Quando você pensa que a Mitsubishi atingiu o fundo do poço, aparece mais uma (péssima) novidade

Ser presidente de montadora de automóvel não tem sido uma profissão muito saudável. Não tanto pelo cargo, mas pelas decisões estúpidas e irresponsáveis que alguns de seus ocupantes tomam de vez em quando.

Martin Winterkorn, ex-presidente da VW. A cara dele diz tudo.
AP/Richard Drew / IG Arte
Martin Winterkorn, ex-presidente da VW. A cara dele diz tudo.

Em setembro de 2015, Martin Winterkorn (acima), ex-chefão da Volkswagen , dançou depois da descoberta de uma fraude envolvendo 11 milhões de carros da marca com motores diesel. Os cientistas do mal da VW desenvolveram um sistema que, desde 2009, camuflava as emissões do poluente óxido de nitrogênio em níveis 40 vezes superior do que a lei americana permitia. Veja os detalhes deste escândalo aqui .

No começo desta semana o governo alemão intimou a FIAT e a Opel (braço europeu da Chevrolet ) a prestar esclarecimentos sobre fortes suspeitas de manipulação no resultado de emissões de poluentes em seus carros. Leia mais aqui

Tetsuo Aikawa presidente (por pouco tempo) da Mitsubishi, admitindo a fraude.
Reuters / iG Arte
Tetsuo Aikawa presidente (por pouco tempo) da Mitsubishi, admitindo a fraude.

Ontem foi a vez de Tetsuro Aikawa (acima), presidente da Mitsubishi, com data marcada de 24 de junho para sair, fazer o mesmo caminho da vergonha percorrido por Cercei Baratheon da série “Game of Thrones” . A montadora japonesa não é estranha a fraudes e mentiras, ao contrário, possui uma ficha corrida extensa de escândalos de acobertamento de defeitos nos seus carros.

Em 2004 a Mitsubishi admitiu ter escondido, desde 1977, relatórios sobre dezenas de sistemas de seus carros que apresentavam graves problemas como: freios que falhavam, vazamentos de gasolina e câmbios que não funcionavam, entre outros. Em 2008 a Mitsubishi fechou suas operações na Austrália. Em 2012 foi a vez de terminar suas operações na Europa e no final de 2015 fechou sua fábrica nos Estados Unidos.

Em abril deste ano outro escândalo: a Mitsubishi  admitiu ter mentido sobre a eficiência de economia de combustível em mais de 600.000 carros vendidos no Japão e que isso vinha ocorrendo desde 1991. Semana passada a Nissan assumiu o controle da Mitsubishi, leia detalhes aqui .

Quer continuar se divertindo? Leia nossa matéria sobre  10 mega escândalos da indústria automotiva.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.