Chevrolet Tracker cinza arrow-options
Divulgação
Chevrolet Cobalt deixa de ser produzido para dar lugar na linha de montagem à nova geração do SUV Tracker, que começa a chegar às lojas

O Chevrolet Cobalt sai oficialmente de linha. E o carro está difícil de ser encontrado nos estoques das concessionárias, conforme apurou a reportagem de iG Carros. Entramos em contato com algumas delas e encontramos apenas uma unidade, versão LTZ 1.8, com câmbio automático, pintado de azul métálico e sem nenhum desconto.

LEIA MAIS: Fim de linha para o Chevrolet Cobalt, o sedã da ex-nova classe média

Por quase nove anos representou a marca no então novo segmento dos sedãs compactos premium, mas após o novo Onix Plus — que chega com tecnologias completamente renovadas — o veterano perdeu o sentido.

Em nota, a fabricante reforça sobre o fim do Chevrolet Cobalt : "Desde o lançamento do Onix Plus , a empresa vem constatando uma migração dos consumidores de sedãs compactos da marca para o novo modelo, que oferece alta performance combinada com eficiência energética, além de novas tecnologias, como internet a bordo, assistente de estacionamento, seis airbags de série, além de amplo espaço interno”.

Em 2019 o Cobalt vendeu menos que o Chevrolet Cruze , 13.113 unidades contra 17.829. Além disso, vendeu apenas 282 unidades em janeiro deste ano. Este número é bastante inferior até mesmo ante as 786 unidades vendidas em dezembro de 2019, quando ele já apresentava uma queda brusca com a chegada do Onix Plus.

Em junho do ano passado, o finado sedã perdeu a versão topo de linha Elite, restando apenas a LTZ 1.8 (sem bancos revestidos de material que imita couro, nem volante revestido de couro, frisos cromados e sensores de chuva e crepuscular) e as LTZ e LT com motor 1.4 para frotistas. O longevo motor 1.8 8V de 111 cv também não tinha como sobreviver ante o 1.0 12V turbo de 116 cv do Onix Plus, que também entrega mais equipamentos na mesma faixa de preço (R$ 70.000).

LEIA MAIS: Conheça 5 sedãs seminovos com câmbio automático por até R$ 50 mil

O fim da produção do Cobalt abre espaço para a produção da nova geração do Chevrolet Tracker na fábrica de São Caetano do Sul (SP). Antes importado do México, o SUV foi um dos responsáveis por fazer com que a capacidade produtiva da unidade foi aumentada de 250.000 para 330.000 carros anuais em 2019.

Cobalt teve o seu momento

O Cobalt foi um sedã compacto introduzido pela Chevrolet em 2011 no Brasil e em países emergentes, para oferecer mais que o então recém lançado Prisma. Isso antes do Cruze, que já configurava um segmento acima. Com isso e apesar do visual controverso na época, conquistou o mercado pela racionalidade de seu custo-benefício.

LEIA MAIS: Confira os 5 sedãs compactos mais gastões com câmbio automático

Em 2012 a Chevrolet lançou as novas motorizações 1.8, com a opção da transmissão automática de seis velocidades nos modelos 2013, nas versões LT e LTZ. Foi reestilizado em Julho de 2016, ainda como modelo 2016, existindo portanto dois modelos do Chevrolet Cobalt neste ano. Nos primeiros meses do ano as vendas foram , em média, de 1.200 unidades ao mês. Com a reestilização, as vendas retornaram ao patamar médio de 2.300 unidades por mês.

    Veja Também

      Mostrar mais