JAC E-J7 mostra ao mercado o máximo que a JAC pode oferecer quando o assunto é carro elétrico
Guilherme Menezes/ iG Carros
JAC E-J7 mostra ao mercado o máximo que a JAC pode oferecer quando o assunto é carro elétrico

A JAC Motors lança o novo sedã elétrico E-J7 (R$ 264.900) para competir no segmento de sedãs premium disponíveis no Brasil. Entre eles, Audi A4 (R$ 272.990), BMW 320i GP (R$ 288.496), Honda Accord Hybrid (R$ 310.990), entre outros.

Sergio Habib, representante da JAC Motors no Brasil, destaca como vantagens seu preço mais acessível e seu desempenho superior, como principais destaques, quando comparado com os demais sedãs.

Além do mais, quando nos voltamos ao segmento dos elétricos, o JAC se destaca entre os modelos mais em conta , oferecendo mais desempenho, porte e autonomia do que a maioria dos outros. Entretanto, será que a comparação com esses carros é mesmo a mais adequada? Vamos ver mais argumentos do representante da marca e conclusões que tiramos nos nossos testes.

Números

O executivo também destaca sua preferência pela configuração escolhida. Segundo Habib, o JAC E-J7 oferece uma combinação interessante de autonomia, preço, peso e potência.

O sedã elétrico da JAC Motors vem com bateria de 50,1 kWh de capacidade de carga, o que garante uma autonomia de 402 km , peso de 1650 kg e 193 cv com 35 kgfm. Além disso, consegue acelerar de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos, conforme revela a fabricante.

E para assegurar que a energia não seja utilizada de maneira ineficiente, a velocidade final do elétrico E-J7 é limitada em 150 km/h, com uma retirada automática gradual de potência acima dos 135 km/h.

Interessante também é que a divisão de carros elétricos da VW participou do desenvolvimento da novidade. Isso pode ter contribuído para a construção da carroceria, acerto de freios e suspensão.

Impressões

Interior aposta nas tendências futuristas, com jogo de luzes no interior, diferentes tipos de superfícies e interfaces
Divulgação
Interior aposta nas tendências futuristas, com jogo de luzes no interior, diferentes tipos de superfícies e interfaces

Nós, da redação do iG Carros , tivemos oportunidade tanto de testá-lo em pista fechada, quanto nas ruas e avenidas de São Paulo. Na dirigibilidade “civil”, vemos como o carro faz jus ao baixo posicionamento das baterias e o equilíbrio delas ao longo da carroceria. É um carro fácil de dirigir, bem confortável e tem boa resposta.

As únicas ressalvas ficam por conta da hipersensibilidade do pedal de freio logo que o carro sai da inércia, bem como da falta da tração integral na hora de pisar no acelerador com vontade. Dependendo da aderência do asfalto, as rodas podem destracionar mesmo acima dos 60 km/h, com o controle de tração ligado ou desligado.

Nos testes que o iG Carros realizou em pista fechada, notamos uma rolagem de carroceria adequada, boa resposta do volante e do acelerador, equilíbrio e previsibilidade . Aqui, as frequentes desgarradas dos pneus acabam exigindo cautela para que as velocidades em saídas de curva não fiquem comprometidas.

Oferecido em versão única, o E-J7 traz interior moderno, equipado com quadro de instrumentos totalmente digital e uma ampla tela para a central multimídia de 10,4 polegadas com integração a Android Auto e Apple CarPlay, que engloba os comandos do ar-condicionado, entre outras funções.

O sedã da JAC também conta com freio de estacionamento elétrico, teto solar, volante multifuncional e botão seletor de marcha, entre os principais equipamentos de série.

O espaço do carro elétrico para os ocupantes está bem dentro do esperado, com ótimo espaço para as pernas dos ocupantes e excelente espaço para os pés. Infelizmente, a caída do teto compromete o espaço para a cabeça dos ocupantes traseiros, principalmente da pessoa que vai no meio.

O acabamento tem qualidade superior quando comparado aos outros carros da marca, e se coloca como um sedã executivo, de fato. Vemos materiais macios, superfícies de material black piano e jogo de luzes, que conferem ar mais premium ao carro. Como nem tudo são flores, o meu porém para essa análise vai para a qualidade do sistema de som, que deixa a desejar para a categoria.

Conclusão

Máxima é limitada em 150 km/h, mas autonomia chega a 402 km, de acordo com a fabricante
Divulgação
Máxima é limitada em 150 km/h, mas autonomia chega a 402 km, de acordo com a fabricante

A evolução dos carros chineses não para de impressionar. Se antes eram mais em conta que os demais porque não tinham a mesma qualidade, hoje, podemos afirmar que chegaram ao patamar do custo-benefício competitivo.

Leia Também

Algo que intensifica ainda mais a situação é que estamos falando de um carro de porte médio para grande, elétrico, que anda mais que outros a combustão de carroceria similar, e que também se destaca pela boa autonomia.

Agora vamos tentar responder a pergunta que fizemos lá em cima: será que a comparação com os carros premium é mesmo a mais adequada para o E-J7?

Eu digo que só seria plausível comparar o JAC com BMW, Audi e Mercedes quando falamos, especificamente, de algum consumidor que não ligue tanto para status, nem para o m elhor acabamento possível , tampouco para as interfaces mais tecnológicas, mas que, ao invés disso, se importa ao máximo pela economia de dinheiro.

Sem nem precisar citar nomes, o JAC E-J7 é maior do que a maioria dos rivais de preço similar, tem melhor autonomia e mais desempenho. E o interesse geral pelos carros elétricos está aí, em franca ascensão, para favorecer as vendas do E-J7.

Ficha técnica – JAC E-J7

Preço: R$ 264.900

Motor elétrico: 193 cv e 34,7 kgfm; baterias de fosfato de ferro de lítio, 50,1 kWh

Câmbio: automático com tração dianteira

Direção: elétrica

Suspensão: McPherson (diant.), multilink (tras.)

Freios: disco ventilado (diant.), sólido (tras.)

Pneus: 215/55 R17

Dimensões: comprimento,477 cm; largura, 182 cm; altura, 151 cm; entre-eixos, 276 cm; peso, 1.650 kg; porta-malas, 590 l.

Desempenho: 0 a 100 km/h em 5,9 s e velocidade máxima de 150 km/h

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários