Tamanho do texto

Como parte dos planos de ser líder de mercado no País até 2020, marca poderá ter carros desenvolvidos especialmente pela engenharia nacional

Volkswagen Taigun: SUV menor que o T-Cross chegou ter projeto engavetado, mas agora pode voltar à tona no Brasil
Divulgação
Volkswagen Taigun: SUV menor que o T-Cross chegou ter projeto engavetado, mas agora pode voltar à tona no Brasil

A hegemonia da Volkswagen no Brasil era tamanha nos anos 70 e 80 que havia modelos desenvolvidos no País, como Brasilia, SP2, Parati e Saveiro. Agora, com a nova fase de retomada dos investimentos, que vão somar R$ 7 bilhões até 2020, uma das possibilidades é volta dos carros pensados, desenvolvidos e feitos pela engenharia nacional. Durante o anúncio do início da fabricação do SUV T-Cross em São José dos Pinhais (SP),  no último dia 3, a reportagem de iG Carros ouviu do presidente da VW do Brasil, América do Sul, Central e Caribe, Pablo Di Si, que é possível que a marca volte a reviver essa fase.

LEIA MAIS: Volkswagen confirma lançamento do SUV T-Cross no início de 2019

O que reforça essa tese é que o novo comando da matriz Volkswagen deu mais autonomia às regiões nas quais ficaram divididas as atividades da marca no mundo. E se o mercado brasileiro continuar crescendo no mesmo ritmo de março, quando houve alta de 15,6% em relação ao mesmo mês de 2017, além do T-Cross, a marca pode vir a fabricar um outro carro no Paraná, sobre a mesma base MQB, mas inédito, com características que mais de encaixam à situação e ao gosto do mercado brasileiro. Ou seja, pode ser o SUV menor que o T-Cross, uma ideia materializada pelo protótipo Taigun, que chegou a ser mostrado no Salão do Automóvel de 2012, foi engavetado e pode voltar à tona.

Porém, o  projeto original do Taigun deverá passar por algumas alterações. Já começa com a parte estrutural, cuja arquitetura deve deixar de ser a NSF (a do Up!) e passar a ser a MQB (a mesma do Polo). Além disso, o carro poderá ter novo tamanho. As apostas recaem para algo um pouco menor que 4 metros. E apesar de pequeno, a estatégia do novo SUV é de oferecer tecnologias já presentes na dupla Polo e Virtus, como o cluster digital e configurável e motores sobrealimentados.

LEIA MAIS: Volkswagen revela primeiras imagens do Tarek, futuro rival do Jeep Compass

 Made in Brazil

VW Brasilia: um dos símbolos dos projetos da marca desenvolvidos, projetados e fabricados no Brasil
Divulgação
VW Brasilia: um dos símbolos dos projetos da marca desenvolvidos, projetados e fabricados no Brasil

 Além das peruas Brasilia e Parati, a Volkswagen do Brasil chegou a projetar, desenvolver e fabricar outros carros de sucesso no País, como o esportivo SP2 e a picape Saveiro, que continua em linha até hoje. A Brasilia foi feita com a mesma base do Fusca. Lançada em 1974, ficou em produção até 1982 e chegou a ter versão de quatro portas, de luxo, com carpete no assoalho, relógio no painel, entre outros itens que não eram tão comuns nos idos dos anos 80 no Brasil.

LEIA MAIS: Nasce o Volkswagen Atlas Tanoak conceitual, uma picape maior que a Amarok

A Parati veio em 1983 e ficou até 2012. Teve várias séries especiais e versões, entre as quais Crossover 1.0 turbo, GTI 16V e até feita em parceria com grife de moda esportiva, a Track & Field. Era um dos carros preferidos dos jovens e das mamães que buscavam seus filhos na escola. Houve também o esportivo SP2, considerado por publicações estrangeiras o Volkswagen mais bonito do mundo. E a picape Saveiro chegou em 1981, com motor refrigerado a ar, foi evoluindo e ainda faz parte da linha atual da Volkswagen .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.