Blindagem dos híbridos e elétricos exige ainda mais cuidado, já que há mais cabos e sistemas eletrônicos
Divulgação
Blindagem dos híbridos e elétricos exige ainda mais cuidado, já que há mais cabos e sistemas eletrônicos

O mercado de veículos híbridos e elétricos ainda é majoritariamente voltado para um público de alto poder aquisitivo, então é até natural para os compradores destes veículos utilizar blindagem para ter uma segurança a mais dentro de seu carro, mas será possível blindar um veículo eletrificado?

Sim, apesar de existir diferenças entre modelos eletrificados e movidos a combustão, todos podem ser blindados , porém é necessário que a empresa que irá realizar a blindagem fique atenta a alguns pontos, como afirma Olavo Ehmke, sócio-diretor da Auto bunkers Defense.

Conforme o executivo, "muitas vezes o veículo híbrido ou elétrico tem motores em mais de uma posição. Há veículos que têm motor no compartimento do capô e outro no porta-malas. Assim acontece também com as baterias . Isso faz com que haja mais cabos e chicotes elétricos distribuídos pelo veículo e esta situação exige maior cuidado durante a blindagem, além de um projeto de balística exclusiva”, explica ele.

Ainda segundo o especialista, híbridos e elétricos não podem receber soldas ou processos que causem descargas elétricas no carro, fazendo com que o trabalho necessite além de profissionais especializados, uma estrutura diferenciada.

Ehmke também diz que, "inclusive, os veículos híbridos e elétricos devem permanecer isolados do solo com o uso de cavaletes de plástico ou borracha. Nestes veículos utilizamos a blindagem Aramid Gold que é uma tecnologia exclusiva de uma blindagem executada em manta aramida e dispensa peças em aço”, conclui ele.

Também é preciso ter mais atenção na blindagem de híbridos e elétricos para não provocar descargas de energia
Divulgação
Também é preciso ter mais atenção na blindagem de híbridos e elétricos para não provocar descargas de energia

Quando se fala em blindagem e carros elétricos e híbridos, muito se pensa em peso, seja o da própria blindagem e principalmente das baterias. Para efeito de comparação, um dos líderes do segmento de híbridos no Brasil, o Toyota Corolla , é 35kg mais pesado que a versão à combustão equivalente.

Nos modelos elétricos, o peso aumenta 346 kg no caso do Volvo XC40 , que era vendido com motor 2.0 a gasolina em 2021 e atualmente só é ofertado na variante 100% elétrica. Apesar dos motores elétricos serem mais simples e mais leves, esse peso a mais vem das baterias, que geralmente, ficam no assoalho do carro, para diminuir o centro de gravidade do veículo.

No caso da blindagem, Olavo diz que o aumento de peso é de 145 kg em veículos sedans e entre 165 e 195 no caso de SUVs , e que a autonomia dos veículos é reduzida entre 4 e 6%. Segundo o especialista o peso poderia ser ainda maior, se não fosse a tecnologia Aramid, que é em média 50 kg mais leve que a convencional.

O executivo diz que os eletrificados já representam 8% do mercado de veículos blindados, e conforme eles se popularizam, a tendência é aumentar essa participação no mercado. O especialista ainda afirma que os modelos mais procurados para blindar são os da Toyota , Volvo e BMW , e a procura é lógica, devido ao sucesso dessas fabricantes no mercado de eletrificados no Brasil.

A tendência é que os modelos eletrificados ampliem sua participação no mercado, já que cada vez mais as marcas de luxo passam a oferecer apenas versões híbridas e elétricas de seus modelos e as montadoras “comuns” também irão oferecer estes veículos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários