Tamanho do texto

Todos os carros novos do País terão ISOFIX, além de cinto de três pontos e encostos de cabeça no centro do banco traseiro. Nos lançamentos, ESP


Sistema ESP arrow-options
Divulgação
Com o ESP, em desvios de trajetória repentinos, o carro é controlado pelo sistema, ajudando a evitar acidentes


A questão da segurança dos carros fabricados no Brasil é um tema polêmico que rende um acalorado debate. Mas, agora, a ideia é apenas fazer um breve retrospecto de quanto os modelos feitos no País ficaram mais seguros tendo como gancho a obrigatoriedade de novos itens importantes a partir de 2020.

LEIA MAIS: Veja os 5 carros mais baratos do Brasil equipados com controle de estabilidade

No ano que vem, todas os carros montados no Brasil terão que contar com, pelo menos, um ponto de ancoragem ISOFIX no banco traseiro. Estamos falando dos pontos presos à estrutura do carro que tornam a fixação de cadeiras infantis bem mais firmes e seguras para as crianças. 

Também em 2020, todos os carros feitos no País virão com cinto de três pontos e encosto de cabeça para quem vai sentado no centro do banco traseiro, algo que pode parecer corriqueiro, mas que apenas agora é que se tornou obrigatório em qualquer modelo zero quilômetro no Brasil.

Outro grande avanço quando o assunto é o nível de segurança dos carros fabricados no Brasil é a obrigatoriedade do controle eletrônico de estabilidade (ESP), que terá que ser instalado nos modelos novos a partir de 2020 e em todos os carros feitos no País, de 2022 em diante. Confira no video abaixo como o sistema funciona. Em linhas gerais, evita derrapagens em pisos escorregadios, ou em manobras de emergência.


 O equipamento, que já é totalmente obrigatório na Europa desde 2014, deveria ser requisito mínimo para os carros argentinos ainda em 2018. Antes mesmo do acordo, o governo Macri já havia declarado que a medida de adotar o ESP como equipamento obrigatório seria postergada para 2020.

LEIA MAIS: udo sobre as cadeirinhas de criança. Como usar e qual comprar

O ESP funciona por meio de sensores e modulo eletrônico formando um sistema que evita derrapagens e saídas de frente e traseira, ajudando a manter o carro sob controle em pisos escorregadios ou quando existe um certo abuso da velocidade nas curvas. Atua cortando a potência do motor e freando cada roda individualmente, para gerar força oposta no lado que está derrapando. Claro que tudo isso ajuda na prevenção de acidentes, principalmente nos carros mais altos (como os SUVs), mais propensos a capotar, principalmente, por causa do centro de gravidade.

Evolução da segurança dos carros no Brasil

VW Variant Verde arrow-options
Divulgação
VW Variant dos anos 70 foi um dos carros que apareceu com crianças no porta-malas em propagandas, algum comum no Brasil da época

 Nos anos 70, e pelo menos na primeira metade dos 80, era comum ver crianças andando no porta-malas de peruas ou até de hatches compactos no Brasil. Havia até algumas propagandas da época que mostravam os pequenos dentro do compartimento de bagagem, com a maior naturalidade.

Era uma época em que as pessoas não davam a mínima atenção para a segurança no País. Os cintos dianteiros ficavam largados no assoalho e os traseiros, apenas abdominais, quase sempre estavam escondidos embaixo dos assentos. Lembro bem, na VW Brasília 77 do meu pai, quando tive que desenterrar os cintos traseiros, no início dos anos 80.

A obrigatoriedade dos cintos de três pontos nos bancos da frente no Brasil veio apenas em 1994, 35 anos depois da criação desse equipamento. A resistência em usar o cinto na frente foi grande no País. Houve várias campanhas de conscientização, uma das quais com o então piloto de Fórmula 1, Rubens Barrichello, que dizia: “o cinto pode apertar, mas o gesso, esse aperta bem mais”.

 Até hoje existem presilhas que são usadas para que o cinto de segurança de três pontos não fique “apertando”. De qualquer forma, aos poucos, foi aumentando a necessidade de utilizar o equipamento de segurança e hoje é um hábito comum entre a maioria. Com os cintos traseiros centrais de três pontos obrigatórios, deverão começar novos esforços para aumentar o uso do equipamento no banco de trás. 

Fiat Mille prata arrow-options
Divulgação
Fiat Grazzie Mille foi a edição de despedida do Mille, 2014, quando duplo airbag e ABS se tornaram obrigatórios

 De 1994, pulamos 20 anos adiante e chegamos em 2014, quando os freios ABS e do duplo airbag frontal tiveram que ser instalados em todos os carros fabricados no Brasil. Isso acabou tirando de linha alguns carros icônicos, como a carismática VW Kombi e o memorável Fiat Mille, ambos com séries especiais de despedida (a Last Editon e a Grazie Mille, respectivamente). Os dois teriam de ter ABS e airbag, o que era tecnicamente impossível.

LEIA MAIS: Volkswagen confirma que vai produzir a nova geração da Kombi

Na Europa, freios ABS e duplo airbags começaram a ser obrigatórios na Europa em 1998, 16 anos antes do Brasil. O sistema de evita que as rodas do carro fiquem bloqueadas em frenagens fortes foi lançado em 1978, pela Mercedes, no sedã topo de linha W 116. A mesma fabricante foi que começou a usar o airbag em seus carros, a partir de 1987.

Com os novos itens de segurança obrigatórios nos carros fabricados no Brasil a partir do ano que vem atingimos, enfim, um novo patamar, bem mais de acordo com o que existe na Europa, EUA, Japão e nos países que estão na vanguarda em tecnologia automotiva. Agora resta formar melhores motoristas e ter vias mais seguras no País para reduzir as trágicas estatísticas do trânsito no Brasil, onde 47 mil pessoas morreram em 2018 em decorrência de acidentes, conforme estudo do Observatório Nacional de Segurança Viária.