Fiat Pulse Drive 1.3 CVT já vem com rodas de liga-leve de aro 16 , além de faróis e lanternas de LED entre os itens de série
Divulgação
Fiat Pulse Drive 1.3 CVT já vem com rodas de liga-leve de aro 16 , além de faróis e lanternas de LED entre os itens de série

Não quer pagar mais de R$ 100 mil em um legítimo SUV? Ok, então existem algumas opções no mercado que podem satisfazer pelo menos os menos exigentes. Uma das melhores hoje em dia é o Fiat Pulse Drive 1.3 CVT (R$ 96.975).

O carro já começa bem na missão de fazer as vezes de um SUV de verdade logo de cara. Capô alto, faróis e lanternas de LED, para-choques e retrovisores pintados na mesma cor da carroceria, rodas de liga-leve de aro 16 , vão livre do solo de 18,8 cm, entre outros itens fazem parte do pacote de série e acabam sendo um bom cartão de visitas.

A questão do capô alto é um pouco polêmica, uma vez que, se por um lado deixa o Pulse com um aspecto mais robusto, por outro prejudica a visibilidade nas manobras de estacionamento. De qualquer forma, pelo o que notamos, não deverá ser à toa que versão intermediária será a mais vendida do novo modelo da Fiat .

Assim como fora, o Pulse Drive 1.3 CVT também agrada por dentro, embora o ideal seria que a dose de plástico fosse um pouco menor. Mesmo assim, a lista de equipamentos de série acaba compensando essa sensação de despojamento.

Há central multimídia com tela de 8 polegadas sensível ao toque e com pareamento sem fio, volante multifuncional com botão Sport (que muda as respostas do motor e do câmbio), computador de bordo, ar-condicionado digital, controlador de velocidade de cruzeiro ("piloto automático"), entre outros.

Mas faltou a regulagem de profundidade do volante nessa versão Drive 1.3 CVT do Pulse , que também não vem com espelho retrovisor fotocrômico, nem hastes atrás do volante para trocas de marchas sequenciais, ou revestimento de couro nos bancos . Porém, incluíram encosto de braço central com porta-objetos e saídas de ar para quem vai sentado atrás.

O espaço interno é apenas razoável, principalmente no banco traseiro , onde quem for no meio de dois outros passageiros das pontas vai ficar apertado. O porta-malas leva medianos 370 litros, mas pode ser a capacidade aumentada ao rebater os encostros dos bancos traseiros bipartidos em 1/3 e 2/3.

Entretanto, assim como nas demais versões do Pulse , é preciso de acostumar com tantos comandos diferentes, com botões praticamente iguais, reunidos em um único espaço, uma questão de ergonomia que poderia ser revista pela Fiat.

E como anda o Pulse 1.3 CVT?

Volante da versão Drive 1.3 CVT também vem com botão Sport como no Impetus, mas sem pintura vermelha
Divulgação
Volante da versão Drive 1.3 CVT também vem com botão Sport como no Impetus, mas sem pintura vermelha

Se acha que o visual esportivo dessa versão intermediária do Pulse condiz com o desempenho, esqueça. A vocação do Drive 1.3 CVT é manter o rodar confortável e sem muita pressa. Não adianta tentar forçar a barra do conjunto mecânico, o carro vai bem ao pisar mais de leve no acelerador.

São 107 cv e não muito animadores 13,2 kgfm de torque a altos 4.000 rpm, números suficientes para acelerar de 0 a 100 km/h em pacatos 11,4 segundos. Mas, no trânsito, o Pulse 1.3 CVT cumpre seu papel.

Na estrada, basta não esperar tanto fôlego nas retomadas . O bom é que a suspensão absorve bem as irregularidades do piso e, como o carro conta com controles eletrônicos de estabilidade e tração, eventuais desvios de trajetória são evitados de certa forma, contanto que não haja exageros.

Na comparação com as versões turbinadas do Pulse , a 1.3 aspirada, com caixa CVT, se mostra mais econômica, o que é um alívio em tempos de preços dos combustíveis nas alturas. De acordo com dados do Inmetro, o carro faz 9,2 km/l na cidade e 10,4 km/l em trechos rodoviários com etanol, marcas que melhoram para 12,9 km/l e 14,3 km/l com gasolina, respectivamente.

Ao rodar no dia a dia, o isolamento acústico do Pulse 1.3 CVT pareceu ser aceitável e a direção com assistência elétrica funcionou a contento, leve nas manobras e com peso adequado, conforme o ponteiro do velocímetro vai ganhando altitude.

Leia Também

Com diâmetro de giro de 10,5 m, o Fiat também se mostrou fácil de ser manobrado, mesmo em espaços apertados. E mesmo com freios a tambor na traseira, o sistema nos pareceu bem dimensionado para a proposta do carro.

Conclusão

Não vai ser à toa que a versão Drive 1.3 CVT do Fiat Pulse será a mais vendida. O carro conta com um pacote interessante de equipamentos de série, visual caprichado e consumo menor do que o 1.0 turboflex, por menos de R$ 100 mil. Mas não espere demais quando o assunto é desempenho e espaço interno.

Ficha técnica

Motor: 1.0, turboflex

Potência: 130 cv a 5.750 rpm

Torque: 20 kgfm a 1.700 rpm

Transmissão: CVT, simulando 7 marchas

Freios: discos ventilados (dianteira), discos sólidos (traseira)

Dimensões: 4,10 m de comprimento, 1,58 m de altura, 1,78 m de largura e 2,53 m de entre-eixos

Porta-malas: 370 litros

Consumo: 12 km/l na cidade e 14.6 km/l na estrada com etanol e 12,9 km/l na cidade e 14,3 km/l na estrada, com gasolina

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários