Tamanho do texto

Com acordo, ambos os países terão controle de estabilidade e tração como equipamento obrigatório a partir de 2020

Brasil e Argentina terão acordo de convergência do mercado automotivo, incluindo a adoção do controle de estabilidade
Divulgação
Brasil e Argentina terão acordo de convergência do mercado automotivo, incluindo a adoção do controle de estabilidade

Os ministros da Indústria do Brasil e da Argentina, Marcos Jorge e Dante Sica, participaram de uma cerimônia para a efetivação do acordo de convergência regulatória do mercado automobilístico em ambos os países. Trata-se de um acordo para unificar os procedimentos adotados na fabricação de automóveis.

LEIA MAIS: Entenda o Rota 2030, novo regime automotivo do Brasil

“Queremos possibilitar que as equipes brasileiras e argentinas trabalhem juntas, para que tenhamos regulamentos similares no setor automotivo”, diz o ministro Marcos Jorge, que espera novos investimentos com o alinhamento de interesses entre os países. Entre eles, a adoção obrigatória do controle de estabilidade (ESP).

LEIA MAIS: Veja os 5 hatches compactos que menos desvalorizam no Brasil

Brasil e Argentina nunca estiveram muito alinhados na fabricação de automóveis, como se espera das duas maiores potências do Mercosul que abastecem boa parte do mercado latinoamericano. Um levantamento publicado pelo site argentino Âmbito diz que carros brasileiros dominaram 60% do mercado argentino em 2017. Deste número, parte a importância do acordo de convergência entre os dois governos.

A importância do controle de estabilidade

O controle de estabilidade é totalmente obrigatório na Europa desde novembro de 2014
Divulgação
O controle de estabilidade é totalmente obrigatório na Europa desde novembro de 2014

Um bom exemplo sobre como o acordo entre Brasil e Argentina é importante está justamente na obrigatoriedade do controle de estabilidade e tração. O equipamento, que já é totalmente obrigatório na Europa desde 2014, deveria ser requisito mínimo para os carros argentinos ainda em 2018. Antes mesmo do acordo, o governo Macri já havia declarado que a medida de adotar o ESP como equipamento obrigatório seria postergada para 2020.

LEIA MAIS: Com chances de vir ao Brasil, Renault Kwid elétrico é lançado na Índia

O ESP, ou simplesmente controle de estabilidade e tração - funciona por meio de sensores e modulo eletrônico formando um sistema que evita derrapagens e saídas de frente e traseira, ajudando a manter o carro sob controle em pisos escorregadios ou quando existe um certo abuso da velocidade nas curvas. Atua cortando a potência do motor e freando cada roda individualmente, para gerar força oposta no lado que está derrapando.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.