Tamanho do texto

Versão top de linha do SUV mais vendido do Brasil quase não muda e continua sendo para quem vai se aventurar fora do asfalto


Jeep Renegade azul arrow-options
Divulgação
Jeep Renegade Traihawk da linha 2020 ganha faróis de LED e novas rodas entre as principais mudanças visuais


Mesmo com poucas mudanças na linha 2020, o Jeep Renegade se mantém como líder de vendas do segmento. E na versão topo de linha Trailhawk uma das únicas diferenças fica por conta dos faróis de LED no lugar das lâmpadas convencionais. Há também novas cores e rodas de aro 17 redesenhadas.  Para quem está disposto a pagar R$ 145.900, o carro é uma boa pedida para entrar na lama com estilo.

LEIA MAIS: Jeep Renegade Limited: quando o máximo nem sempre é o melhor

Não é difícil notar que o pacote do J eep Renegade Trailhawk tem mesmo um apelo aventureiro. Os pneus são de uso misto, há ganchos para amarração pintados de vermelho nos para-choques e o capô tem o centro pintado de fosco.

Além disso, a suspensão recebeu novos ajustes mais voltados para uso em trechos de terra, o que acaba prejudicando um pouco o conforto no asfalto. Por outro lado, a preparação da suspensão acaba ajudando a superar obstáculos urbanos, como valetas e lombadas com facilidade.

 As diferenças do Trailhawk para as demais versões continuam com a distância livre do solo ligeiramente maior (22,3 cm ante 21,6 cm) e com a inclusão da do modo “Pedra” entre as opções de tipo de piso do seletor de tração, motivo pelo qual recebeu o selo “Trail Rated”, dado apenas àqueles modelos da Jeep que conseguem enfrentar a trilha Rubicon, nos EUA.

Por dentro, o Renegade Traihawk vem com pintura vermelha nas saídas de ar, laterais, ao redor da alavanca de câmio e nas caixas de som. Além disso, todo o revestimento de couro tem costuras avermelhadas. O único opcional é o teto solar panorâmico e removível, mas que custa salgados R$ 8.140. Portanto, a lista de itens de série é grande e inclui até sistema de som Beats de alta-fidelidade, com subwoofer e 506 watts de potência. 

LEIA MAIS: Jeep Renegade 2020 chega com novas luzes de LED e perde câmbio manual

Ainda entre os equipamentos a versão topo de linha do Renegade conta com alerta de ponto cego nos retrovisores, multimídia com tela de 7 polegadas compatível com Apple Car Play e Android Auto. Mas o porta-malas não é dos mais espaçosos, com apenas 273 litros depois que tiraram o estepe convencional e o substituíram por outro de uso temporário.

 Acelerando o Jeep Renegade Trailhawk 2020

Jeep Renegade interior arrow-options
Divulgação
Jeep Renegade Traihawk tem detalhes pintados de vermelho no interior e sistema de som Beats, de alta-fidelidade


O motor 2.0 turbodiesel faz parte dos destaques do SUV da Jeep Tem boa dose de força desde as primeiras marcações do contagiros, o que ajuda nas ultrapassagens e na superação de obstáculos pelo caminho. São bons 35,7 kgfm de torque a 1.750 rpm, força que pode ser transmitida para as quatro rodas quando a tração integral estiver acionada. Bom também é que o câmbio automático tem 9 marchas e conta com hastes para trocas sequenciais no volante de três raios e 23 botões, o que exige um certo tempo para se acostumar com todos eles.

A combinação das marchas mais longas com o motor turbodiesel cai como uma luva por causa da força em baixas rotações, o que ajuda a economizar e a reduzir o nível de ruído. Mesmo assim, não há como evitar o “clec clec” característico dos motores a diesel. Entretanto, é algo que não chega a incomodar no dia a dia.

O que merece um cuidado é a velocidade nas curvas por conta os pneus de uso misto, da suspensão recalibrada e do maior vão livre do solo. Porém, é bom lembrar que assim como as demais versões do Renegade o Traihawk vem com controles eletrônicos de estabilidade e tração, o que ajuda a corrigir eventuais derrapadas.

LEIA MAIS: Jeep não terá SUV menor que o Renegade no Brasil, diz executivo

Ponto positivo também para a cerimônia em consumir combustível. De acordo com o Inmetro, o Jeep Renegade Traihawk faz 9,4 km/l na cidade e 11,5 km/l na estrada, o que implica em uma autonomia teórica de 564 km em trechos urbanos e 690 em rodoviários considerando o tanque de 60 litros.

Conclusão

A menos que você vá mesmo pegar trechos de terra com certa frequência, é melhor optar pela versão Longitude a diesel no lugar da Trailhawk. Além de ser R$ 11 mil mais em conta, tem um acerto mais adequado para rodar no asfalto. Afora o porta-malas pequenos, o carro faz jus à liderança de vendas no segmento. 

Ficha Técnica

Preço:  a partir de R$ 145.900

 Motor: 2.0, quatro cilindros, diesel

Potência: 170 cv a 3.750 rpm

Torque: 35,7 kgfm a  1.750 rpm

Transmissão:  Automático, 9 marchas, tração integral

Suspensão:Independente (dianteira e traseira) 

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 215/60 R17 

Dimensões: 4,24 m (comprimento) / 1,79 m (largura) / 1,73 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque : 60 litros

Porta-malas: 260 litros 

 Consumo: 9,4 km/l (cidade) /11,5 km/l (estrada) com diesel

0 a 100 km/h: 9,9 segundos 

Vel. Max: 190 km/h