Tamanho do texto

Para-choques diferenciados, rodas pintadas e muitos adesivos. Confira quais são os destaques entre os modelos que fingem esportividade

Pode não parecer, mas os brasileiros já foram muito afortunados na questão da disponibilidade de esportivos legítimos ao longo das décadas. Nos anos 70, os grandes devoradores de asfalto eram os belos Maverick GT, Opala SS e Charger R/T. A década de 1980 foi marcada por Gol GTI, Escort XR-3 e companhia. A abertura das importações nos anos 90 também nos proporcionou os belos Civic VTi, Golf GTI e Tipo Sedicivalvole. Depois disso, tivemos uma enxurrada de esportivos de adesivo.

LEIA MAIS: Veja 5 carros que vendem pouco, mas continuam sendo boas opções

Apesar dos ótimos Suzuki Swift Sport, Citroën DS3 e Fiat 500 Abarth que encantavam as nossas vidas nos últimos anos (infelizmente, todos descontinuados), algumas fabricantes decidiram investir nos chamados “ esportivos de adesivo ”. Afinal, por que gastar alguns torrões de dinheiro em engenharia se é possível adesivar e trocar as rodas do seu modelo convencional? Em mais uma lista, a reportagem do iG Carros elege cinco modelos cujo a proposta esportiva parava no visual.

5 - Renault Sandero GT-Line

Renault Sandero GT-Line: o esportivo de adesivo da marca francesa foi um dos deslizes antes do ótimo Sandero R.S.
Divulgação
Renault Sandero GT-Line: o esportivo de adesivo da marca francesa foi um dos deslizes antes do ótimo Sandero R.S.

A Renault tem um forte legado no mundo do automobilismo, incluindo uma vitória nas 24 Horas de Le Mans de 1978, com o Alpine A442. Em sua história recente, podemos mencionar a sua equipe de Fórmula 1. Nas ruas europeias, os grandes sucessos são os emblemáticos Megane RS, Clio RS e Twingo GT, contando também com o ótimo Sandero R.S, fabricado no Brasil. É uma pena que, no meio de todos esses esportivos, tenhamos o “adesivado” Sandero GT-Line.

No lugar do acerto rígido na suspensão do modelo R.S, um conjunto molenga; invés do motor 2.0 de 150 cv, apenas o 1.6 convencional de 118 cv. A versão GT-Line contava apenas com para-choque exclusivo, rodas de 16 polegadas com desenho rebuscado e retrovisor com capa em grafite, nada mais. A marca ainda incluiu o logo da divisão esportiva Renault Sport na animação da central multimídia, como se o Sandero GT-Line pudesse entregar algo a mais.

4 - Fiat Uno Sporting

Fiat Uno Sporting: longe de continuar o legado do Uno Turbo, esportivo de adesivo é um grande fracasso da marca
Divulgação
Fiat Uno Sporting: longe de continuar o legado do Uno Turbo, esportivo de adesivo é um grande fracasso da marca

Entre em nossa máquina do tempo, pois voltaremos ao longínquo ano de 1994. O mercado brasileiro esquentava com a chegada de novos hatches esportivos, e a Fiat decidiu tomar uma decisão extrema. Eis que chega o Uno Turbo, o primeiro modelo da marca italiana com esse tipo de compressor. Além do ótimo desempenho - com 118 cv e 17 kgfm de torque - e boa dinâmica para curvas, ele se beneficiava do design descolado disponível em três cores: amarelo, vermelho e preto.

LEIA MAIS: Veja 5 SUVs que estarão no Salão do Automóvel de São Paulo

Duas décadas depois, o Uno Sporting incluiu alguns poucos atributos do Turbo. O para-choque foi redesenhado, ficando ainda mais próximo ao chão, e o acabamento interno ganhou novos detalhes exclusivos. O motor era o mesmo 1.4 utilizado na Strada Adventure, com apenas 88 cv de potência. Pouco empolgante, não durou muito tempo nas lojas.

3 - Ford Fiesta Sport

Ford Fiesta Sport: o esportivo de adesivo continuava se destacando por uma boa dirigibilidade
Divulgação
Ford Fiesta Sport: o esportivo de adesivo continuava se destacando por uma boa dirigibilidade

A Ford manteve um legado entre os anos 70 e 90. Como mencionamos, o Maverick GT era um dos carros favoritos dos jovens que já estão com alguns cabelos brancos nos dias de hoje. O Escort XR-3, por sua vez, é lembrado por ter sido o esportivo predileto dos playboys, contando até com uma belíssima versão conversível. Eis que chega o longo hiato entre 1996 e 2018, correspondendo ao tempo em que o XR-3 saiu de linha até a chegada do Mustang.

Foram 22 longos anos até que a Ford voltasse a vender esportivos no Brasil, mas algumas versões “adesivadas” acabaram aparecendo nas concessionárias em certos períodos. Um exemplo recente é o Fiesta Sport, que trazia body-kit esportivo sob a mesma base do modelo 1.6 Sigma, de 128 cv e 16 kgfm de torque. Apesar de ser muito legal de dirigir com o câmbio manual bem acertado, estava longe de ser um esportivo legítimo. Rodas pintadas de preto, para-choque e defletores de ar eram equipamentos exclusivos.

2 - Chevrolet Onix Effect

Chevrolet Onix Effect: baseado no conceito Track Day de 2014, modelo é um dos esportivos de adesivo
Divulgação/General Motors
Chevrolet Onix Effect: baseado no conceito Track Day de 2014, modelo é um dos esportivos de adesivo

Entre os vários conceitos apresentados pela Chevrolet no Salão do Automóvel de 2014, o que mais encantou os apaixonados por velocidade foi o esportivo Onix Track Day. O time de engenharia da GM fez um estudo sobre como o hatch compacto ficaria quando equipado com o 1.8 do Cruze. Somando o motor à uma recalibração na injeção eletrônica, novo filtro de ar de alto fluxo e escapamento 100% em aço inox, o Onix Track Day passou a entregar mais de 150 cv. Evidentemente, o projeto ficaria muito caro e poucas pessoas realmente acreditaram que o modelo veria a luz do dia.

Aos que ficaram chupando o dedo com o visual esportivo, a marca lançou a versão Effect no ano seguinte. Seguindo a receita de todos os modelos mencionados anteriormente, a GM instalou lanternas fumê, para-choque e saias laterais, spoilers e rodas escurecidas. O conjunto mecânico era o mesmo da versão 1.4 LTZ, com 106 cv e 13,9 kgfm de torque.

1 - VW Fox Pepper

Volkswagen Fox Pepper: com motor do modelo convencional, a versão se enquadra entre os esportivos de adesivo
Divulgação
Volkswagen Fox Pepper: com motor do modelo convencional, a versão se enquadra entre os esportivos de adesivo

É difícil fazer uma lista sobre os esportivos mais legais que já tivemos no Brasil sem citar Gol GTI, Passat GTS e Golf VR6. Em meados de 2006, a Volkswagen chegou a trazer um pequeno lote do Polo GTI para o Brasil. Além do motor 1.8 turbo de 150 cv, o modelo se diferenciava por ter apenas duas portas - estima-se que apenas um Polo GTI veio para o Brasil com a opção de cinco portas.

LEIA MAIS: Conheça os 5 SUVs movidos a diesel mais econômicos do Brasil

Mas até a marca alemã tem os seus deslizes. O Fox Pepper é a prova de que a Volkswagen também sabe fazer esportivos de adesivo . A inspiração clara era o Golf GTI, com um detalhe vermelho percorrendo a grade dianteira até os faróis. Por dentro, os arremates cromados nas saídas de ar foram pintados de vermelho para deixar o Fox um pouco mais apimentado. O motor, por outro lado, era o 1.6 MSI de 120 cv de potência e 16,8 kgfm de torque (o mesmo que equipa o Polo).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.