Tamanho do texto

Ferramentas analógicas, motores grandes e até mesmo faróis de neblina estão na zona da degola. Confira a lista completa

No passado, ter um aparelho de TV a cabo era um prestígio da parcela mais afortunada da população. O item foi ganhando as casas dos brasileiros com o tempo, e já cai no esquecimento de muitos assinantes que sequer ligam a televisão durante a semana. As operadoras de TV por assinatura também sofrem com a ascensão dos serviços de streaming e a profissionalização do conteúdo no YouTube. Com alguns entre os equipamentos de carros, a história é parecida.

LEIA MAIS: Veja 5 SUVs médios que estão prestes a serem vendidos no Brasil

A indústria evoluiu para que todos os automóveis tivessem equipamentos como luz de neblina, estepes de roda convencional e motores grandes e potentes, mas as coisas estão mudando com mais velocidade na última década. Com isso em mente, a reportagem do iG enumera cinco equipamentos de carros que estão para cair no esquecimento em alguns anos.

1 - CD Player

Entre os equipamentos de carros, o CD Player deverá ser extinto em breve em todos os carros produzidos em série
Divulgação
Entre os equipamentos de carros, o CD Player deverá ser extinto em breve em todos os carros produzidos em série

Os saudosos tocadores de CDs ainda aparecem em alguns veículos, mas estão no caminho do ostracismo conforme a evolução de novas tecnologias. De início, surgiram as entradas USB para pen drive e conexões para outros dispositivos. Quem buscava mais praticidade partiu para os cabos auxiliares, facilmente conectados nas saídas de fones de ouvido de qualquer aparelho. Atualmente, além de serviços de streaming como Deezer e Spotify, os tocadores de CDs também competem com Apple CarPlay e Android Auto.

O fim dos CD Players é algo natural, antecipado há muito tempo pela indústria. A Ford dos Estados Unidos, por exemplo, já anunciou que seus modelos novos não contarão mais com este recurso. Se você curte ouvir música enquanto dirige, parta logo para alguma plataforma de streaming .

2 - Faróis de neblina

Mercedes-Benz Classe A é um dos que já abdicaram ao farol de neblina entre os equipamentos de carros
Divulgação
Mercedes-Benz Classe A é um dos que já abdicaram ao farol de neblina entre os equipamentos de carros

É normal que alguns leitores apareçam nos comentários de avaliações de modelos alemães e questionem: ué, o carro não tem farol de neblina?   Sim, e parece que isso vai virar tendência entre os carros germânicos daqui pra frente. Mercedes-Benz Classe A , Porsche 911 e Audi Q3 já entraram na moda, mas isso não significa que seu caminho ficará menos iluminado.

LEIA MAIS: Veja os 5 sedãs compactos mais baratos do Brasil

Para o engenheiro Lothar Werninghaus, da Audi, a evolução dos faróis em LED são dotados de uma superfície complexa, capaz de desempenhar várias funções. Portanto, o mesmo conjunto de iluminação é capaz de desempenhar várias funções, suprindo a ausência do farol de neblina. Pode-se dizer que eles serão “integrados” aos faróis principais, e não completamente exterminados.

3 - Estepe convencional

Estepe convencional deverá ser extinto com o crescimento dos modelos temporários entre os equipamentos de carros
Divulgação
Estepe convencional deverá ser extinto com o crescimento dos modelos temporários entre os equipamentos de carros

Poucos carros trazem o saudoso estepe “definitivo” nos dias de hoje. A maior parte conta com o modelo do tipo temporário, sempre com limitações por conta de tamanho e diâmetro. Os pneus também surgem com dimensões diferenciadas, geralmente com larguras de seção bem reduzidas e perfis altos. São feitos especificamente para serem usados temporariamente em caso de danos nos pneus rodantes.

Normalmente, há um limite de 80 km de trajeto com velocidade máxima de 80 km/h. Isso impõe diversas limitações ao motorista, uma vez que ele terá que parar na estrada, efetuar a troca e procurar imediatamente por uma oficina para salvar o pneu avariado. Infelizmente, os estepes convencionais tendem a desaparecer em breve.

4 - Cluster analógico

Cluster analógico está com os dias contados entre os equipamentos de carros num futuro bem próximo
Divulgação
Cluster analógico está com os dias contados entre os equipamentos de carros num futuro bem próximo

Lembra do Monza Classic? Ele foi o primeiro modelo vendido no Brasil que contava com a marcação digital de velocidade, no lugar dos ponteiros convencionais. A tecnologia foi evoluindo, até se transformar nas telas que conhecemos nos dias de hoje. Mesmo os carros chineses já estão entrando na onda, surgindo com opções configuráveis no painel de instrumentos.

LEIA MAIS: Conheça os 5 carros híbridos mais sustentáveis do Brasil

Este equipamento não é mais restrito aos modelos premium. O Grupo Volkswagen, por exemplo, apresentou a tecnologia em meados de 2014 no cupê esportivo Audi TT. Levou apenas três anos para que a marca lançasse o dispositivo no Polo , um modelo compacto. A recente integração do cluster digital em modelos comerciais como o Peugeot Partner mostra que a tecnologia, em breve, poderá aparecer em mais veículos no Brasil.

5 - Motores grandes

Entre os equipamentos de carros, motores grandes serão exclusividade de carros de nicho
Divulgação
Entre os equipamentos de carros, motores grandes serão exclusividade de carros de nicho

Você já deve ter lido a palavra “downsizing” por aqui. O termo é utilizado para designar a extração de mais potência e torque de motores menores. Neste caso, há menor capacidade volumétrica e muitas vezes menos cilindros do motor. Isso coloca um ponto final na história dos motores grandes, uma vez que a indústria respondeu bem à nova tecnologia.

Os exemplos mais recentes estão nos novos motores de Volkswagen (MPI), Renault (SCe) e Fiat (Firefly), mas também podemos citar o 1.5 turbo da Honda (superior ao 2.0) e até mesmo o 2.5 turbo, de quatro cilindros, do Porsche Boxster GTS (substituindo uma unidade de seis cilindros em linha). No futuro, motores megalomaníacos ficarão restritos a veículos de nicho, como muscle cars e super esportivos entre os equipamentos de carros .