Tamanho do texto

Modelo resgata a sigla que consagrou Passat e Gol nas décadas de 80 e 90. Mas ainda pode receber mudanças até começar a ser vendido no País

VW Polo GTS arrow-options
Divulgação
O novo VW Polo GTS está confirmado para o primeiro trimestre de 2020, junto do irmão Virtus

A história da linha GTS começa com o Passat em 1983, equipado com o motor 1.6 da família MD-270. As vendas cresceram e a Volkswagen decidiu lançar a versão GTS no Gol 1987, sobrevivendo no mercado até 1993. Atualmente, ambos os modelos se tornaram clássicos, anunciados por pequenas fortunas nos classificados online. Mas 26 anos depois, a marca alemã resgata o legado das três letras com o novo VW Polo GTS, em uma nova geração de esportivos.

LEIA MAIS: VW Up! Connect: pequeno notável precisa ganhar apelo

O novo VW Polo GTS ,  esportivo de entrada da marca, foi mostrado no Salão do Automóvel de 2018, ao lado de Golf GTE, Passat GTE, T-Cross e o conceito Tarok. Após quase um ano de sua apresentação, o modelo ainda é um protótipo - já em estágios avançados de projeto. A Volkswagen convidou um seleto grupo de jornalistas para acelerar o modelo no Autódromo Fazenda Capuava (SP), onde pudemos conhecer mais sobre o esportivo que chega em 2020.

Sem mais delongas, o motor é o mesmo 1.4 turbo, de 150 cv e 25,5 kgfm de torque que equipa os irmãos T-Cross e Jetta. Esqueça a possibilidade de uma versão manual, pois a nova linha GTS terá câmbio automático de seis marchas. Para aguentar o uso extremo, o mapa de injeção foi refeito e a barra estabilizadora foi de 20 para 21 mm. Os freios, por outro lado, são os mesmos do Polo 1.0 TSI Highline.

À primeira vista, achei o modelo alto para um esportivo dos novos tempos. A Volkswagen não revelou as dimensões do Polo, mas o vão livre do solo é próximo ao da versão 1.0. Ainda assim, vale lembrar que este é apenas um protótipo e as medidas podem mudar até o lançamento no começo do ano que vem.

Da mesma forma, as rodas aro 17 pintadas de preto não são as oficiais. Flagras recentes comprovaram que a VW também está testando o GTS montado em aro 18, que poderá vir como pacote opcional. O design das rodas deve ser bem próximo ao que foi mostrado pela marca no conceito do Salão do Automóvel, mas nada está confirmado.

Na dianteira, o Polo GTS ganha faróis full-LED com as características faixas vermelhas, arremate preto-brilhante na parte inferior do para-choque e a sigla “GTS” na grade frontal. Seguindo o exemplo do Golf GTI , a Volkswagen removeu o nome “Polo” da tampa do porta-malas, mantendo apenas a sigla da versão.

Nossa reportagem teve a oportunidade de concluir duas voltas no autódromo ao lado do chefe de engenharia da Volkswagen, José Loureiro. O executivo mostrou que a central multimídia App Connect passou a contar com o seletor de modo de condução, item que marca presença nos modelos mais caros da marca.

LEIA MAIS: VW Jetta GLI está (quase) sozinho no Brasil. Veja as nossas impressões

A Volkswagen também acrescentou um menu para os mostradores de força G, quilowatt e temperatura - uma boa referência ao antigo Passat TS . Os bancos dianteiros inteiriços abraçam as laterais das costas do motorista, evitando o deslocamento do corpo na pista, e os detalhes avermelhados foram importados do Jetta GLI.

Na primeira curva, percebo que a suspensão do Polo GTS está mais rígida na comparação com o modelo convencional. A Volkswagen optou por uma recalibração em todo o conjunto, atendendo a nova proposta do modelo, mas vale lembrar que o rival Sandero RS tem um arranjo exclusivo (com buchas de poliuretano e ângulo de cáster mais fechado).

Ainda que não seja um arranjo exclusivo, o Polo GTS não embica em frenagens mais fervorosas, passando total equilíbrio e tato para o motorista. Na comparação com o hatch da Renault, o protótipo da VW é mais próximo de um carro urbano.

Multiuso

VW Polo GTS arrow-options
Divulgação
A proposta do VW Polo GTS é entregar o equilíbrio entre esportividade e conforto

“É um veículo multiuso”, explica José Loureiro, enquanto segura a alça de mão durante uma curva mais fechada. “Fizemos um carro de performance que também pode ser utilizado nas ruas”.

Os modos de condução do Polo GTS alteram a curva de torque entregue pelo acelerador, tempo das mudanças de marcha do câmbio Tiptronic e a assistência da direção. Partindo disso, é possível deixar o veículo um pouco mais “amistoso” na cidade.

LEIA MAIS:  Polo Beats aposta em som mais caprichado. Mas será que vale a pena?

Preços, versões e pacotes de equipamentos serão revelados durante o lançamento, mas o protótipo do VW Polo GTS mostra que a sigla ainda tem muita lenha para queimar no Brasil. Esperamos que a febre dos hatches compactos esportivos se prolifere.