Renault Arkana vermelho
Divulgação
Renault Arkana de perfil mostra a traseira com uma queda acentuada da linha da capota, o que caracteriza um SUV-Cupê

A participação dos utilitários esportivos no Brasil continua aumentando. Hoje em dia, atinge 25% do mercado, de acordo com os dados da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos). E assim como aconteceu com outros segmentos, o terreno dos SUVs tende a ter novas ramificações. Uma delas é a dos modelos com ares de cupê,  segmento que se difundiu com o BMW X6, lançado nos Estados Unidos, há 11 anos. 

LEIA MAIS: Crossover SUV cupê seria o sucessor dos sedãs num futuro próximo?

O BMW X6 foi desenhado por um dos designers mais polêmicos dos últimos tempos, o americano Chris Bangle, que causou uma revolução no estilo dos carros da marca alemã. Na época em que o X6 foi lançado, tanto a imprensa quanto especialistas do setor automotivo consideraram a novidade algo próximo de uma aberração. Mas, apesar dos SUVs com jeito de cupê ainda sejam pouco comuns, vão começar a invadir o mercado.

Apenas em 2015, ou seja, sete anos depois do lançamento do X6, é que a Mercedes-Benz resolveu seguir os passos da rival e apresentou o GLE, o primeiro rival direto do BMW, marca que passou a ter outro SUV com jeito de cupê: o X4, que logo teve o GLC Coupé como concorrente. Ainda entre as marcas de prestígio, a Jaguar se rendeu ao que antes era apenas uma ideia estranha e lançou o E-Pace, em 2018. Agora, eis que a Porsche, marca do lendário cupê 911, apresenta o Cayenne Coupé, quem diria, não?

LEIA MAIS: Porsche Cayenne ganha versão SUV-cupê para concorrer com BMW X6

BMW X6 vermelho
Arquivo Pessoal/Carlos Guimarães
No lançamento do BMW X6, em 2008, nos EUA, o carro desenhado por Chris Bangle causou espanto na imprensa automotiva da época

 O mundo pode parecer estar de ponta-cabeça, mas além de terem adotado a ideia do SUV-Cupê como uma nova vertente no mundo das fabricantes de carros sofisticados e de alto valor agregado, também vão popularizar o segmento, mais de dez anos depois do primeiro carro do gênero ter sido lançado, mais exatamente na Carolina do Sul, local da fábrica da BMW nos EUA,  onde participei do lançamento do carro como um dos jornalistas convidados pela marca alemã.


Nova leva de SUVs

Projeção do Fiat Fastback azul
Kleber Pinho da Silva
Novo SUV da Fiat chega ao Brasil em 2021, com os novos motores Fire Fly turbo flex, que serão fabricados em Betim

 De fato, quando primeiro BMW X6 apareceu, ninguém poderia imaginar que o carro seria o precursor de um novo segmento que faria parte do portifólio até das marcas conhecidas por modelos mais modestos, como Volkswagen, Fiat e Renault.  É o que está prestes a acontecer, inclusive no Brasil, a partir do ano que vem, com Renault Arkana e VW T-Sport. Logo em seguida, em 2021, será a vez da chegada do Fiat Fastback.

LEIA MAIS: Renault Arkana, novo SUV-cupê que virá ao Brasil, é revelado por completo

 O Renault Arkana acaba de ser apresentado oficialmente na Rússia. O modelo médio fica acima do Captur e mira nos donos do sedã Fluence, que deixou de ser fabricado no final de 2017 com detalhes um pouco mais sofisticados como 8 opções de luz ambiente, bancos com ajuste de lombar e de altura, além de aquecimento nos assentos traseiros, nos vidros, espelhos e no volante

 Em todas as versões, o Renault Arkana será vendido com chave presencial. As portas são travadas automaticamente quando o motorista se afastar do veículo com a chave, bem como tem capacidade de ligar o motor pela chave a uma distância de até 200 metros. O porta-malas tem capacidade para 508 litros, ou 1.333 litros com os bancos traseiros rebatidos.

Quanto ao motor, terá duas: o maior destaque é 1.3 TCe turbo de 150 cv e 25,5 kgfm, que utiliza o câmbio CVT X-Tronic. Segundo divulgado oficialmente, entrega um consumo de 14,2 km/litro e tem autonomia de 700 km. A segunda opção será o 1.6 de 114 cv a gasolina, combinado ao câmbio manual de 5 marchas (6 posições na versão de tração integral).

Projeção de VW T-Sport
João Kléber do Amaral
Desenho traseiro do T-Sport deverá ser diferente do que vimos no T-Cross, que tem um aspecto mais comportado

 No caso do VW T-Sport , a base será a mesma do Polo, a MQB-A0.  Será um modelo que vai além de uma mera versão com apelo aventureiro do hatch, feito para brigar com as novas gerações de Chevrolet Onix Activ e Hyundai HB20X, além de Honda WR-V, entre outros. Assim como Polo e Virtus, o novo SUV-Cupê deverá ser equipado com motor 1.0 turbo e câmbio automático de seis marchas.

LEIA MAIS:  SUV-cupê de R$ 70 mil da Volkswagen deve se chamar T-Sport, diz site

Por enquanto, ainda não há fotos do VW T-Sport, apenas a projeção que o designer João Kleber Amaral, fez para a revista Motor Show, parceira do site iG Carros. A imagem mostra que o carro terá aspecto esportivo, com lanternas parecidas com as do sedã Virtus. A frente, porém, deverá ser praticamente a mesma da dupla da Volkswagen.

No interior, mais uma vez, boa parte dos componentes deverão vir da dupla VW Polo e Virtus, inclusive, o cluster digital e configurável e a central multimídia com tela sensível ao toque e compatível com Android Auto e Apple Car Play.  No porta-malas, por conta do design arrojado do T-Sport, não deverá ir mais do que 300 litros de bagagem.

LEIA MAIS:  Projeção antecipa o futuro SUV da Fiat, que chegará ao Brasil em 2021

 E o Fiat Fastback chegará em 2021, fruto dos novos investimentos da marca italiana no Brasil. Terá estilo baseado na picape Toro, que tem feito bastante sucesso desde o lançamento, no início de 2016. A marca italiana ainda não confirma, mas o carro deverá ser equipado com os novo motores Fire Fly turbinados, que estão sendo preparados para serem flex.

 Com isso, a potência máxima da versão 1.3 turbo poderá ficar em torno dos 180 cv com ajuda de recursos como injeção direta de combustível, bloco de alumínio e comandos de válvulas com variador de fase. O novo modelo da Fiat será um rival direto do Renault Arkana e de outros SUVs com ares de cupê que poderão aparecer no mercado, provando que as ideias de Chris Bangle não eram tão ruins assim, a ponto dele ter deixado a BMW um ano depois do lançamento do X6 e declarado que nunca mais trabalharia na indústria automotiva.

    Veja Também

      Mostrar mais