Tamanho do texto

Cinco modelos que revolucionaram seus segmentos, inspirando lançamentos e estratégias até os dias de hoje

Não há nada de novo sob o sol. Pelo menos até que alguém tenha uma boa ideia que, em seguida, dará origem a uma série de evoluções. Isso não é diferente no setor automotivo, que segue uma linha baseada em revoluções de segmentos. Sabe aquele carro que você gosta tanto? Ele pode ter se originado de uma única boa ideia no passado. Seguindo este raciocínio, a reportagem do iG Carros elege os cinco carros que revolucionaram seus segmentos para todo o sempre.

LEIA MAIS: Equipamentos populares que integravam apenas carros de luxo

1 - Ford EcoSport (2003 - 2011)

Ford EcoSport: inaugurou o segmento que hoje tem quase 25% de participação entre os carros vendidos no Brasil
Divulgação
Ford EcoSport: inaugurou o segmento que hoje tem quase 25% de participação entre os carros vendidos no Brasil

O Ford EcoSport praticamente inaugurou a receita de sucesso que Honda, Jeep e Nissan seguem nos dias de hoje: utilizar a plataforma de carros compactos, a exemplo do Fiesta, para criar SUVs. O projeto recebeu sinal verde em Camaçari (BA) em 2003, e o utilitário compacto mais vendido do Brasil por quase uma década finalmente saiu do papel para ganhar as ruas.

Depois dele vieram Chevrolet Tracker, Renault Duster e companhia, ainda no início dessa década. Curioso mesmo é analisar o tempo que o EcoSport ficou sozinho no segmento de SUVs compactos. Foram muito anos até que Honda HR-V, Nissan Kicks, Jeep Renegade e Hyundai Creta viessem na bota. Uma verdadeira revolução entre os modelos compactos. Entretanto, hoje em dia, o EcoSport vem perdendo participacão no segmento, à espera da nova geração, que será baseada no Kuga, sem o polêmico estepe na traseira.

2 - Honda Civic (2007 - 2011)

Honda Civic: design elegante e interior refinado compunham a receita. Destaque também para a versão Si
Divulgação
Honda Civic: design elegante e interior refinado compunham a receita. Destaque também para a versão Si

O segmento de sedãs médios já era bem sólido na metade da década passada, mas ele nunca mais foi o mesmo depois da chegada do Honda Civic de oitava geração. Apostando em um design ainda mais sofisticado e luxuoso, e contando ainda com aquele belo painel em dois andares, o Honda virou muito pescoço por aí. Se transformou rapidamente em um objeto de desejo, superando o principal rival, Toyota Corolla, nas vendas.

LEIA MAIS: Honda Civic volta a recuperar segunda posição entre os sedãs mais vendidos

Nos anos seguintes, todas as marcas queriam um Honda Civic para chamar de seu. O exemplo mais curioso é o da Kia, que se inspirou fortemente no design do sedã japonês para lançar o Cerato. O Corolla também precisou correr atrás, bem como Jetta e o sofisticado Citroën C4 Pallas que surgiu no mesmo ano. Até hoje, esta geração é lembrada com muito carinho pelos hondeiros de plantão como o melhor Civic da história, embora a atual geração tenha seguido o estilo revolucionário da oitava geração e tem feito sucesso.

3 - Toyota Prius (1997 - 2004)

Toyota Prius: a história de sucesso que transformou o híbrido em um ícone inspirou as rivais a investirem no segmento
Divulgação
Toyota Prius: a história de sucesso que transformou o híbrido em um ícone inspirou as rivais a investirem no segmento

Acha que a investida mais barata para o mundo dos carros híbridos é coisa recente? Nada disso. O Toyota Prius foi lançado no Japão em 1997, chegando ao resto do mundo em 2001. De início, a ideia de um carro que funciona com dois motores (um elétrico, outro a combustão) assustou um pouco, mas o Prius perseverou e já atingiu o posto de carro híbrido mais vendido do mundo.

Carros híbridos ainda não são o forte do brasileiro, mas o Prius já mostrou a que veio. Em setembro do ano passado, ele vendeu mais que o Volkswagen Golf nacional, atingindo um feito histórico. Em resposta, a Volkswagen diz que trará versões híbrida e elétrica do Golf para o Brasil. O tempo dirá o resultado, mas se a marca alemã tomou a atitude, foi por conta do sucesso do Prius, que já tem uma família em vários países e deverá ter um  dos integrantes fabricados no Brasil com motor elétrico e outro a etanol. 

4 - Fiat Toro (2015 - presente)

Fiat Toro: a picape intermediária mais vendida do Brasil, tem sido um sucesso que levou outras marcas a terem algo parecido
Divulgaçãoo
Fiat Toro: a picape intermediária mais vendida do Brasil, tem sido um sucesso que levou outras marcas a terem algo parecido

Tudo bem, a Renault Duster Oroch chegou primeiro e inaugurou o segmento das picapes intermediárias. O objetivo era preencher a lacuna existente entre compactas (Saveiro, Strada, Courier) e as médias (Hilux, Amarok, S10). Mas foi a Fiat Toro quem realmente se deu bem nessa brincadeira, dominando completamente a categoria. Ela chega a vender mais até que a Saveiro, menor e mais barata.

O sucesso da Toro chamou a atenção de todas as concorrentes. A Volkswagen, por exemplo, pretende ocupar a lacuna entre Saveiro e Amarok com uma picape feita nos moldes do SUV T-Cross, que chegará entre o fim do ano e o início de 2019. A Chevrolet também está se movendo para renovar a Montana e deixá-la mais competitiva. Há também a Hyundai, que mantém a ideia de lançar uma versão de produção do modelo conceitual Creta STC mostrado no Salão do Automóvel de 2016, com estilo arrojado que chamou bastante atenção do público.

5 - Volkswagen Golf GTI (1975 - 1982)

Volkswagen Golf GTI da primeira geração foi o primeiro hot hatch a fazer sucesso no mundo,  em meados dos anos 70
Divulgação
Volkswagen Golf GTI da primeira geração foi o primeiro hot hatch a fazer sucesso no mundo, em meados dos anos 70

Mais um caso de carro que não inaugurou seu segmento,mas que deu o ponta pé inicial para o sucesso da ideia. Quem começou com a ideia de fazer um compacto andar mais rápido foi Carlo Abarth com o Fiat 500 em 1968. A pimentinha de bolso, entretanto, tinha motor e tração na traseira. Algo que, como você bem sabe, não foi para frente entre os hatches. Até que veio a ideia de fazer uma versão esportiva do Golf de primeira geração, ainda em 1975, batizada como GTI.

LEIA MAIS: VW Golf GTI MK 4,5 é a versão quase desconhecida de 193 cv de potência

Se hoje nós podemos acelerar carros como Renault Sandero RS, Citroën DS3 e Suzuki Swift Sport e até mesmo a última geração do GTI, devemos tudo ao carismático Golf de primeira geração. Pena que os hatches esportivos são tão caros aqui no Brasil, fazendo com que as fabricantes invistam cada vez menos no segmento que segue rumo à extinção, pelo menos no Brasil. Lembra de mais algum carro que foi revolucionário, ou discorda de algum item da nossa lista? Deixe sua opinião nos comentários mais abaixo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.