Blindado
Divulgação
Carros blindados: a procura por eles vêm crescendo mais e mais, conforme o aumento constante dos índices de violência

A procura por blindagem automotiva cresce cada vez mais, principalmente no mercado brasileiro. Tanto que o Brasil já é o país com a maior frota de carros blindados do mundo, segundo dados da Associação Brasileira de Blindagem (ABRABLIN). Entre os fatores que mais contribuem para isso, estão a numerosa população — que coloca o Brasil na 7ª colocação global, com 211.716 habitantes ( census.gov ) — mas, principalmente, os 30 homicídios a cada 100 mil habitantes, segundo o último levantamento realizado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Isso é 30 vezes maior do que na Europa.

"O Brasil está entre as nações com as maiores taxas de homicídio do mundo. A gente compete em geral, na América do Sul, com a Colômbia, mas que vêm de um círculo virtuoso porque tem experiências bem sucedidas de redução de homicídios, como o que vem acontecendo em Bogotá. Pior que nós, só Honduras e El Salvador", diz Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Esses dados mostram como os carros blindados não são bens de luxo supérfluos.

Com capacidade de reter disparos de calibres 9mm, revólveres .44 e até de submetralhadoras, sem adicionar tanto peso ao carro como antigamente, e até com mais durabilidade dos vidros do que as tecnologias mais antigas, qualquer um pode adquirir uma blindagem automotiva . E absolutamente qualquer carro pode receber a proteção balística.

Dúvidas, mitos e alertas sobre blindagem

Blindado
Divulgação
Uma curiosidade é que há muitas situações em que se deixa de ser assaltado simplesmente por estar em um blindado

Mas algo ainda que faz muitos pensarem duas vezes antes de escolher fechar negócio com uma blindadora são dúvidas acerca da desvalorização do carro blindado , também levando em conta que se investe o valor equivalente a um carro zero km em uma blindagem. Diante dessa e de outras dúvidas, entrevistamos Leonardo Macedo, especialista do mercado automotivo e de blindagens pela W. Truffi Blindados.

"Uma blindagem nova, ainda dentro da garantia, tende a valorizar o carro, ante um não blindado. Falando apenas do valor referente à blindagem, dentro do primeiro ano, há uma depreciação, mas ela é quase insignificante. Quanto mais antiga for a blindagem e o carro blindado, o valor total terá depreciado em escalas maiores, até que chegue ao ponto de um modelo não blindado valer mais do que o mesmo modelo blindado", afirma Leonardo Macedo.

Além disso, o especialista destaca algumas características de público que definem a procura pelos blindados. "Dificilmente alguém que não tem interesse por um carro blindado vai pagar a mais por um com a proteção balística. Logo, notamos que o cliente desse tipo de carro é específico, e ao mesmo tempo, incondicional. Ele dificilmente abre mão da segurança contra armas de fogo".

Tabela munições
Divulgação
Cada blindagem aguenta determinados calibres. Acima de IIIA, são restritos para membros das Forças Armadas ou chefes de Estado.

"Por outro lado, quanto aos blindados acima de 10 anos, mesmo esses clientes fiéis são receosos em relação à capacidade de proteção, algo responsável por acelerar a depreciação e até diminuir a procura por eles. Mas isso acaba sendo um julgamento equivocado, a partir do momento em que analisamos um blindado mais antigo que recebeu revisões adequadas dos componentes balísticos. E quem sabe analisar uma blindagem na prática, é capaz de atestar um blindado usado", afirma.

Os maiores cuidados que um dono de blindado deve tomar, ainda segundo o especialista da W. Truffi, estão na dirigibilidade, nos prazos de manutenção do veículo e outros detalhes menores presentes no uso cotidiano, mas que fazem diferença. Vale lembrar que, por mais que as blindagens venham se tornando cada vez mais leves ao longo dos anos, elas adicionam entre 90 kg e 240 kg, dependendo do modelo, e alteram o centro de gravidade do carro.

"É muito importante que o proprietário se lembre de não fechar a porta com os vidros abertos, para não trincá-los. Evitar a exposição excessiva ao Sol, pois isso antecipa a delaminação dos vidros — algo que não afeta a capacidade de proteção da peça, mas que só se conserta trocando o vidro, com gastos que podem ir de R$ 6.000 a R$ 12.000, dependendo do tamanho. E quanto mais suave for a dirigibilidade, melhor, para poupar consideravelmente os freios, a vida útil dos componentes de suspensão e o próprio consumo de combustível e pneus", diz Leonardo.

Volvo
Guilherme Menezes/iG Carros
Tem marcas que usam mais aço do que manta. Enquanto outras usam mais manta do que aço. Além disso, há diferentes opções de vidros

Se você é dono de um blindado com mais tempo de estrada, há cuidados adicionais, ante os mencionados de forma mais geral, às blindagens novas. "O carro blindado usado deve passar por revisões a cada dois anos para verificar todos os componentes balísticos. Isso depois do vencimento da garantia, pois esta exige revisões anuais. Não só os vidros, como também as mantas e o aço, que são as partes opacas e ocultas. Se isso for feito religiosamente, o carro um dia terá mais de 10, 15 ou até 20 anos, e ainda assim estará seguro e muito bem conservado", destaca o especialista.

O Macedo alerta, aos que procuram blindar um carro, que se deve tomar conhecimento da quantidade de aço balístico empregado no veículo. Isso é importante, pois há blindadoras que utilizam mais aço do que a manta nas partes opacas, enquanto outras preferem o oposto. O melhor cenário está no menor uso de aço possível, e da manta o maior possível, uma vez que, assim, o carro fica mais leve e tão resistente quanto.

"Na W. Truffi, utilizamos 12% ou menos de aço, apenas. Não é muito fácil de descobrir qual é a blindagem mais leve, e portanto, melhor, entre as oferecidas no mercado. Mas sabemos de marcas que utilizam um percentual maior de aço, que é mais barato para a blindadora do que a manta, mas o preço final que chega para o cliente acaba sendo o mesmo. Ou seja, paga-se o mesmo por um produto mais pesado, que a blindadora gastou menos para fabricar", alerta Macedo sobre os carros blindados .

    Veja Também

      Mostrar mais