Tamanho do texto

Entre as novas definições, destaca-se o fim dos 30 pontos percentuais de IPI para carros importados e mais itens de segurança nos carros

Fábrica da Jaguar Land Rover em Itatiaia (RJ) também vai se adequar ao novo regime automotivo, a partir de 2018
Divulgação/Jaguar Land Rover
Fábrica da Jaguar Land Rover em Itatiaia (RJ) também vai se adequar ao novo regime automotivo, a partir de 2018

Depois de passado por uma das maiores crises da sua história, a indústria automotiva no Brasil está cansada de viver de altos e baixos e da falta de planejamento. Por isso, a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos) propõe um novo regime automotivo a partir de janeiro de 2018 baseado em uma série de medidas para o desenvolvimento do setor e estabelecer um planejamento de longo prazo que viabilize os tão necessários investimentos para que a indústria nacional se desenvolva como um todo.

LEIA MAIS:   Ressaca da crise está chegando e os lançamentos vão rarear nos próximos anos

De acordo com o presidente da Anfavea, Antônio Megale, "nós (a índústria automotiva) sempre vivemos de curto prazo porque nunca tivemos um planejamento de longo. Para que haja investimentos é preciso ter um tempo de maturação e de previsibilidade", disse ele. E a chamada Rota 2030, como tem sido chamado o novo regime automotivo , vem com objetivo de tornar a indústria automotiva no Brasil mais competitiva diante de outros mercados, o que vai favorecer a exportação e a qualidade dos produtos que serão oferecidos no País em vários aspectos, entre os quais segurança, eficiência energética, desempenho e relação entre custo e benefício.

São várias as propostas apresentadas pela Anfavea ao Governo Federal, que se baseam em nove pilares:
-recuperação da base de fornecedores
- localização de tecnologia
-relações trabalhistas
- eficiência energética
- Pesquisa e desenvolvimento
- segurança
- inspeção veicular
- logística
- tributação

Principais medidas

Fábrica da Fiat em Betim (MG), responsável pela maior parte dos carros da marca no Brasil
Divulgação/Fiat-Chrysler
Fábrica da Fiat em Betim (MG), responsável pela maior parte dos carros da marca no Brasil

Entretanto, destacam-se alguns pontos mais importantes. Um deles é o fim dos 30 pontos percentuais de IPI para carros importados, que vai acabar no início de 2018, talvez de forma gradual, o que ainda não foi definido. " De qualquer forma, o modelo baseado na maior exposição do Brasil no comércio mundial é o mais promissor e não o voltado apenas ao consumo", comentou Megale. Com isso, o preço de alguns modelos vindos de outros países deve baixar. Além disso, estão estudando uma simplificação na cobrança de impostos e na redução de IPI de carros híbridos e elétricos que não são fabricados no Brasil, entre os quais o Toyota C-HR, que deverá ser importados da Turquia.

LEIA MAIS: O mercado de importados vão renascer no Brasil em 2018 e isso é bom para todos

Outro item interessante das propostas da Rota 2030 fica por conta da visão de longo prazo do que deverá ser equipamento de segurança nos carros. Um dos novos itens será o controle eletrônico de estabilidade, que será obrigatório no Brasil a partir de 2020 para modelos zero-quilômetro inéditos ou que passarem por grandes mudanças. E em 2022 para todo e qualquer carro novo que sair das linhas de montagens das fabricantes.

O que também está sendo avaliado é fazer uma inspeção veicular bem feita na frota nacional já que os dados ligados à frota circulante sem condições de trafegar com segurança são alarmantes no Brasil. Apenas na cidade de São Paulo, a maior do País, de acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), são feitas 700 intervenções em veículos com problemas mecânicos por dia, o que dá 35 mil unidades por ano. Outro dado impressionante é que entre 20% e 30% da frota paulistana é ilegal, ou seja, não está com os tributos em dia, cheia de multas e sem condições adequadas.

A agenda proposta pela Anfavea é bem extensa e tem levado a reuniões semanais com o governo para chegar a um denominador comum. As primeiras definições do novo regime automotivo, que começam a entrar em vigor em janeiro do ano que vem, deverão ser anunciadas no final de agosto. E além do que já foi comentado até agora também deverá ser definida mais rapidamente a questão dos incentivos à pesquisa, desenvolvimento e engenharia. É importante que a formação acadêmica, o ensimo técnico, o intercâmbio profissional dentre diversos outros pontos tenham papel fundamental para o desenvolvimento para o profissional do futuro no Brasil.

LEIA MAIS:  Febre os SUVs é só modinha ou é uma tendência que veio para ficar?

Conclusão

As propostas da chamada Rota 2030 são bastante extensas e abrangentes e buscam passar a limpo do setor automotivo nos próximos anos em busca de competitividade diante do mercado global e na qualidade dos produtos oferecidos no Brasil. Além disso, procura estabelecer uma certa previsibilidade para atrair investimentos e conquistar a confiança como um todo. Porém, será necessário um grande esforço por parte do governo e de toda a cadeira automotiva para que as mudanças necessárias se viabilizem.

Até mesmo a polêmica questão de renovação de frota foi abordada nas propostas do novo regime automotivo, baseada no uso da sucata para fomentar a indústria da reciclagem. Resta saber se haverá o engajamento necessário e as mudanças de cultura no País, para que o Brasil volte a ocupar um lugar de destaque entre os cinco principais mercados de veículos no mundo com o novo regime automotivo, a partir do início de 2018.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.