Tamanho do texto

Entre as fabricantes, estão a Volkswagen, BMW e Mini. Enquanto algumas das novidades estão próximas de chegar, outras já estão nas ruas

Volkswagen elétrico
Divulgação
Eis um dos patinetes elétricos criados por marcas de automóveis: o VW Streetmate. Repare no suporte para o celular

A busca por mobilidade e custo-benefício giram em torno dos veículos de duas rodas. Entre os quais scooteres, as bicicletas e os patinetes elétricos. Com isso em mente, as fabricantes de carros e motos já iniciaram as suas apostas nesse novo segmento de mercado.

LEIA MAIS: Conheça 5 apps de mobilidade no Brasil que valem a pena hoje em dia

Entre as marcas de motos, a Ducati acaba de lançar uma edição especial do scooter elétrico CUx, em parceria com a Vmoto. Indo para as fabricantes de carros, a Volkswagen anunciou novos projetos de patinetes elétricos com a chinesa Niu, uma start-up de veículos elétricos sediada em Changzou.

Batizado de Streetmate, a novidade foi apresentada pela marca alemã no ano passado como um conceito, movido por um motor de 2 kW e com autonomia para 35 km. Espera-se que chegará às lojas na China até o fim do ano.

Patinete e scooter elétrico do grupo BMW

patinete elétrico
Divulgação
Outro patinete elétrico, desta vez que pode oferecer mais praticidade que o da VW: o BMW X2City

No início do ano, a BMW lançou a nova geração do X2City, outro patinete elétrico, que pode chegar a 20 km/h e ser utilizado nas ciclovias europeias. A novidade já atende à nova legislação da Europa para esse tipo de veículo, por isso exige um impulso inicial de até 6 km/h para o motor elétrico entrar em funcionamento.

Há também um pedal na plataforma que precisa ser pressionado algumas vezes para que a velocidade aumente, mesmo que tenha limites pré-estabelecidos de velocidade e autonomia para até 30 km.

LEIA MAIS: Veja quais são os 5 scooteres novos mais baratos do Brasil

De acordo com a BMW,  uma carga completa no patinete leva cerca de duas horas e meia. E o veículo ainda oferece uma tomada USB para carregar o celular e conexão Bluetooth para futuros aplicativos. Já à venda na Alemanha, exige, tal como para as bicicletas elétricas , seguro e pode ser conduzido por quem tenha habilitação para pilotar ciclomotores. O preço é de 2.399 euros (cerca de R$ 10 mil).

A Mini, que também é do grupo BMW, também já apresentou um conceito de scooter elétrico. Batizado de E Scooter Concept, traz as mesmas linhas arredondadas e o estilo contemporâneo da linha de automóveis da marca.

O motor é instalado na roda traseira e funciona a partir de baterias de íons de lítio compactas, que são recarregadas em tomadas de energia domésticas convencionais, com a ajuda de um cabo de carregamento integrado à parte traseira da motocicleta. Ao abrir o compartimento do cabo — semelhante à tampa do tanque de combustível dos carros da marca — ela se ilumina e o plugue pode ser puxado para fora até uma distância de 5 metros.

LEIA MAIS: Audi RS4 ou bike elétrica? Pusemos as duas lado a lado para encarar o trânsito

Migrando para os equipamentos, o painel tem forma arredondada e é inspirado no mostrador central dos Mini, com capacidade de acomodar um celular. Ao encaixá-lo nele, o motor é acionado automaticamente. Enquanto a motocicleta estiver em movimento, o aparelho pode ser usado como navegador GPS, tocador de música ou telefone, conforme a necessidade do piloto.

Uma interface sem fio Bluetooth pode ser conectada a um capacete especial, que vem equipado com microfone e fones de ouvido. Por fim, as luzes indicadoras da carga da bateria e de acendimento dos faróis e dos piscas estão posicionados nas bordas do painel, em alusão aos botões no volante multifuncional dos Mini. Ou seja, entre os scooteres, as bicicletas e os patinetes elétricos , cada vez mais tecnologia chega agregada à boa mobilidade.