mini Cooper S Cabrio azul arrow-options
Divulgação
Mini Cooper S Cabrio passa a ter faróis de LED entre os novos detalhes da linha 2019, que ficou ainda mais irreverente

Pena que abaixar a capota de um conversível e aproveitar a sensação de liberdade ao volante se tornou um ato de ousadia no Brasil. É preciso saber onde e quando apertar o botão que recolhe a cobertura. No Mini Cooper S Cabrio, em 18 segundos, o componente de tecido se dobra e fica atrás dos bancos traseiros.  É o tempo suficiente para um mundo novo se abrir.

LEIA MAIS: Mini Cabrio 2019 fica ainda mais irreverente sem capota. Veja avaliação

Escolha um lugar agradável, com boa paisagem. E saiba bem quem levar ao seu lado para que o encanto não se quebre como no conto da carruagem que vira abóbora. Feito isso, agora é aproveitar o que esse carrinho pode ofecerer, como poucos disponíveis no País, considerando faixa de preço, tamanho e a irreverência do Mini Cooper S Cabrio. 

Por R$ 181.990 você pode ter na garagem um conversível bem temperado, cuja receita inclui motor 2.0 de 192 cv e o novo câmbio automatizado (Getrag), de dupla embreagem e 7 marchas, com trocas rápidas suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em 7,1 segundos, mesmo com tração apenas dianteira. Entre as trocas, pelas hastes atrás do volante, o melhor nem é a rapidez, mas o ronco borbulhante que ecoa pelo escape duplo .

 Dá para ouvir o sibilar a turbina, que logo enche os quatro cilindros, chegando em nada desprezíveis 28,5 kgfm de torque em meros 1.350 rpm. É força para ultrapassagens sempre seguras. Basta acelerar para conseguir completar a manobra dentro do planejado. Na versão avaliada, o carro estava com volante da versão JCW, revestido de couro com costuras vermelhas e boa empunhadura.

 O que muda no Mini Cooper S Cabrio

Mini Cooper S Cabrio azul arrow-options
Divulgação
Sem capota, o Mini Cooper S Cabrio passa a ter a capota dobrada na traseira, mas o carro fica mais alto astral

Na linha 2019, o carro passa a ter lanternas com desenho interno inspirado na bandeira da Inglaterra, repetidores de seta, além de logos novos e projetados no chão, junto às portas. Por dentro, a avalanca do câmbio passou a ser eletrônica, como nos modelos da BMW e há o mesmos grafismos estilizados do "Union Jack" no painel que podem mudar de cor, conforme o gosto do freguês.

LEIA MAIS: Mini Cooper JCW chega à linha 2019 com câmbio de 8 marchas e mais equipado

Outra novidade fica por conta do head-up display , que ajuda a mostrar a velocidade sem precisar desviar o olhar do trânsito. Se você ajustar o carro no modo "Sport" a direção fica um pouco mais pesada e os amortecedores são enrijecidos para segurar o carro nas curvas. Basta apontar o focinho do Mini para a tangência da curva que o carro obedece com a precisão de um cão farejador.

Mas é bom voltar para o modo "Conforto" de novo quando abaixar a poeira se não quiser perder todas as suas obturações. Pois é, os solavancos são fortes ao passar por piso irregular no ajuste mais esportivo. Mesmo na opção mais confortável, outro inconveniente típico de modelos mais apimentados é o risco de danificar as rodas de aro 17 montadas em pneus de perfil baixo (205/45R 17),

Interior do Mini Cooper S Cabrio arrow-options
Divulgação
Por dentro, a linha 2019 passa a ter a bandeira da Inglaterra estilizada no painel, que pode mudar de cor


 Claro, estamos falando de um pequeno conversível, o que implica em ter um porta-malas apertado (160 litros) e pouco espaço no banco traseiro. Além disso, a capota dobrada na traseira acaba atrapalhando a visibilidade. Mas, quem compra um carro desses não está muito preocupado com esses detalhes, apenas curtir o passeio.

Por dentro, ainda entre os destaques, fica a central multiimídia, com tela de alta resolução e que conta com GPS embutido conectado à internet, o que torna possível mostrar a situação do trânsito em tempo real. O sistema é controlado por um botão giratório proximo da alavanca do freio de estacionamento, com botões ao redor, algo que poderia ser pensado na próxima geração para aperfeiçoar a ergonomia.

Conclusão

Se estiver atrás de um conversível, existem muito poucas opções no Brasil. Por incrível que pareça, o Mini Cooper S Cabrio é um dos modelos mais baratos do segmento. Depois dele, hoje em dia, considerando uma ordem crescente de preços, é o Mercedes SLC300, de R$ 323.900.

LEIA MAIS: Veja lista dos 5 carros importados que mais perdem valor depois de um ano

Em seguida, vêm o Chevrolet Camaro Conversível, de R$ 365.990.  Daí em diante você encontará só supercarros com valores estratosféricos da Porsche, Ferrari, Jaguar, entre outras marcas do gênero. Pelo o que apuramos, a Audi  não tem mais na tabela de preços o TTS Roadster, que ficava na faixa dos R$ 300 mil. Então, o Mini Cooper S Cabrio fica bem mais em conta. 

Ficha técnica - Mini Cooper S Cabrio

Preço:  a partir de R$ 181.990
Motor: 2.0, quatro cilindros, turbo, gasolina 
Potência: 192 cv a 5.000 rpm  
Torque: 28,5 kgfm a 1.350 rpm  
Transmissão: automatizado, dupla embreagem, sete marchas, tração dianteira  
Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / multilink (traseira)  
Freios: Discos ventilados (dianteiros) / discos sólidos (traseiros)  
Pneus: 205/45 R17  
Dimensões: 3,85 m (comprimento) / 1,72 m (largura) / 1,42 m (altura), 2,50 m (entre-eixos)  
Tanque: 44 litros  
Porta-malas: 160 litros  
Consumo gasolina: 11,3 km/l (cidade) / 13,7 km/l (estrada)  
0 a 100 km/h: 7,1 segundos  
Velocidade máxima: 230 km/h