Tamanho do texto

Além da nova versão com capota removível, modelo recebe uma série de melhorias para aumentar sua eficiência energética, diz a fabricante

BMW i8: versão sem capota do roadster elétrico também vem com portas abertas para acima, assim como o cupê
Divulgação
BMW i8: versão sem capota do roadster elétrico também vem com portas abertas para acima, assim como o cupê

Uma das três marcas que compõem a tríplice alemã revela seu principal esportivo elétrico, o BMW i8, agora na configuração roadster. A união entre tecnologia do futuro e prazer ao dirigir, que vento no rosto proporciona, nunca antes estiveram tão relacionados. Além disso, a versão cupê apresenta melhorias para atualizar o ícone esportivo quando o assunto é desempenho, potência e autonomia.

LEIA MAIS: Conheça quais são os 6 carros elétricos e híbridos disponíveis no Brasil

Sem mudanças no sistema híbrido plug-in, na estrutura de alumínio e na carroceria de fibra de carbono, os destaques vão para a bateria, que agora tem mais potência para impulsionar o BMW i8 , aumentando dos 131 cv anteriores para 143 cv. Enquanto isso, seu motor 1.5 litro, de três cilindros, turboalimentado, agora chega nos 231 cv (ante os antigos 228 cv). Com a potência combinada de 374 cv, o "foguete" é capaz de ir de 0-100 km em 4.2 segundos e atingir os 250 km/h de velocidade máxima, limitada eletronicamente.

LEIA MAIS: BMW i3: como é a vida andando de elétrico em São Paulo

Potente, econômico, prático e divertido

Um dos fatores que contribuem tanto para o aumento de desempenho quanto para a redução do consumo de combustível é que a velocidade máxima apenas com motor elétrico passou de 70 km/h para 105 km/h, já que, acima disso, o motor a combustão entra em ação automaticamente. O rendimento do roadster comparado ao cupê é minimamente inferior, podendo ser considerados, ainda sim, os números que apresenta.

LEIA MAIS: Ford lança Fusion Hybrid renovado no Brasil com foco na economia 

A tecnologia aplicada ao BMW i8 Roadster vem dos conhecimentos adquiridos pela versão conversível da Série 4, de quem partilha muitos componentes relacionados à capota, aos mecanismos de subida e descida, bem como o procedimento dessas ações. Seu teto pode ser erguido em velocidades de até 50 km/h e demora 15 segundos para se encaixar por completo em seu compartimento superior, mostrando-se bastante prático. As duas versões do elétrico serão apresentadas no Salão de Los Angeles (EUA), em meados de janeiro, reunindo as mais ansiosas expectativas do público dos “carros do futuro”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.