Volvo
Guilherme Menezes/iG
Volvo XC60 T8 Hybrid R-Design: Perfeição sueca ao extremo. Esses nórdicos realmente sabem fazer carros...

Eis a versão topo de linha do Volvo XC60, a T8 Hybrid R-Design, que traz uma interessante relação entre desempenho e economia de combustível, o que o torna um dos modelos mais requsitados do segmento.  Além disso, apesar de não ser nada barato (R$ 299.950), custa menos que rivais com mesmo nível de potência e equipamentos. O que também empolga é a qualidade do acabamento e o sistema de som de alta-fidelidade.

Ao todo, são 407 cv e 65 kgfm, números suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em 5,3 segundos, de acordo com informações da Volvo. E no uso combinado do motor elétrico de 87 cv — alimentado por uma bateria de íons de lítio de alta capacidade (11,6 Kwh) — com a combustão (um 2.0, turbo + supercharger, de 320 cv), o Volvo XC60 T8 é capaz de fazer 19 km/l na cidade e 20 km/l na cidade, conforme os dados do Inmetro.

Apenas no modo elétrico, a Volvo diz que o SUV pode percorrer cerca de 40 ou 50 quilômetros. Todos esses números são impressionantes, uma vez que, mesmo pesando 2174 kg, acelera como esportivo e gasta menos do que subcompacto. E a sensação ao volante é bastante interessante, uma vez que une força capaz até de tirar o fôlego, com uma suavidade e um silêncio que faz parecer que o carro está levitando.

Usando um botão de seleção posicionado entre os bancos dianteiros, o motorista pode alternar entre quatro configurações pré-estabelecidas ou personalizar a sua própria, combinando características como resposta nas acelerações, frenagem, trocas de marchas mais rápidas, sensibilidade da direção, entre outras. As baterias de lítio podem ser recarregadas mais rapidamente pela energia dos freios ao acionar o modo B do câmbio automático, de 8 marchas.

Além disso, o próprio motor a combustão pode assumir o papel de gerador de energia para as baterias, quando necessário. E em uma tomada de 220 volts e 16 amperes, conforme a Volvo, o XC60 T8 pode ser recarregado em apenas 3 horas, tempo que sobe para 4 horas com 10 amperes e 7 horas com 6 amperes.

Por mais que a bateria do motor elétrico tivesse zerado quando o combustível chegou à metade do tanque, não foi preciso se preocupar muito com sua recarga, pois ela retoma seus níveis rapidamente com o próprio uso do carro e nunca deixa de ajudar. 

Perfeição do Deus Baldur

Volvo
Guilherme Menezes/iG
Suas linhas são suaves e conferem um ar de robustez à carroceria, mas sempre atendendo a personalidade sóbria, tipicamente nórdica

Como se trata da versão topo de linha, o  XC60 R-Design  vem com uma série de equipamentos, entre os quais se destacam os seguintes: city safety , que é o alerta de iminência de colisão, mas não apenas com capacidade de frear o carro em situações de emergência, como de ajudar a desviar da batida. Essa assistência da direção também agora é aplicada no sistema que aviso de ponto cego (BLIS).

Ainda entre os detalhes exclusivos da versão T8, está a pequena alavanca de câmbio feita de cristal e o acabamento ainda mais caprichado no interior. Outro destaque vai para o modo semi-autônomo de nível 2, que pode assumir o controle do volante na estrada até 130 km/h, seguindo o traçado das faixas pintadas no chão. A lista de equipamentos é extensa e inclui GPS, teto-solar panorâmico, câmera de ré com visão de 360 graus, porta-malas com abertura e fechamento de maneira automática, entre vários outros itens.

São tantos recursos de tecnologia que leva um tempo para se inteirar de todos eles. Mas os que mais chamaram a atenção, foram o sistema de som e a assistência de direção tanto com o modo de condução autônoma ativo quanto inativo.

Quanto ao som, o interior é cercado por 14 alto falantes com subwoofer da Harman Kardon de 600W, que me surpreendeu. Eu tenho as minhas músicas prediletas de cor, e consegui ouvir tons que nunca tinha percebido antes, tamanha a qualidade de reproduzir, graves, agudos e médios.  

Já em relação à direção ativa, fica claro o alto nível de conforto e segurança. Além disso, o sistema semiautônomo assume o controle do volante, tomando as faixas como referência. Faz curvas, freia (quando o tráfego reduz a velocidade), retoma, enfim, faz tudo mesmo. Claro que o próprio carro exige que você se faça presente ao volante, e nem sempre as ruas estarão com a sinalização em dia para que os sistemas possam funcionar.

De tudo o que eu pude avaliar nesse carro, a única crítica negativa quanto ao Volvo XC60 está na sua central multimídia de 12,3 polegadas, que poderia ter uso mais intuitivo, mas isso já está sendo resolvido para a próxima versão que está por vir. A tela inicial é um atalho para algumas funções, e apenas isso.

Dependendo da astúcia do condutor, pode demorar um pouco até se descobrir que a interface arrasta para os lados e, aí sim, mostra todas as funções que, de fato, poupam muito tempo de configuração. De todo o modo, sua sensibilidade ao toque é boa e é agradável de se olhar, e faz todo o sentido quando se associa ao visual sóbrio do carro.

Ainda assim, o Volvo XC60 T8 Hybrid R-Design se mostrou um carro à frente de seu tempo. Veloz, espaçoso, confortável, conectado, seguro e bem econômico. Não é à toda que está dando trabalho para os principais rivais, como Audi Q5 Black Black (R$ 313.990), Mercedes GLE 400 D (R$ 465.900) e BMW X3M40i (R$ 408.950).

Ficha técnica

Preço: R$ 299.950
Motor: 2.0, turbo, supercharger, gasolina e outro elétrico
Potência: 320 cv a 5.700 rpm
Torque: 40.8 kgfm a 2.200 rpm
Transmissão: automático, de oito marchas, tração intergral
Suspensão: braços sobrepostos (dianteira), multibraço (traseira)
Freios: discos ventilados (dianteira e traseira)
Porta-malas: 505 litros
Consumo: 19 km/l na cidade e 20 km/l na estrada
0 a 100 km/h: 5,3 segundos
Vel. Máx: 230 km/h

    Veja Também

      Mostrar mais