Tamanho do texto

Preço alto para o segmento acabou contribuindo com as baixas vendas do subcompacto no País. Modelo tem motor 1.0, de três cilindros

Kia Picanto
Divulgação
Kia Picanto GT Line: A única versão vendida por aqui, que trazia visual esportivo e equipamentos, mas baixo desempenho

A terceira geração do Kia Picanto acaba deixar o mercado no Brasil Com preços que chegavam a quase R$ 60 mil, o seu design e outros atributos modernos — como a central multimídia, chave presencial, volante multifuncional e bancos de couro — não foram suficientes para convencer o mercado, resultando em apenas 100 unidades trazidas na versão mais cara GT. Segundo a marca, o modelo não foi retirado do portfólio e, sim, teve as importações momentaneamente interrompidas em virtude da alta cotação do dólar.

LEIA MAIS: Veja 5 carros que você nem lembra que são vendidos no Brasil

Apesar do visual esportivo, o Kia Picanto vinha com o motor 1.0 flex, de 80 cv e câmbio automático, de quatro marchas. Por esse preço, seria menos injustificável a opção turbo, de 100 cv, que nunca foi oferecido no Brasil. Por outro lado, a sua ausência abre alas para modelos como o Kia Rio ocupar o posto de modelo de entrada da marca coreana, nas carrocerias hatch e sedã, antes do Kia Cerato , que é vendido a R$ 80 mil.

LEIA MAIS: Relembre 5 hatches que fracassaram no Brasil

Kia Rio virá ao Brasil?

Kia Rio
Divulgação
Kia Rio poderia ocupar o espaço deixado pelo Picanto. Mas será que virá ao Brasil?

O carro foi apresentado no Salão do Automóvel de SP 2018, já aparece na tabela do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) do Inmetro — onde constam duas versões do hatch: EX e LX, ambas com o motor 1.6 flex — e já foi flagrado diversas vezes rodando pelo País, mas segundo a própria fabricante, ainda permanece sem qualquer definição de vir pelo mesmo motivo do Picanto, a alta cotação do dólar, o que acaba deixando os preços pouco competitivos em relação aos principais concorrentes. 

LEIA MAIS: Saiba quais são os 10 carros menos vendidos no Brasil em 2018

Produzido na Coréia do Sul e no México, o modelo seria importado sem pagar imposto de importação ou sofrer com a sobretaxa do IPI (Imposto sobre produtos industrializados), graças ao acordo de livre comércio. No mercado mexicano, a principal motorização é o 1.6 16V, que com o nosso combustível, renderia algo em torno dos 125 cv e 16,5 kgfm. O câmbio pode ser tanto manual quanto automática, de seis marchas.

LEIA MAIS: Kia Sportage renovado fica com visual mais arrojado, mas mantém parte mecânica

Com câmbio manual, o Inmetro aferiu que as médias são de 7 km/l (cidade) e 9,4 km/l (rodovia) com etanol e 10,8 km/l (cidade) e 13,8 km/l (rodovia) quando abastecido com gasolina. Os números com transmissão automática são um pouco diferentes: com etanol são 7,2 km/l (cidade) e 9,3 km/l (rodovia). Com gasolina, os números sobem para 10,5 km/ (cidade) e 13,4 km/l (rodovia). Com isso, o consumo não seria muito diferente do Kia Picanto .