Dá para acreditar que o Fox , um dos principais produtos da Volkswagen nas últimas duas décadas, quase não foi aprovado? Lançada no Brasil em 2003, a “raposa” acumulou mais de 2 milhões de unidades produzidas na planta de São José dos Pinhais (PR), inaugurando uma categoria até então inexistente no mercado brasileiro. O pai do projeto foi o designer automotivo Luiz Alberto Veiga, que também foi responsável por arredondar as linhas do Gol , em 1994.

LEIA MAIS: Chevrolet Celta: a história de um dos hatches mais bem sucedidos do Brasil

Os primeiros esboços

VW Fox arrow-options
Divulgação
O CEO da Volkswagen enxergou no Fox uma possibilidade para substituir o Lupo no mercado europeu

No princípio, o Fox gerou muita resistência na matriz alemã. Veiga contou que o primeiro esboço nasceu em um guardanapo, onde incorporou características de um veículo compacto, porém com o teto um pouco mais alto. Estes atributos chegaram a ser utilizados no primeiro slogan das campanhas publicitárias do Fox, com o saudoso lema: “compacto para quem vê, gigante para quem anda”.

A equipe de engenharia da Volkswagen do Brasil preparou dois conceitos que foram enviados à matriz para aprovação. De acordo com Veiga, o agressivo Martin Winterkorn, que comandava os projetos operacionais da Volkswagen no início dos anos 2000, se enfureceu com a possibilidade do Fox ser lançado. O engenheiro alemão que chegou a ser investigado pelos casos de adulteração nos resultados de emissões de gases (o chamado “Dieselgate”) dizia que o Fox jamais poderia conviver com o Polo europeu.

A aprovação veio diretamente de Ferdinand Piëch, o CEO global da Volkswagen que não economizou elogios ao Fox e à equipe brasileira. Uma de suas ordens era que o modelo fosse fabricado no Brasil, para abastecer o mercado latino-americano, e na Alemanha, para substituir o Lupo.

Ideia revolucionária

Spacefox arrow-options
Divulgação
A raposa ainda contou com uma versão perua, a VW SpaceFox, que foi descontinuada em 2018

Sem qualquer perspectiva para o domínio SUVs, as vendas de hatchbacks compactos dominavam a indústria brasileira em 2003. Logo, ter muitos produtos na categoria significava mais “frentes” para atacar a concorrência. A Volkswagen tinha três nomes pontuais: Gol , Fox e Polo .

Com 3,83 metros de comprimento, 1,64 m de largura, 1,54 m de altura e 2,46 m de distância entre-eixos, suas proporções não eram tão diferentes do Gol G3. Mas o Fox ainda parecia mais requintado que o Gol, trazendo algumas soluções interessantes como bancos corrediços, volante multifuncional e painel com kit de mídia integrado.

Aliado a uma política de sempre equipar cada vez mais a linha de compactos, o Fox acabou ficando mais caro que o Gol. O carro mais vendido da época foi oficialmente “rebaixado” pela Volkswagen em 2004, com o lançamento da quarta geração - marcada pelo empobrecimento, é considerada uma das piores na história do hatch compacto.

Lançado nas versões City, Plus e Sportline, o Fox tinha motor 1.0 de 72 cv de potência e 9,2 kgfm de torque, sempre com câmbio manual de cinco marchas. O modelo 1.6, de 103 cv de potência e 14,5 kgfm de torque surgiu em 2004, também com câmbio manual de cinco.

O primeiro crossover

VW CrossFox arrow-options
Divulgação
VW CrossFox inaugurou o conceito dos hatches aventureiros, seguido por todas as concorrentes diretas

Se hoje temos veículos aventureiros como Ka Freestyle e Argo Trekking, devemos isso ao lendário CrossFox . O modelo apareceu pela primeira vez em 2003, ainda como um conceito. Três anos depois, foi lançado com o estepe acoplado à tampa do porta-malas, para-choque personalizado e suspensão elevada.

LEIA MAIS: Toyota Corolla 'Brad Pitt' foi objeto de desejo da classe média brasileira

O CrossFox fez muito sucesso com o público que não tinha dinheiro para comprar um SUV, mas fazia questão do visual aventureiro. Em 2005, a cantora Stefhany lançou uma música (uma paródia da canção “A Thousand Miles”. da cantora americana Vanessa Carlton) que viralizou na internet. Ela mencionava o compacto aventureiro da Volkswagen, e até hoje, há quem chame a artista de “Stefhany do CrossFox”.

Polêmica

Não demorou para que uma falha grave fosse identificada no sistema de rebatimento dos bancos do Fox. Oito usuários tiveram seus dedos decepados ao tentar dobrar o banco, ainda que o sistema não fosse difícil de utilizar.

A Volkswagen se defendeu dizendo que não havia necessidade para recall uma vez que as instruções de uso no manual do carro mostravam a forma correta de rebater os bancos. De acordo com a marca, os usuários acidentados estavam utilizando o rebatimento de forma errônea. Quando o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor entrou no caso, a marca alemã foi obrigada a recolher 477 mil unidades do carro para corrigir a falha.

Um novo rosto

Fox arrow-options
Divulgação
Em 2010, o VW Fox ganhou até teto-solar como opcional da versão Highline

Lembra da polêmica linguagem de design global da Volkswagen da década de 2010? Os críticos diziam que todos os carros da marca alemã tinham “a mesma cara” - do Gol ao Passat. A integração de outros equipamentos semelhantes, como o clássico volante multifuncional em toda a linha, eliminou a individualidade dos veículos. No Brasil, o Fox foi o primeiro a trazer a nova característica de design, em 2010.

Foi nesta geração que o Fox teve um dos maiores line-ups de versões entre todos os compactos do Brasil. Podemos lembrar de nomes como Trend, Prime, Confortline , Bluemotion, Rock in Rio, Highline e Track.

O melhor Fox

Volkswagen Fox arrow-options
Divulgação
Na segunda e última reestilização, o Fox ganhou características do novo Golf para alavancar as vendas

Em meados de 2014, o Fox ainda era um dos veículos mais vendidos da Volkswagen no Brasil. A marca, então, decidiu deixá-lo ainda mais moderno e equipado, incorporando um facelift com fortes inspirações no Golf MK7, na linha 2015, quando o carro passou a estar disponível com controle eletrônico de estabilidade (ESP) mas versões Highline  e CrossFox, ambas com motor 1.6 16V.

O modelo ganhou novo volante multifuncional, central multimídia, computador de bordo e até opções automatizadas I-Motion. Com a integração do novo motor 1.6 MSI de 120 cv de potência, o Fox chegou a ter uma versão manual com câmbio de seis marchas - algo que Polo e Virtus não têm até hoje.

Início do fim

Volkswagen Fox arrow-options
Divulgação
O Fox Connect, uma das únicas versões da "raposa" disponíveis nas concessionárias atualmente, sempre com motor 1.6

Em 2017, a Volkswagen lançou o Novo Polo. Com isso, a linha Fox foi muito reduzida, perdendo as versões Bluemotion, Cross e MSI. Atualmente, a “raposa” tem apenas duas versões no mercado brasileiro: o aventureiro X-Treme e o urbano Connect. No conjunto mecânico, resta apenas o motor 1.6, de 103 cv de potência e 14,8 kgfm de torque, com câmbio manual de cinco velocidades.

Com essa “enxugada” na linha, muitos acreditam que o Fox está com os dias contatos. O presidente da Volkswagen do Brasil, Pablo Di Si, já disse à reportagem de iG Carros que enquanto o modelo ainda tiver demanda, será produzido em São José dos Pinhais (PR).

LEIA MAIS: Volkswagen Fox de 300 cv tem motor traseiro; veja o vídeo

O Fox é um produto de muitos méritos. Sobreviveu ao tempo com louvor, ganhando equipamentos interessantes em cada renovação. Não à toa, fez muito sucesso não apenas no Brasil, mas também na Argentina, México e Colômbia. Um legado que ficará para sempre na história da Volkswagen do Brasil.

    Veja Também

      Mostrar mais